MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Arquiteto - artista e/ou técnico ?

Citizen Architect



"O arquiteto é essencialmente eclético, por isso, se encaixa nas três atividades (artista, profissional liberal, empresário) e em mais outras tantas. Nosso trabalho é criar instrumentos de cidadania, construir nosso estar-no-mundo. Ao procurarmos dar forma à encomenda, somos interpretadores das necessidades do homem: na família, nas instituições, na cidade, no País. O arquiteto tem de saber interpretar todos os sinais e as dimensões de cada situação. Sintonizado com as tecnologias e estimulando o avanço delas. Tem de ter a capacidade de participar da produção como um agente crítico, propondo soluções e  encontrando caminhos mais completos, mais abrangentes. Afinal, arquitetura é o espaço-síntese de toda a cultura." Gustavo Penna
Pois é, uma discussão e tanto. E uma excelente reflexão que corre em uma lista de arquitetura que participo. Afinal Arquiteto é artista, é técnico, é ambas as coisas ? Até que ponto o do cliente é relevante, ou mais preponderante que o sonho do Arquiteto ou a sua visão do que aquela obra poderá reverter para o mundo ou sociedade em questão. Se formos pensar na Arquitetura como contribuição cultural é meio obvio que ela se aproxima das Artes, das grandes obras que marcaram época, que mais que construções foram - e são - beleza, instigação, descoberta, mensagem. 

Mas e na vida comum ? Na sua casa, no seu apartamento, na sua vida ? Você procura em mim, em nós, uma reflexão sobre o momento da sociedade, sobre o seu momento...ou procura uma resposta técnica sobre um problema técnico ? Você procura um arquiteto autoral, com conteúdo, é obvio. Ou procura um profissional que lhe dê assessoria na construção ? Ou os dois ?

Você pagaria para alguém realizar o sonho dele sobre a sua (dele) concepção para o seu problema ?  Ou gostaria de fazer isso em conjunto ? Falando assim parece meio obvio, mas vou fazer uma analogia bem singela com um exemplo bem prosaico que me aconteceu. Eu ia sempre no mesmo cabeleireiro, e pedia o mesmo e ele fazia. E eu descontente porque ficava sempre com a mesma cara...já ia mudar de profissional quando um dia pedi algo novo. Ele me olhou sério e disse: então tem que se entregar. E foi o que fiz. Morrendo de medo. Mas fiz. E deixei que a veia artística dele fluísse. E o resultado foi o que eu queria há muito tempo: mudança e das boas. E esse "tem que se entregar" me acompanha hoje em muitas situações. Seria muito diferente para um cliente ? Estaria ele disposta a se entregar para obter o que nem ele mesmo sabe direito o que será, mas será algo novo, algo que o faça sonhar ?

Deixo com você que me lê essa indagação. Gostaria de saber como você pensa a respeito

 Curta no Facebook  Assine no Flipboard  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros