Pular para o conteúdo principal

Ao pé do muro - e do pré conceito

Estava arrumando minha biblioteca do escritório, organizando e limpando os livros quando achei esse livro que me acompanhou na graduação: Ao Pé do Muro. Creio que nem existe mais porque só encontrei em sebos na rápida pesquisa que fiz no Google. Quando abri uma página ao acaso vi um desenho de homem de terno saudando uma mulher NUA saindo de um poço. Postei a foto no Instagram como curiosidade. Mas...

arquitetando ideias

arquitetando ideias ...fui me dar conta que essa figura, em um livro didático e profissional era algo muito significativo. Me lembro que o Ao Pé do Muro era uma tradução de um livro técnico francês que era dirigido aos profissionais da construção civil naquele pais. Ele dava informações técnicas relevantes com uma linguagem clara e era cheio de figuras explicativas o que tornava a leitura mais amena. 
Mas confesso a vocês que eu não me dei conta, na época, de como a figura feminina aparece como coadjuvante ou mero enfeite. Folheando o livro hoje só vi uma figura onde mulheres aparecem trabalhando. É na parte de acústica e elas estão em um escritório. Em todas as outras figuras as mulheres aparecem fazendo trabalhos domésticos, sendo esposas ou estão em atitudes provocantes com pouca roupa ou nuas, seja como a moça que sai do poço, seja como estátuas ou sereias.
arquitetando ideias
Tudo bem, é um livro antigo, de repente reproduzia um mundo que não existe mais. Será? Esses tempos fiz uma postagem sobre mulheres na arquitetura e fala de uma realidade bem mais atual e ainda aponta essa cultura sexista e machista no ambiente da construção civil. Mesmo que o ambiente de obras tenha mudado bastante desde que me formei em 1982, ainda temos poucas mulheres recebendo prêmios expoentes como o Pritzker. Talvez isso mude com novas posturas das mulheres no ambiente da construção civil e em um futuro próximo tenhamos mais mulheres no comando e não apenas servindo de cenário.

A questão da caracterização do papel de alguém em livros, revistas, na sociedade marcando sutilmente papéis é super relevante. Vai marcando posições e comportamentos. Vai insinuando qual papel cada um deve ocupar. Se uma menina e/ou mulher se vê retratada em uma posição subalterna ou de ajudante pode ir internalizando que esse papel é justo e acaba por perpetuar os pré conceitos existentes. Vários artigos e estudos mostram que o caso desse livro não é exceção e e que essa realidade não mudou tanto assim. Vejam em Educação e a Imagem da mulher nos livros . Mais em A MULHER NA HISTÓRIA: REPRESEN TAÇÕES NOS LIVROS DIDÁTICOS de Maureen Javorski (PDF) e em
A MULHER E A HISTÓRIA: Um Papel Desigual de Sandra Alves Moura de Jesus (PDF)

Urge mudar essa história. Ajudar a resgatar o papel determinante que as mulheres sempre tiveram na história, seja a que é escrita em livros, seja a que é feita de lutas e conquistas diárias e que passa tão longe dos holofotes, mas que marca nossas vidas e garante conquistas tão importantes. Tantas mulheres tiveram papeis determinantes em conquistas que hoje desfrutamos. E a maioria ficou anônima. Lembro de um sonho de projeto da Sam Shiraishi de falar sobre as mulheres no século XX e mostrar, através de histórias de mulheres conhecidas, as lutas e avanços que resultaram em um poder maior de escolha para nós, suas descendentes. Escrevi sobre isso em Mulheres que me arquitetaram  

Que possamos ver mais representações femininas em papeis de comando, em meninas não apenas cuidando da beleza ou brincando de casinha, mas brincando também de ser pedreira, engenheira, arquiteta, piloto ou presidenta. (e sim a academia brasileira de letras reconhece que existe essa palavra -e a própria celeuma em torno dela já revela o quanto esse papel ainda não é natural em nossa sociedade). 

Autor: Elenara Leitão

PS: eu nem sabia que existia um livro moderno com esse nome e essa postagem nada tem a ver com ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Buhais Geology Park, inspiração em ouriços de 65 milhões de anos

O Buhais Geology Park é um local de magnífica importância pré-histórica e geológica, localizado nos Emirados Árabes Unidos. Há evidências científicas de que foi um mar cerca de 65 milhões de anos atrás. Para expor as coleções de fósseis marinhos e outros objetos relevantes da eras da Pedra, Bronze e Ferro, o escritório Hopkins Architects projetou cinco interessantes espaços circulares, interconectados e que servem para acomodar não apenas as áreas de exposição, mas também várias instalações para visitantes, entre elas um teatro e um café. 


Segundo o site dos arquitetos, a inspiração para a forma dos espaços de exposição foram os ouriços fossilizados. Para não causar muitos danos ao meio ambiente, as edificações "foram projetados como estruturas de concreto pré-fabricado e apenas tocam levemente o solo em discos de fundação de concreto armado in-situ."



As estruturas de concreto são revestidas com painéis de aço coloridos para se adequarem à paisagem. Estes painéis, que dão a ap…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…