Pular para o conteúdo principal

Acessibilidade e sensibilidade

Em tempos de politicamente correto, é preciso, urgentemente, discutir e ampliar o conceito de Acessibilidade.

A Norma é fracionada: determina como deve ser a rampa, o piso tátil, o sanitário. Mas, para o usuário, itens em separado nada significam. Não adianta ter um banheiro acessível, se não há uma vaga de estacionamento corretamente reservada; pois para que o sanitário seja usado, é preciso que o público-alvo chegue até ele. Acessibilidade, para funcionar, tem que ser um conjunto de facilidades. A falta de um único item, compromete qualquer esforço em separado.

A Acessibilidade é um conceito muito mais abrangente do que se propaga. Vai além do estrutural. Acessibilidade começa no domínio da boa educação, da moral e do caráter. Faz parte das relações humanas. É preciso desenvolver empatia, simpatia e bom senso no sentido de voltar o olhar para o coletivo, para o outro.

Acessibilidade é atitude. É não jogar lixo na rua. É não parar na vaga do deficiente ou do idoso, nem que seja “rapidinho”. É nunca utilizar o caixa preferencial, a menos que faça parte do grupo a que se destina. É não furar fila.

Acessibilidade não é só para aqueles a quem costumamos associar o termo – deficientes, idosos, acidentados, grávidas, etc. Acessibilidade é para nós também. Placas de sinalização e localização também são acessibilidade. Ponto de ônibus com informação das linhas é acessibilidade.  Placa com nome de rua também. Quem de nós nunca precisou de informações como essas? São serviços, aliás, pelos quais todos nós pagamos com nossos altos impostos.

Precisamos urgentemente desenvolver uma consciência coletiva em acessibilidade; não para grupos específicos, mas para todos.

Os bons exemplos existem – e devem ser louvados, pois certamente não são produto apenas das leis, mas do entendimento de alguém que se dispôs a fazer o certo. E o certo sai sempre mais barato: evita desperdício de dinheiro com reformas futuras,  diminui demandas judiciais – pagas com dinheiro público, agrada a todo mundo e, de quebra, ainda cumpre a lei.

Fazer Acessibilidade também requer informação pois, segundo o velho ditado, de boas intenções o inferno está cheio. É preciso sensibilidade, mas também profissionalismo.

Fazer Acessibilidade é promover independência e dignidade. Às vezes, é recomendável um exercício de imaginação. Ao fazer escolhas, devemos antes responder a perguntas básicas, como “este é um local ou serviço que pode ser facilmente utilizado por todos, sem a interferência de qualquer suporte ou de terceiros ?”

Fazer Acessibilidade é internalizar bons hábitos, como não obstruir entradas, nem deixar obstáculos pelos caminhos.

Fazer Acessibilidade é garantir o direito de ir e vir, contemplado no artigo 5° da Constituição.

Fazer Acessibilidade é se comprometer individualmente com um “bem” que é de todos, independente das leis ou da responsabilidade do poder público.


Rosana Puga de Moraes Martinez, é presidente da Associação de Doenças Neuromusculares,membro do Conselho Gestor do Centro de Referências em Distúrbios do Movimento da Unepe, membro do Fórum Permanente de Acessibilidade e Mobilidade Urbana de Campo Grande-MS.

Fonte  Publicado aqui com o consentimento da autora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f