Pular para o conteúdo principal

A força da pátria - Milton Santos

Resgatando belíssima entrevista que faz uma apreciação sobre a importância da "força do lugar"


Cadernos do Terceiro Mundo N° 233 Ano 2001


Milton Santos - A força da pátria

O geógrafo e humanista deixa lições para se pensar o Brasil com esperanças. Crítico da globalização, confiava na capacidade do povo brasileiro em forjar nova realidade

Procópio Mineiro

"O mercado não resolve tudo", foi a mensagem do professor Milton Santos na entrevista que concedeu a cadernos do terceiro mundo, quando a revista comemorava sua ducentésima edição, exatamente quatro anos atrás, em junho de 1997. No último dia 24 de junho, em São Paulo, Milton Santos morreu, vítima de câncer, aos 75 anos. O baiano do interior, de Brotas de Macaúbas, há muito se tornara um cidadão do mundo, vislumbrando, por entre as regras e leis da Geografia, uma humanidade que caminha e anseia por espaços de justiça e solidariedade.

"Um discurso de baixo contraria o discurso de cima e produz a semente da força com que o Brasil já começa a enfrentar e recusar a atual globalização perversa", disse Milton Santos naquela entrevista a cadernos. Os conceitos aí expressos – o divórcio entre a maioria da cidadania e os dirigentes, o caráter desumano das práticas globalizantes – demonstram bem a percepção de quem afirmava, categoricamente, que "Estado mínimo" e "mercado" jamais atenderão às necessidades brasileiras por desenvolvimento.

O professor da Universidade de São Paulo distinguia a onda globalizante de outras épocas de expansão planetária dos centros mais desenvolvidos, como o colonialismo e o imperialismo. A diferença residiria na "nova qualidade da técnica, providenciada através do que se está chamando de técnica informacional. Essa técnica, isto é, essas técnicas da informação (por enquanto) são apropriadas por alguns Estados e por algumas empresas, aprofundando assim os processos de criação de desigualdades. É assim que a periferia do sistema capitalista acaba sendo ainda mais periférica, seja porque não dispõe totalmente dos novos meios de produção, seja porque lhe escapa a possibilidade de controle. O caso do Brasil é ao mesmo tempo singular, em virtude de seu desenvolvimento relativo, e é típico, já que as atuais formas de sua inserção na globalização supõem o abandono da ideia de projeto nacional e produzem um claro retrocesso econômico e social", definia.

A força do lugar

Dos conceitos da Geografia, Milton Santos filtrou princípios que lhe demonstravam que "o lugar recria cultura, ele o faz a partir de um cotidiano vivido de modo distinto, mas coletivamente, por todos. Este cotidiano é um reflexo das condições de cada lugar e tem suas raízes fincadas no trabalho em todas as suas modalidades", refletia o professor. Como é fácil entender, o lugar aí não é só o "topos", o terreno, um local qualquer, mas o lugar da comunidade que vive e interage, que cria uma identidade – um lugar que costumamos chamar pátria.

"É nesse aspecto, no entanto, que o cotidiano territorializado ganha um papel novo, ou seja, atribui às comunidades a possibilidade de se reverem e se redefinirem face à globalização, além de ampliar os horizontes de sua consciência, impondo novas visões de mundo, de cada nação, de cada lugar ou região, e se transformando, dessa forma, numa força política incontornável."

O mestre ensinava ainda, na entrevista a cadernos, que, "no caso brasileiro mais especificamente, é o território, com todos os seus lugares, mas sobretudo por suas grandes cidades, que revela a profunda crise da nação e o mal-estar que o processo de globalização está criando em toda parte. Esta descoberta já vem sendo feita por numerosos atores da sociedade. Além disso, esta mensagem está se difundindo com grande rapidez". Nessa crescente conscientização, ele antevia o germe da recusa aos novos padrões desumanizantes.

Globalização, blocos, as gentes

Ao participar do lançamento da Enciclopédia do mundo contemporâneo (co-edição da Editora Terceiro Milênio com a Publifolha), no ano passado, em São Paulo, Milton Santos reafirmou: "Creio firmemente que a globalização que aí está não é para durar. Caberá ao Terceiro Mundo um papel decisivo, não ao Primeiro Mundo. O maior desafio da América Latina é espanar a dependência intelectual."

Naquela entrevista a cadernos, o pensador voltava as vistas também para os blocos econômicos: "Afora a União Européia, os blocos regionais têm como meta essencial facilitar o comércio entre um grupo de empresas privilegiadas. E no caso do Mercosul e da América Latina, a idéia de cidadania é praticamente desconhecida. Desse modo, a forma como se desenvolvem atualmente os blocos econômicos regionais favorece a expansão e o fortalecimento do chamado mercado global e não a criação e fortalecimento de uma comunidade humana universal". 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e vem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.