Pular para o conteúdo principal

Seremos nós analfabetos urbanísticos?

Faço a pergunta não aos arquitetos e urbanistas, mas temo que alguns dos primeiros talvez não tenham passado do Mobral básico em algumas escolas. Faço a pergunta às pessoas de modo geral. Estamos preparados para compreender e atuar em nossas cidades? Somos ensinamos a ver, sentir e interagir com o espaço urbano de forma empírica. Não seria interessante que ele fosse uma matéria escolar?  
Cidade - espaço urbano


Faço essa indagação ao resgatar outro texto de meus guardados que trata justamente dessa questão. O autor, Lucas Jerzy Portela, é um psicologo baiano e com especialização em saúde mental. Ele tem um texto instigante e ressalto alguns pontos:
"é preciso ter em conta que o analfabetismo urbanístico não ocorre por inércia: boas cidades podem ser lidas “naturalmente”, sem um ensino diretivo anterior. Aliás, mais radicalmente nos lembra Ivan Ilich, boas cidades educam de um modo que escolas nunca serão capazes. Para que se instale o analfabetismo urbanístico (como patologia cogno-afetiva clínica e epidêmica) não basta não se ensinar geografia urbana nas escolas, é preciso ter cidades desorganizadas e cujo uso pedestre seja punitivo."
Analfabetismo urbanístico


Muitas cidades se salientam por serem atraentes, por possuírem diversidade e espaços que chamam ao encontro. Ao contrário de muitas que conhecemos que nos assustam mais que encantam. Onde não somos chamados a percorrê-la com nossos pés ou onde o carro privado seja absoluta prioridade.  
"O analfabetismo urbanístico é, assim, um ciclo vicioso: quanto menos gente entende cidades, pior elas são usadas; pior usadas, se deterioram; deteriorando, se usa menos; usando menos se deterioram, etc."
Afinal cidades são feitas de gente, de movimento e vida, de gente que as ama e se preocupa em conhecê-las e transformá-las. 
"Por fim, uma última objeção. Costuma-se fazer a oposição, no Brasil, entre analfabetos urbanísticos de um lado, e especialistas (urbanistas, arquitetos, etc.) em outro. Esta oposição é apenas uma forma de manter as coisas ruins como estão. Não sendo urbanista, mas tendo crescido sempre em meio a boa arquitetura (e a ensino de geografia urbana desde o primário, no Colégio Antônio Vieira, Garcia) sou urbanófilo – no sentido em que Jean-Luc Godard diz “cinéfilo”. Isto é: aquele que do amor devocional a uma arte, extrai um saber que acaba com sua capacidade ilusória, desvendando seus artifícios de linguagem por dentro."
urbanismo

E como então passarmos do desconhecimento ao prazer de saber e se tornar também um urbanófilo como o autor se define? Como nos tornarmos cidadãos sustentáveis para construirmos e trabalharmos por cidades mais sustentáveis?
Conhecimento. Este uma passo que poderia ser incrementado com o ensino do espaço urbano nas escolas. Mais alguns passos nesse sentido podem ser vistos em:

E gostaria de contribuir para o conhecimento do pensamento urbano com um link que descobri essa semana e que faz um panorama cronológico do pensamento urbano. Trabalho de pesquisa de duas universidades brasileiras UFRJ e UFBA que considero de interesse não apenas de profissionais e estudantes da área, mas de todos os que vivem nas cidades.     

Cronologia do pensamento urbano


Gostou? Conta para a gente a sua opinião.  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest