MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Fomentando o turismo com arquitetura

As cidades sedes da Copa do Mundo estão um verdadeiro canteiro de obras e isso, embora gere problemas para seus habitantes hoje, vai ser bom em termos de mobilidade urbana em algum tempo futuro. Esperamos que sim. Mas não vejo um plano de valorização de nossas rotas turísticas que tenha um planejamento estratégico e unificado. E por isso achei bem interessante mostrar aqui o exemplo das Rotas Turísticas Nacionais da Noruega, um projeto de 2005 que reuniu um time de arquitetos para uma tarefa de peso:  "Um trabalho em conjunto para ligar os pontos em todo o país e ajudar a formar uma rede de obras de arte cênica que fariam qualquer pessoa (nórdico ou não) delirar". Esse é um trabalho de médio prazo (uma agenda de 15 anos) o que já me faz sonhar com algo assim aqui, acostumada a ações mais pontuais e em geral reativas. 



O viajante poderá conhecer as paisagens deslumbrantes do pais através de uma rede de rodovias seguras e com mirantes fantásticos! Tudo bem que no Brasil a escala é outra. Mas nada impede que isso fosse feito em estados ou regiões de interesse turístico. Uma iniciativa conjunta de governo, iniciativa privada e órgãos de classe como CAU e IAB poderiam se unir e prever um planejamento estratégico que fomentasse a vinda de turistas de fora e de dentro para curtir nossas belezas, que não são poucas. Seria sonhar demais?   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros