Pular para o conteúdo principal

Arquitetura é estressante?

Já tinha lido um artigo de poucos anos atrás que colocava a Arquitetura como a sétima profissão mais estressante entre 200 outras estudadas. 7 entre 200 é uma relação bastante forte. Lógico que quem estuda e/ou labuta na rotina da profissão sabe dos perrengues e das loucuras que passamos até chegar ao diploma ou à solução que melhor atenda às expectativas do cliente. 

Muitos ainda associam a figura do arquiteto/arquiteta ao glamour ou ao deboismo de pessoas que trabalham por prazer e amam profundamente o que fazem. Aliás, pessoas que trabalham em um assunto que apaixona uma grande maioria que adora pensar em trabalhar criando espaços e soluções.

Sim. É apaixonante. Sim. É estressante. 

Entre os critérios (de estresse apontados na pesquisa) estavam condições do ambiente de trabalho, grau de competitividade e riscos no trabalho, além de salário e potencial de crescimento na carreira.

Há uma grande confusão entre gostar do que se faz e adorar fazer tudo o que se faz naquilo que amamos fazer.  

Uma profissão é muito suor sobre talento. Muito mas muito mais suor que talento. Porque para cada lampejo de criatividade fantástico, houve com certeza horas e horas de pesquisa, de muita leitura, de muita procura. De muita tentativa e acerto - e o aprendizado com os erros são muito eficazes, mas extremamente doloridos (para a alma e o bolso) quando se é profissional. Tem muita capina dura (e por vezes bem chata) para se atingir a satisfação de um bom trabalho. Fazendo uma alegoria ao gosto nacional: uma coisa é jogar uma pelada domingueira sem compromisso. Outra bem diferente jogar profissionalmente. Quem não estiver ciente disso pode sofrer muito.

Já li também sobre a questão da saúde mental nas escolas de arquitetura e a relação entre aluno e professor como sendo um fator quase cultural de estresse. Eu tinha uma opinião muito particular de que os professores agiam assim na graduação para nos preparar para os futuros clientes e parceiros. 



Não me entendam mal. A grande maioria dos clientes é maravilhosa. Mas quando a gente não atinge uma solução satisfatória, quando erra, quando não consegue administrar os desencontros dos parceiros....nossa adrenalina vai a mil. Será diferente com outras profissões? Não creio. Cada uma tem o seu grau de incertezas e aprender a lidar com isso faz (ou devia fazer) parte da formação. Quem não sabe lidar com os nãos da vida, não vai conseguir sobreviver para curtir as vitórias. Aquela história de fazer do limão, limonada. E dos pepinos, saborosa salada.

Já evitei brigas feias entre cliente e mão de obra. Já fiquei de pára choque entre briga de parentes clientes. Já enfrentei muita situação de estresse danada. A maioria levo de letra. Se não levasse, já tinha desistido. Quer ser arquiteto? Se acostume a ser diplomata.

Mas e naquelas que a gente afunda? Não sabe como lidar? Quando a dor da alma se torna maior que o amor da profissão? Passei por uma assim na vida. E digo para vocês que não é moleza. Perdi o tesão da coisa. E quando se perde o tesão, não há solução. Pelo menos não uma solução fácil.

Mas com tudo isso, nunca imaginei me deparar como um artigo que tivesse essa conclusão impactante que me foi passado por um colega: arquitetura ocupa o quinto lugar na lista de profissões com mais suicídios  
Um estudo norte-americano listou arquitetos entre as pessoas com maior probabilidade de tirar a própria vida.A pesquisa realizada pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças da América revelou que aqueles que trabalham em arquitetura e engenharia são o quinto grupo mais propenso a cometer suicídio, em comparação com aqueles que trabalham em outros empregos.


É uma pesquisa americana e não encontrei nada que trate aqui do Brasil. Também não conheço nenhum caso de colega que tenha optado por esse caminho. E confesso que tenho uma imensa dificuldade de falar sobre isso porque é um assunto muito sério que exige muito trabalho profissional (e não de arquitetos).  

Sempre associei Arquitetura à criação e sei o quanto ela é visceral. Mas seria essa visceralidade tão abaladora de nossas estruturas? E se assim for, o que está sendo feito na formação dos profissionais para lidar com isso? Fica a dúvida e a questão.

*Mais informações de contato para outros países podem ser encontrados através da Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio


Como uma campanha publicitária reduziu 85% da taxa de suicídios na Coréia do Sul

Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…