Pular para o conteúdo principal

Arquitetura - bela sim, mas tem que funcionar

Esses dias falei aqui sobre o Bikini Berlin, um centro comercial com hotel em Berlim na Alemanha. E eis que fiquei boquiaberta com a seguinte notícia que um colega postou em uma rede social :   Novo hotel em Berlim expõe intimidade de hóspedes que vão ao banheiro.

Pode isso? Obvio que não, ainda mais quando se aponta que os clientes ficam em situação constrangedora justamente por uma ação projetual, ou seja, é culpa do arquiteto. Já tinha falado aqui sobre 10 erros arquitteônicos que custaram caro e de como as decisões de projeto tem que ser bem embasadas. E chegamos a um velho e salutar debate sobre o ensino da Arquitetura. Talvez estimulados por arquitetos nacionais considerados gênios e que tinham nas formas o seu ponto focal, prioritário e as vezes único, o ensino da profissão passou a enfocar a beleza per si como ponto fundamental na prática profissional. Arquiteto é o que faz coisas belas. Perfeito. Mas bem mais que isso. Arquiteto é o que projeta espaços que funcionam, que abrigam pessoas com todo conforto, segurança, usabilidade, acessibilidade, fazendo com que sejam sustentáveis. E que afinal com tudo isso resultem belos.

E como se consegue isso? Com muita pesquisa, com muito planejamento. Com uma boa equipe multidiciplinar. Com suor e com humildade. Uma solução formal não deve sacrificar o resto. Ao contrário, a solução bela deve surgir da união de todos os condicionantes. Não basta dominar a arte de representar, não basta um CAD/REVIT/SKETCHUP bonito e bem renderizado. É preciso mais. É preciso que aquela solução apresentada fique em pé, que funcione no verão e no inverno, que não gere desperdicio, que tenha sustentabilidade durante a vida do usuário, que seja de fácil manutenção. Que contribua para o seu entorno, ou pelo menos que não o atrapalhe. E que com tudo isso ainda encante os olhos. E todos os outros sentidos. Isso é arquitetura. A forma isolada é escultura, por mais bela que seja. 

Confesso que não tenho acompanhado a evolução da grade curricular das faculdades de Arquitetura. Quando entrei elas eram muito diferentes. Fiz vestibular em uma em que a Arquitetura pertencia à área de humanas. Terminei em outra em que estava nas Exatas. O enfoque em uma e outra eram completamente diferentes no ato de projetar. Tanto uma como a outra foram importantes para o meu aprimoramente profissional, mas recordo que pensei, na época, em como poderiam receber a mesma atribuição profissional dois estudantes que tivessem estudado apenas em uma ou outra.

Tomara isso tenha sido sanado, mas ainda sinto um enfoque muito grande no profissional artista e criativo em detrimento do profissional que sabe erigir e projetar uma edificação com toda a sua complexidade. 

Arquitetura, que seja bela sim. Mas que funcione na vida prática. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi