Pular para o conteúdo principal

Habitação para a saúde - 9 práticas de vida saudáveis ​​e de segurança

Achei esse site super interessante garimpando nos favoritos de outro site. É uma das maneiras que tenho encontrado muita coisa bacana na web, as vezes até mais que nas pesquisas do Google. Já tinha falado desse projeto na postagem de como o Design pode ajudar a combater a pobreza

Pois esse site cujo nome mais uma vez me chamou a atenção é o  Healthabitat e nele achei essas nove práticas de vida saudáveis ​​e de segurança nas habitações. Muitas vezes ficamos tão focados em tecnologias, formas, estética que esquecemos de práticas tão indispensáveis e corriqueiras. Ou que deviam ser, mas não são para milhões de pessoas no nosso planeta.


Prática
Saudável 1 - Lavar Pessoas

Como assim? Toda casa tem banheiros e meios das pessoas se lavarem, não? Nem sempre! Várias populações ao redor do mundo não tem acesso à mínimas condições de higiene e sabe-se que a assepsia reduz e muito a propagação de doenças. E segundo o site, mesmo em países evoluídos como a Austrália ainda se convive com altas taxas de doenças como diarreia e infecções que poderiam ser evitadas e/ou diminuídas com locais para habitações com práticas mais saudáveis. Veja AQUI uma solução para zonas carentes.


Prática Saudável  2 - Lavar roupas (inclusive de cama)
Sim, muito comum, todos temos máquinas de lavar de última geração. Só que não, como se diria nas redes sociais. Muitas pessoas ainda lavam suas roupas em rios e riachos, isso quando os tem por perto. E mesmo nós, que vivemos com relativo conforto e higiene muitas vezes nos esquecemos de lavar almofadas e travesseiros....E sim, "lavar roupas e lençóis regularmente pode ajudar a reduzir a incidência de doenças infecciosas, como a diarreia , infecções respiratórias, sarna e outras infecções cutâneas."

 Prática Saudável 3 - Remoção de águas residuais de forma segura

Fazer a manutenção adequada, evitar vazamentos que possam contaminar o meio ambiente e a saúde das pessoas que vivem ali. Sabemos que doenças podem ser transmitidas pelos esgotos e por isso a importância de canaliza-los de forma correta para que não contaminem a nós e nem ao solo, nem a água potável que consumimos. Essa é uma ação fundamental e uma das principais cobranças que devemos fazer de nossas autoridades públicas. Não existe cidade saudável sem saneamento básico.  

Prática Saudável 4 - Melhorar a nutrição , a capacidade de armazenar preparar e cozinhar alimentos

Essa é uma prática cada vez mais falada. Muitas doenças podem ser causadas por problemas de nutrição, diabetes, doenças cardiovasculares e renais entre elas. Obesidade e má nutrição também são detectadas em populações carentes - e as vezes nem tanto. E muitas vezes a escolha de uma dieta mais saudável pode ser agravada pela falta de capacidade armazenamento e  preparo dos alimentos nas casas e comunidades. 

  
Prática Saudável 5 - Reduzir os impactos negativos do excesso de população

Casas com excessos de habitantes podem reduzir o tempo e o acesso aos locais de banho como também a falta de privacidade e o compartilhamento de quartos, e mesmo camas, pode aumentar o risco de disseminação de doenças.


Prática Saudável 6 - Reduzir os efeitos negativos de animais, insetos e vermes

As pessoas são afetadas pelo contato com animais, vermes e insetos no ambiente em que vivem: mosquitos que transmitem doenças, fezes de cães e gatos, moscas e ratos podem transmitir doenças se não se observar cuidados de higiene necessários.

Prática Saudável 7 - Reduzir os impactos da poeira sobre a saúde

"A poeira provoca problemas de saúde diretos por meio da irritação de superfícies mucosas e da pele , o que contribui para doenças dos olhos , tais como o tracoma , a doença respiratória e infecções da pele." E não apenas as comunidades rurais padecem desse problema. Muitos bairros de periferia não contam com ruas calçadas, sem contar os problemas da poluição que são constantes em nossas cidades.
 

Prática Saudável 8 - Controlar a temperatura do ambiente em que vivemos

A arquitetura pode ajudar com bons projetos que contribuam para que as casas tenham um micro clima mais adequado, nem muito quentes nem muito frias. Os excessos de temperatura podem contribuir para uma variedade de doenças físicas e mesmo problemas emocionais. E os mais afetados são os jovens e idosos. 

  
Prática Saudável 9 - Reduzir os riscos que causam trauma

Mas há que se atentar que casas mal projetadas e/ou construídas ou com falta de manutenção podem fazer mal para a saúde das pessoas. Mais uma vez crianças e idosos são o grupo de maior risco em quedas e ferimentos que podem gerar inclusive internações. 

Comentários

  1. Elenara
    Ótimas dicas para nos lembrar que com ações simples podemos viver com muito mais qualidade de vida.
    Obrigada por compartilhar!
    bjs
    Regiane

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi