Pular para o conteúdo principal

Um sistema único e nunca mais repetido na história - Duomo de Florença

Adoro séries históricas. São o meu novo vício. Através delas revivo o velho hábito de aprender história através dos filmes, da literatura e das artes. E tive a oportunidade de ver alguns capítulos da história dos Medici. Os de Florença, não os daqui. Até porque os de lá marcaram sua época com o mecenato que resultou em muito da beleza artística da Florença que hoje conhecemos e admiramos. 
Duomo da Catedral de Santa Maria del Fiore
A série mostra a história de Cosimo di Medici, banqueiro e incentivador das artes e artistas. Um episódio da série, que se passa no início dos anos 1400, me chamou particularmente a atenção: a aparição de Filippo Brunelleschi que vence um concurso para construir a cúpula da Catedral de Santa Maria del Fiore. 
As grandes obras de catedrais demoravam muito para serem finalizadas naquelas eras. A Catedral de Florença começou a ser construída em 1296, sob as fundações de uma antiga igreja e tinha o projeto de Arnolfo di Cambio. Entre paradas e retomadas, os séculos se sucederam, e a catedral tinha uma aparência imponente, mas sua cúpula continuava a descoberto. Era um problema de difícil solução na época. Eis que em 1418 a empresa que administrava as obras, que contava com recursos vindos de impostos (inclusive sobre heranças), anuncia o concurso. Vencido por Brunelleschi (que usou o estratagema do ovo que pára em pé como argumento, segundo se conta, e que devia ter uma lábia bem boa) os trabalhos da construção da famosa cúpula só iriam terminar em 1434. Na série se conta que incentivar a construção foi uma feliz ideia de um hábil Cosimo Medici para incentivar o trabalho e a economia em uma combalida Florença empobrecida pelas guerras. 

Fonte
Mas e qual seria a técnica usada pelo relojoeiro para resolver o problema da cúpula de Santa Maria del Fiore? Segundo um estudo sobre a obra feito por Massimo Ricci seria "um sistema único e nunca mais repetido na história" cujo resultado final faria Florença entrar para a história...

....Entre estas soluções, uma teve grande destaque, justamente a de Fillipo Brunelleschi, na qual a construção da cúpula poderia ser executada sem qualquer tipo de armadura de madeira, mas através da utilização de uma série de concêntricos e autoportantes anéis em pedras (arenito) reforçados em sua parte externa com correntes de ferro. Desta forma esses anéis protegeriam a estrutura contra esforços laterais durante a fase de construção.....(e também) a divisão da cúpula em duas partes. A primeira seria uma cúpula interna, espessa e em forma de concha, tendo em sua base 2 metros de espessura e em seu topo 1,5 metros. A segunda, externa, com o intuito de proteção contra o vento, a água e qualquer tipo de intempéries, menos espessa e com uma forma mais majestosa. Entre as duas cúpulas, buscando facilitar a inspeção e acerto de reparos, foi construída uma escadaria curva, hoje muito utilizada para a visitação. Essas cúpulas eram reforçadas por 24 nervuras de arenito, sendo 8 delas definindo os vértices do octógono e, as restantes, menores e inseridas na estrutura, duas a duas nos lados do octógono. (Fonte)
Fonte
E conseguiu. Embora alguns apontem que a cúpula estruturalmente seja uma loucura e que nem seja assim tão funcional, já que permite a passagem de pouca luz, ela carrega em sua imponência o título de maior cúpula de alvenaria já feita na história. E o que talvez reforce a sua magia seja que até hoje não se sabe com certeza como teria sido feita, já que não sobraram vestígios de seu projeto, restando estudos feitos a posteriori. 
Fonte

Técnica persa de construção de cúpula sem escoras dominada pelos persas, que Bruneleschi utilizou em Florença
"Ele desenhou uma estrutura com 91 m de altura, com 45,5 m de diâmetro em forma dupla, ou seja, duas cúpulas, uma interna e outra externa com 463 degraus no interior (como se fosse um sanduíche de degraus) com um peso de aproximadamente 37000 toneladas, composta por mais de 4 milhões de tijolos, a ser montada sem andaimes." (fonte)
Fonte
 
Há várias teorias de como ele resolveu o problema (a mais correta até agora parece ser a de Massimo Ricci - veja vídeo AQUI). O que percebemos é que esta cúpula em toda a sua magnificência é um exemplo de como a Arquitetura pode trazer soluções técnicas inusitadas fazendo com que um edifício se torne mais que uma obra tecnicamente bem feita, mas que incendeie os olhares, a imaginação, gere controvérsias e que pessoas se debrucem sobre ele até hoje, passados quase seis séculos.
Fonte

Brunelleschi and the Fibonacci Principle and Proportions


Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi