Pular para o conteúdo principal

Livraria de sonho cria laços entre os livros e os seres humanos

Iniciei o ano precisando cuidar de mim. E isso significava sincronizar mente e corpo em um esforço de saúde. Uma na verdade não existe sem a outra. E entre caminhadas e Pilates, entre alimentação saudável e uma taça de vinho (duvidam, olhem as pesquisas para confirmar), senti muito premente a necessidade de trabalhar o foco, acalmar a cabeça. Meditar.

Olha que não é brincadeira a gente sobreviver nesse mundo cheio de informações, cheio de obrigações. Cheio de deverias onde a ação e resolução dependem cada dia mais de nós para a sobrevivência. E enquanto não mergulho em um OMMMM de prática meditativa, mergulho naquilo que me faz viajar e acalma a mente. Para mim quase uma meditação: ler.

O que dizer quando entre uma pedalada e outra (sou dessas que lê na bike de exercício) um livro me lembra que nenhuma ilha é desabitada porque hospeda sátiros, górgonas e sereias...e que essas últimas, algumas delas pelo menos, tem a tarefa de "chamar o tempo", criando nos seus locais "aquele frêmito que dispõe a mente a receber impressões quiméricas: o silêncio que cria". (Domenico De Masi - Alfabeto da sociedade desorientada).

Esse frêmito, esse silêncio que cria, esse chamamento do tempo, esse canto de sereia sinto ao ver um espaço como essa livraria chinesa, a Zhongshuge.

 
Primeiro a imagem. A arquitetura é feita de sentidos. E a visão talvez seja nosso contato imediato. As imagens de uma espiral, um espaço que se contorce em torno dos livros, que aguça a mente da leitora de menina, de mulher, de curiosa...
Imagino que o paraíso é uma espécie de livraria. Jorge Luis Borges

Depois vou sorvendo as palavras que descrevem o projeto como se ele fosse também um livro. O que se fala de um espaço é tão importante quanto o que se vê. O que norteou a concepção, o que levou àquele canto de sereia que desperta a vontade de saber mais.

E o que leio é pura poesia. Um espaço que se cria em torno dos arcos e formas sinuosas, qual um rio que corre pelas margens e com elas brincam de namoros e descobertas. O local e a cultura aqui reinterpretados criando "laços entre os livros e os seres humanos" 
Em tudo é como se estivéssemos em outra terra, em um paraíso que nos conduz ao conhecimento. E tudo isso usando elementos formais que compõem uma unidade lógica. E poética. 
 As crianças também são contempladas com um espaço lúdico e colorido, com pontos que lembram a noite e a magia que nos acomete quando, pequenos, nos contam histórias e somos levados a novos e encantadores mundos.


Projeto : X + Living
Fotos: Shao Feng


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que