Pular para o conteúdo principal

Quem não muda, para no tempo

Recebi a dica de ver essa palestra de um publicitário gaúcho cinquentão que, dizem, fez sucesso na última Campus Party. Eu não sou uma nerd em potencial. E na verdade sou uma cinquentona metida que nuca (ou quase nunca) pediu ajuda para navegar. Mas nerd não sou. Muitas das expressões modernas fogem do meu campo de vocabulário, nunca joguei vídeo game e entrei tarde no universo dos smart phones. Mas sou curiosa. E lá fui eu conferir a palestra.
É longa e sei que muitos que aqui chegarem não terão tempo nem paciência para tirar uma hora e ver e ouvir o que ele tem a dizer. É pena. Vale a pena. Confesso que não fiquei tão deslumbrada como alguns jovens nerds dos comentários que vi por aí. Algumas coisas que ele fala são óbvias. Assim já aviso, quem pretende ver o vídeo pare por aqui e assista.


Para quem não teve tempo e não se importa com surpresas vou falar do que ouvi. O tema básico é MUDANÇA. E se a natureza e os homens sempre mudaram, com o advento da era de comunicação instantânea de massas chegamos a uma nova era. Bem representada pela geração que hoje tem uns 10, 13 anos. Passamos de paradigmas de vínculos para novos hábitos de ficar. Um ficar transitório que vai desde parcerias pessoais, amorosas à profissionais. Em termos de consumo então há uma revolução na medida em que a tecnologia nos dá acesso a tudo, antes, durante e depois da compra. Muitos de nós, inclusive arquitetos, já deparam com clientes que pesquisam e trazem novidades. E sabem do que falam. E já, já vamos deparar com mais frequência com gente que domina tecnologia 3D, que sabe entrar nos espaços e propor soluções para os seus problemas. Os sites e blogs do Do It Yourself que o digam. E grande parte deles não são feitos por arquitetos ou designers. São pessoas que passaram e passam por necessidades e acabam aprendendo a se virar.

Então, teimar em ter ideias rígidas, viver em um passado ou presente com respostas prontas é sinal de suicídio profissional. E com um recado bem claro dele - que se referia ao mercado de marketing digital - mas que de certa maneira vale para muitas profissões, principalmente as que trabalham com criação: vai piorar. Vivemos em época de concorrência intensa. Com clientes que sabem o que querem. Ou o que não querem. E que estão dispostos a pesquisar e a trocar. A hierarquia vertical se horizontalizou. Todos tem que batalhar e muito, do presidente ao estagiário. E tem que estar atentos ao relacionamento com clientes. Sempre.

Abrir a cabeça, se informar, ver e digerir muita, muita informação. E não ter preconceito de ser mais intelectual ou taxar A ou B com menosprezo. É preciso saber dialogar e compreender vários tipos de pensamento. E algo fundamental desde que o mundo é mundo: abastecer a mente com conteúdo, aumentar a bagagem pessoal. Tecnologia não é mais diferencial. É obrigatório. A diferença pode estar na visão de mundo, na leitura do que acontece no mundo, nas viagens que se faz e principalmente da leitura da sua sociedade. E daí não importa a sua idade. Velho é quem se deixa parar no tempo. Jovem é quem flui.

Não foi bem isso que você percebeu da palestra? Conta prá gente a tua percepção. Afinal, a visão pessoal de cada um é que faz a diferença no mundo. 

E para complementar achei um vídeo super interessante com uma pergunta instigante:

Se você pudesse mudar alguma coisa na sua vida, o que seria?

Clica lá e veja as respostas das pessoas pelo mundo.

 

Elenara Stein Leitão

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…