Pular para o conteúdo principal

Redução de São Miguel - meu olhar

Meus livros
Realizei mais um sonho de vida. Conhecer as ruínas da Redução Jesuítica-Guarani de São Miguel Arcanjo. E era sonho porque aprendi no colégio, bem pequeninha, a história de Sepé Tiarajú, um bravo índio guarani que morreu lutando pela sua terra. Aquele grito de guerra: ESSA TERRA TEM DONO me soava como um brado de liberdade que me marcou desde jovem.

Entre a criança que fui e a adulta que me tornei, muita história se passou. Muita leitura, releitura, versões e conclusões. Li muito sobre a história dos sete povos, a organização dos jesuítas, a contradição da fé que se impõem sobre culturas, a cobiça de tantos (reis, Igrejas, conquistadores) que fazem a diferença na vida comum do povo.

Mas, fui para esse passeio de mente aberta. Como quem abraça um sonho e não o mistifica. Fui olhar. E fui olhar não apenas com a mente de arquiteta, fui olhar como quem reconhece um momento de vida, de luta, de fé, de conquista. Ruínas de um sonho de muitos. Lembranças para nós, que tantas vezes nos sentimos gloriosos, que a vida passa, os templos caem, mas as ideias permanecem. Nem que sejam em forma de lembranças.
Missão de São Miguel
Um trabalho primoroso, onde culturas europeias e americanas se fundem na produção de beleza. Artesãos guaranis aprendem técnicas com os jesuítas, há toda uma organização. Havia abastecimento de água por fontes próximas, faziam vinho, forjavam ferro. Se ensinava a ler, escrever, havia hospital.
Missão de São Miguel
E majestosamente no centro de tudo, a Igreja. Para que nunca se esquecesse que a causa das reduções era levar a fé católica aos povos bárbaros dos confins da terra. E em nome dessa fé, apagar muitas vezes seus hábitos, suas cultura, seus próprios deuses. Dessa mistura de intenções, surgiu uma sociedade avançada. Com técnicas, com estrutura cooperativa, que fez sua história. E que foi esmagada por interesses outros. 
Missão de São Miguel
E de suas ruínas tiramos tantas lições. Cada um a sua. Uns que a marcam na pedra, como essa inscrição de 1929. Outros que vislumbram que a Vida sempre permanece e torna a acontecer, fazendo do patrimônio sua morada.
Missão de São Miguel
Duas coisas me impressionaram além da construção. O vento. O barulho do vento lá dentro chega a ser assombrante. Há momentos em que, sozinha, em cantos, me senti acompanhada do passado. E os pássaros. Esse branco especialmente que dava rasantes quase que me desafiando a perpetuar sua liberdade. E me mostrando que mais que imagem, a vida de verdade é feita de instantes. Não consegui fotografar seu voo. Mas nenhuma foto que fiz me marcou mais que ele. 
Missão de São Miguel

Missão de São Miguel
Por dentro desses espaços andaram homens, mulheres e crianças. Embaixo dessa grama, nos quatro cantos entre as árvores, eles descansam em seu repouso eterno. Vida e finitude. Fé. Permanência. Transcendência.
  Fotos Elenara Stein Leitão

  Fotos Elenara Stein Leitão
Meu olhar foi particularmente impactado pela vida vencendo a morte. Pela renovação sobre a ruína. Pela vegetação que se une à muros feitos pelos homens. Pelo jovem guarani que brinca no meio da lembrança de seu povo. Será a sua vida hoje muito diferente das crianças de séculos atrás? Teria sido se as Reduções pudessem ter vingado? Teria sido se elas nunca tivessem existido? Quem saberá? A História é feita dessas indagações.
  Fotos Elenara Stein Leitão
  Fotos Elenara Stein Leitão / junho 2013

Comentários

  1. Gostei muito das suas reflexões a respeito desse olhar o passado com uma visão do presente.Particularmente, me sinto questionada sempre com a "violencia"de se forçar uma população a abandonar sua cultura
    e seus hábitos.Eu me pergunto:será válido tudo isso?

    ResponderExcluir
  2. Como todo questionamento histórico, creio que não conseguiremos responder. A História e a Vida se fazem de lutas, o mais forte abate o mais fraco. Será justo? Creio que não. Será possível que não mais aconteça? Também creio que não. O importante é estarmos sempre conscientes disso. Trabalho de formiguinha. Quem sabe um dia...
    Obrigada por teu comentário Edna, esse retorno é super importante para mim. Grande abraço
    Elenara

    ResponderExcluir
  3. Elenara, fiquei arrepiada de ler seu post. Parabéns, seu olhar tem espiritualidade e poesia. Beijos, Cláudia

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigada Cláudia! Muito bom saber que tu gostou! Abraços
    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto e belas imagens, concordo que o instante, o momento, é mais significativo que qualquer representação virtual.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Widhey Henrique! Adorei teu comentário. Abraço
    Elenara

    ResponderExcluir
  7. Maravilhoso esse teu trabalho e depoimento.Concordo com todos os comentários.A tua sensibilidade me fez refletir sobre a origem da nossa aguerrida ALMA gaudéria.
    Não serão uns Felicianos e Renans de hoje que nos intimidarão nossos insensatos desejos- , liberdade e desenvolvimento.Lembra da música"Vento Negro" do Fogaça foi o que tu sentiu.É o mesmo... Abraço

    ResponderExcluir
  8. Obrigada pelo comentário, Paulo Ricardo. Sempre tive muito presente essa herança da alma gaudéria. Abraços
    Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi