Pular para o conteúdo principal

Ao pé do muro - e do pré conceito

Estava arrumando minha biblioteca do escritório, organizando e limpando os livros quando achei esse livro que me acompanhou na graduação: Ao Pé do Muro. Creio que nem existe mais porque só encontrei em sebos na rápida pesquisa que fiz no Google. Quando abri uma página ao acaso vi um desenho de homem de terno saudando uma mulher NUA saindo de um poço. Postei a foto no Instagram como curiosidade. Mas...

arquitetando ideias

arquitetando ideias ...fui me dar conta que essa figura, em um livro didático e profissional era algo muito significativo. Me lembro que o Ao Pé do Muro era uma tradução de um livro técnico francês que era dirigido aos profissionais da construção civil naquele pais. Ele dava informações técnicas relevantes com uma linguagem clara e era cheio de figuras explicativas o que tornava a leitura mais amena. 
Mas confesso a vocês que eu não me dei conta, na época, de como a figura feminina aparece como coadjuvante ou mero enfeite. Folheando o livro hoje só vi uma figura onde mulheres aparecem trabalhando. É na parte de acústica e elas estão em um escritório. Em todas as outras figuras as mulheres aparecem fazendo trabalhos domésticos, sendo esposas ou estão em atitudes provocantes com pouca roupa ou nuas, seja como a moça que sai do poço, seja como estátuas ou sereias.
arquitetando ideias
Tudo bem, é um livro antigo, de repente reproduzia um mundo que não existe mais. Será? Esses tempos fiz uma postagem sobre mulheres na arquitetura e fala de uma realidade bem mais atual e ainda aponta essa cultura sexista e machista no ambiente da construção civil. Mesmo que o ambiente de obras tenha mudado bastante desde que me formei em 1982, ainda temos poucas mulheres recebendo prêmios expoentes como o Pritzker. Talvez isso mude com novas posturas das mulheres no ambiente da construção civil e em um futuro próximo tenhamos mais mulheres no comando e não apenas servindo de cenário.

A questão da caracterização do papel de alguém em livros, revistas, na sociedade marcando sutilmente papéis é super relevante. Vai marcando posições e comportamentos. Vai insinuando qual papel cada um deve ocupar. Se uma menina e/ou mulher se vê retratada em uma posição subalterna ou de ajudante pode ir internalizando que esse papel é justo e acaba por perpetuar os pré conceitos existentes. Vários artigos e estudos mostram que o caso desse livro não é exceção e e que essa realidade não mudou tanto assim. Vejam em Educação e a Imagem da mulher nos livros . Mais em A MULHER NA HISTÓRIA: REPRESEN TAÇÕES NOS LIVROS DIDÁTICOS de Maureen Javorski (PDF) e em
A MULHER E A HISTÓRIA: Um Papel Desigual de Sandra Alves Moura de Jesus (PDF)

Urge mudar essa história. Ajudar a resgatar o papel determinante que as mulheres sempre tiveram na história, seja a que é escrita em livros, seja a que é feita de lutas e conquistas diárias e que passa tão longe dos holofotes, mas que marca nossas vidas e garante conquistas tão importantes. Tantas mulheres tiveram papeis determinantes em conquistas que hoje desfrutamos. E a maioria ficou anônima. Lembro de um sonho de projeto da Sam Shiraishi de falar sobre as mulheres no século XX e mostrar, através de histórias de mulheres conhecidas, as lutas e avanços que resultaram em um poder maior de escolha para nós, suas descendentes. Escrevi sobre isso em Mulheres que me arquitetaram  

Que possamos ver mais representações femininas em papeis de comando, em meninas não apenas cuidando da beleza ou brincando de casinha, mas brincando também de ser pedreira, engenheira, arquiteta, piloto ou presidenta. (e sim a academia brasileira de letras reconhece que existe essa palavra -e a própria celeuma em torno dela já revela o quanto esse papel ainda não é natural em nossa sociedade). 

Autor: Elenara Leitão

PS: eu nem sabia que existia um livro moderno com esse nome e essa postagem nada tem a ver com ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi