Pular para o conteúdo principal

Se essa rua fosse minha....

Quando era pequena gostava de cantar essa musica: 
Se essa rua fosse minha eu mandava ladrilhar com pedrinhas de brilhante para o meu amor passar
De lá para cá nossas ruas foram perdendo identidade e de uns tempos para cá, toda e qualquer segurança. De locais de encontro foram se transformando em locais de passagem. De locais amistosos foram ficando hostis. Esses dias voltei de uma missa com senhoras do meu prédio. Uma missa de sétimo dia em uma Igreja próxima. Saímos sete da noite. Em comboio. Todas foram sem bolsa e com medo...Na mesma rua que eu usava para voltar a noite, bem tarde, da faculdade. A pé. E o único perigo que corria eram as cantadas.
E se alguém conseguisse ladrilhar de esperança as ruas, os espaços, a vida da gente? Enquanto as soluções finais não vem, até porque a gente não tem unanimidade sobre quais seriam, que bacana se as praças se enchessem de gente vibrante e fossem ocupadas pelas almas e corpos que vibrassem em uma sintonia de querer uma rua que fosse nossa...

Foi o que senti nesse fim de semana na #ViradaSustentável desse ano. A caminhada matinal, onde vou sem nada, sem lenço nem documento como os novos baianos dos anos 70, um misto de medo e de vontade de não me plugar, mas sim comungar com o céu e o verde, se vestiu de festa e conhecimento. Ganhei mudas, aprendi a fazer um risoto com PANCs (Plantas alimentícias não convencionais), assisti um ensaio de show, poderia ter feito yoga, meditado, trocado livros e outras mil atividades de quem queria virar a cidade. Tornar e se adonar dos espaços públicos para que cumpram sua missão de locais de convívio. 


Foi com esse espírito que me encantei com essa dica do amigo José Antonio Roig, do excelente blog educacional Educa Tube sobre essa plataforma : Videocamp.com . Lá se pode encontrar vídeos incríveis que podem ser compartilhados com outras pessoas e mesmo solicitados para exibições gratuitas públicas, um excelente meio de fomentar o debate e levar novas ideias à mais pessoas. Dentre esses vídeos me encantei com esse sobre mobilidade urbana que tem tudo a ver com o que falei acima. O resgate de nossas ruas para nós ladrilharmos com amor para que a sociedade possa passar com mais vida e mais saúde! 

Se essa rua, se essa rua é curta-metragem em animação que aborda de maneira poética a questão da mobilidade urbana e a necessidade da consciência ambiental no planeta. Uma moça, que poderia ser qualquer um de nós, insatisfeita com sua forma de estar na cidade, decide tomar uma atitude para mudar seu dia-a-dia.
Roteiro, direção de arte, ilustrações e animação | Paula Vanina Cencig
Assistência de roteiro: Luiz Gadelha e Rafael Telles
Trilha sonora original: Luiz Gadelha
Sonorização e Mixagem final: Rafael Telles


Se essa rua, se essa rua from paulavanina on Vimeo.

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n