Pular para o conteúdo principal

O Brazil não valoriza o Brasil

E pior, o Brasil não conhece o Brasil

Esses dias li umas considerações de um francês sobre o Brasil e, entre outras, essa me chamou a atenção:


"Aqui no Brasil, as pessoas acham que dirigir mal, ter transito, obras com atraso, corrupção, burocracia, falta de educação, são conceitos especificamente brasileiros. Mas nunca fui num pais onde as pessoas dirigem bem, onde nunca tem transito, onde as obras terminam na data prevista, onde corrupção é só uma teoria, onde não tem papelada para tudo e onde tudo mundo é bem educado!"

Nessa semana pude contatar com alguma pessoas, duas pessoalmente e uma por tabela (falei com a sua esposa) e falávamos justamente sobre esse cacoete cultural das pessoas não valorizarem a prata da casa. Olharem o Brasil por uma ótica pessimista, reveladora de sua própria baixo estima pessoal. 

Que tal começar a focar nas coisas boas que esse país tem? Vou apresentar três exemplos que fariam orgulho a qualquer pais do mundo.

  •  Você sabia que o melhor profissional mundial de marketing do ano de 2013 é brasileiro?

Pois o Marco Gomes, brasileiro e brasilense, foi eleito pela World Technology Awards como melhor profissional de comunicação e marketing de 2013. É mole? Sabe quem já foi premiado ali? Um tal de Mark Zuckerberg. 

Eu também não conhecia o Marco. Conheci a Talita, sua esposa, em outro evento do Viva 2.0, e em Maceió, durante a visita à fábrica da Verde da Coca Cola, ela foi minha companheira de quarto. Isso fez com que eu a seguisse mais de perto nas redes sociais e acompanhasse cheia de admiração a indicação - e ser indicado entre os seis profissionais de marketing no mundo já seria um feito e tanto. Pois ele ganhou! Ele é fundador da Boo-Box, uma empresa brasileira de tecnologia de publicidade e mídias sociais. Leia aqui um  entrevista com Marco Gomes

(2018) Quer saber mais sobre Marco Gomes e sua trajetória? Leia aqui
Marco e Thalita Ribeiro Gomes -

 “Esse prêmio não é um fim. Por causa dele, nada muda, mas ele é muito interessante, pois é uma conquista de um grande time. Ainda assim, nossas metas internas continuam fortíssimas para continuarmos crescendo. Por exemplo, com 50 pessoas, conseguimos competir em um mercado que tem Google e Facebook no Brasil. O que temos de equipe inteira, essas gigantes têm em equipes de vendas.." (Forbes Brasil)

  • Você já ouviu falar do projeto ASBC que desenvolve um projeto de aquecedor solar de baixo custo e distribui esse conhecimento para que as pessoas possam dele se beneficiar sem cobrar? É obra de brasileiro

    Silvana, Augustin e Oscar em um agradável bate papo na casa do colega

    O Augustin Thomas Woelz é daquelas pessoas super simpáticas que parece ser conhecido da gente há anos. Foi me buscar no evento de hidratação, sentou na plateia, ficou assistindo super interessado a palestra do Ilton Azevedo, pulou banco para sentar no banco traseiro do jipe de meus amigos, ficamos tomando café e ele relatando sobre sua visita à Porto Alegre, na década de 90, para conhecer pessoalmente o projeto do aeromóvel com o eng. Coester. (esse é outro exemplo a ser estudado e conhecido)

    Pois essa pessoa super bacana é um dos criadores do projeto ASBC que merece ser conhecido. Ele desenvolveu um aquecedor solar, de baixo custo, de fácil fabricação e em vez de comercializar, decidiu abrir esse conhecimento para que as pessoas pudesse aprender, baixar manuais e fazer seus próprios aquecedores solares. Com várias premiações a Ong SOCIEDADE DO SOL  cumpre seu papel social e ajuda a sustentabilidade no mundo. 

  •  "O foco do projeto é a população de baixa renda, e a gente tem recebido muitos retornos dessas pessoas"

  • Você sabia que um dos seis adolescentes que estão mudando o mundo é brasileiro e mora no complexo do Alemão?

    Pois este é o Rene Silva. 

  • Eu já seguia a voz da comunidade pelo twitter desde a ocupação do complexo do alemão e sabia do papel que eles representaram naquele episódio, pautando jornalistas do mundo inteiro. E quando tive a oportunidade de ir ao Rio, em um evento do Viva 2.0, conheci o Rene Silva pessoalmente.

    Rene Silva, Sam Shiraishi e Guilherme Nunes da Silva na Cidade de Deus - RJ

Me lembro que na volta para o aeroporto, no táxi, ao passarmos perto do Complexo do Alemão para deixar aquele menino que ia ao seu lado, o motorista falou de sua admiração pelo trabalho daquele jovem que, para sua surpresa, estava ao seu lado.  

De lá para cá tenho acompanhado mais de perto a trajetória do Rene e posso afirmar que se alguém tem alguma dúvida sobre o potencial da juventude brasileira se debruce mais sobre esses exemplos e escute com mais atenção a voz que vem das chamadas periferias e comunidades organizadas.

“A coisa importante sobre ser jovem e fazer o que eu faço nas favelas é a criação de novos pontos de referência. No passado, era o tráfico de drogas. Hoje, há mais reconhecimento das pessoas que estão tentando fazer o bem e mudar a realidade do lugar onde vivem.”
Veja AQUI a reportagem do The Guardian


Então, esses três exemplos mostram que garra, capacidade e talento não nos faltam. Quantos Marcos, Augustins e Renes estão ao seu lado nesse momento, batalhando, crescendo, precisando de incentivo e holofote? Não precisamos esperar que olhos de fora venham aqui descobri-los para depois darmos valor. Essas histórias de sucesso de vidas e projetos nos apontam exemplos. Então, me desculpe, mas não me venha com essa história de que aqui não presta, aqui não funciona, aqui não é sério, isso pra mim tem nome: se chama baixa auto estima. Nos outros países que essas pessoas tanto admiram as pessoas não ficam paradas sobre os problemas - e eles tem aos montes. Elas agem. Quem se gosta faz. Vai em frente. Apesar de. E muitas vezes incentivado pelos apesar de. Imagina se esse país se amasse, como seria? Talvez aquele que você sonha. Comece por você então. Mude a ótica. #Ficadica

 Autor : Elenara Leitão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...”
Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll
Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer.
Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver.
De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes.

Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam objetos…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest