Pular para o conteúdo principal

Memórias da faculdade

Foto: Elenara Stein Leitão - no processo durex que a gente usava para fazer fotos panorâmicas
FAU UFRGS final dos anos 70, início dos 80. Na época haviam poucas faculdades de arquitetura no RS e a gente enchia a boca para falar URRGUISSSSS só para ver o olhar de admiração das pessoas que nos olhavam de cima a baixo. A gente precisa dessas aprovações ao ego quando tem 20 anos.

Foi neste prédio na esquina maldita que jovens cheios de entusiamo e sonhos se cruzaram pelos corredores e a famosa escadaria da faculdade de Arquitetura. Lembro disso agora porque com as facilidades da web estamos nos reunindo de forma virtual - os formados, os que largaram pelo meio, os que viveram de alguma forma o sentimento de pertencer aos Arq anos 80. 
Fonte
Lá se vão mais de três décadas de contato com a profissão. E rememorar os colegas, lembrar das festas, das maneiras de se projetar e de como cada um levou e leva a sua vida profissional me deixa cheia de uma nostalgia de vida. Já falei sobre as 10 lições que a faculdade de Arquitetura me trouxe como aprendizado e sobre como era o projetar naqueles eras pré CADs em normógrafos e outras cositas estranhas. Mas acho que ainda não falei sobre os colegas e o quanto eles compartilharam comigo com suas experiências de vida.Quando se começa um curso de graduação pensamos nas matérias, nos desafios de horários, nos trabalhos e no custo seja financeiro ou emocional. Mas existem os parceiros de jornada. Gente como a gente que trilha a mesma rota e passa pelos mesmos desafios. E como nos ajudam! Se posso dar mais um conselho aos estudantes que acaso me leiam nesse momento: cultivem as amizades com os colegas. Elas são preciosas em nossas vidas!
Me lembro que transitei por vários grupos. No começo como vinha de outra faculdade, transferida, me entrosei mais com os estudantes de fora. Particularmente com estudantes de convênio como chamávamos os que vinham dos países vizinhos. Foi excelente também para que compreendesse melhor o espanhol, língua fundamental na bibliografia da época. Com eles aprendi novas culturas, fiz excelentes viagens, apreendi um pouco mais sobre a liquidez das fronteiras. E de como diferentes culturas podem influenciar no resultado do ato de projetar. 

Participei também dos grupos de estudantes aplicados. Aqueles que tiravam boas notas e que faziam o curso no tempo certo. Convivi com os que trabalhavam duro durante a faculdade, faziam bico e precisavam esticar o curso para poder terminar por falta de condições financeiras de se manter. Como era época da ditadura, também conheci aqueles estudantes que de repente surgiam do nada, e com seus cabelos escovinha contrastavam com os cabeludos inquietos das turmas. Duravam pouco. O tempo de um semestre. O suficiente para tentarem fazer amizade e perguntarem muito. Depois sumiam. 

Tinham os amigos para toda a vida. Eram diferentes dos amigos do semestre. Com os primeiros a gente trocava planos e sonhos de uma maneira mais intensa que foram se consolidando porque a gente continuou a se encontrar pelos anos afora. Tinha os colegas que marcaram a gente e tinha os que a gente marcou.  

Olhando agora para os rostos mais maduros e tentando conciliar com aquelas caras juvenis de outrora passa tanta emoção. É como se uma etapa de nossas vidas voltasse, uma das mais bonitas, mais sofridas, mais cheias de garra e conquistas.

Companheiros de jornada, bom revê-los! 

Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que