Pular para o conteúdo principal

Nenhuma mulher deve morrer enquanto gera a vida

A maternidade é um período muito especial na vida de uma mulher. Vivemos em uma sociedade que, bem ou mal, consegue garantir condições mínimas de cuidados para uma gestante. Mas se tentarmos imaginar uma realidade bem diferente, qual a resposta que a Arquitetura pode dar?

É o que trata esse projeto. A primeira vista nada de especial em termos formais. Ah, mas são contêineres que levaram ajuda japonesa para uma região muito pobre de Zâmbia na Africa e onde o índice de mortalidade infantil e de gestantes é muito alto. Esses dados mobilizaram investidores japoneses. Inclusive pelo aspecto de reciclagem.    
Mas como vemos na entrevista (AQUI) da Arquiteta Mikiko Endo, os desafios foram maiores.
"Meu desafio era projetar uma estrutura que fosse atraente o suficiente para atrair a atenção dos moradores locais que não possuem televisores ou ler jornais, e levá-los a pensar: "Ei, eu gostaria de ficar neste lugar e dar à luz com segurança ! "- mas também construir algo que faria doadores individuais e corporativos do Japão pensarem:"! Este é um grande edifício tal, eu definitivamente gostaria de apoiar projetos semelhantes no futuro."
Se para os doadores os contêineres eram uma solução não apenas viável, mas desejável, para os moradores locais não. Eram vistos com muitas restrições quanto à forma, durabilidade, segurança. Conciliar culturas e necessidades diferentes exige do profissional que projeta uma sensibilidade e humildade de desenvolver uma empatia com o modo de pensar. Minhas ideias para o teu problema nem sempre são a solução mais viável. e é muito prepotente tentar impor soluções que para alguns parecem lógicas e modernas. Mas que para outros soam como estranhas e pouco desejáveis.

Todo esse processo de envolvimento de todos os participantes também incluiu um workshop com moradores locais que resultou na decoração da casa de espera da maternidade com selos em forma de folha e os nomes dos 100 doadores japoneses

A música e a dança foram usadas no processo o que facilitou a apropriação do espaço pelos moradores. E permitiu que mulheres pudessem ter um local onde prosseguir com segurança a sua gestação. 

E eu concordo inteiramente com a arquiteta quando ela concluí sobre o seu aprendizado com este projeto: 
"Quero manter a criação de arquitetura que trata de frente com questões da vida e da felicidade humana. Eu não quero esquecer o que aprendi com este projeto, que é que além do prestígio do arquiteto indivíduo, existe um mundo muito maior, mais amplo de alegria"
Uma arquitetura que mobiliza culturas diferentes em prol de uma causa humanitária, uma arquitetura que ajuda a salvar vidas e a garantir que mulheres possam exercer o seu papel na perpetuação da espécie com mais segurança e dignidade, esta sim, é uma Arquitetura que vale a pena ser feita. 

Mother Architecture

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi