Pular para o conteúdo principal

Cittaslow - uma proposta urbana com alma


Crescimento acelerado, aglomeração de pessoas, carros e muita pressa. 

Nossas cidades refletem nosso estilo de vida ocidental. Já nascemos com pressa, queremos abarcar o mundo com o pouco tempo que julgamos ter...será que temos saída? 

Algumas pessoas julgam que sim. Foi nesse espirito que nasceu o movimento Slow Food em contraponto ao Fast Food. Parece lógico e tranquilo, parar e gozar a vida. Mas para muitas pessoas isso pode ser algo difícil.  Que tal um pequeno exercício ? Pare um pouco, clique no link abaixo e curta alguns instantes de quietude. 


Pois foi baseado no conceito do Slow Food que um prefeito italiano ( Paolo Saturnini)  de uma linda cidadezinha chamada Greve in Chiantiha, que fica na Toscana e é conhecida pelos seus vinhos, pensou em como poderia conciliar seu destino de cidade turística com um crescimento que não a descaracterizasse, ou seja uma proposta urbana com alma, respeitando sua identidade e valores culturais. Surgiu então o movimento Cittaslow .
Qual a ideia básica do Movimento Cittaslow?

Saturnini:
O objetivo é melhorar a qualidade de vida dos cidadãos a partir de propostas vinculadas ao território, ao meio ambiente, ao protagonismo comunitário e ao uso de novas tecnologias. O inimigo é o estresse, a pressão de valores não naturais, a perda de referências, a pressa. Tudo isto gera má qualidade de vida. 
http://www.cittaslow.org

Esse movimento cresceu e várias cidades no mundo inteiro se submeteram aos requisitos para pertencer à rede de cidades lentas. O perfil se adéqua mais às pequenas cidades, mas nada impede que as grandes metrópoles possam se debruçar sobre sobre eles e aplicá-los localmente, em bairros e alguns em forma mais extensiva. 

Para aderir à rede, os municípios candidatos devem ter até 50.000 habitantes e atender a diversos compromissos, entre os quais:

•    A política de planejamento deve servir para melhorar o território, e não apenas para ocupá-lo

•    Devem implementar uma política ambiental baseada na promoção da recuperação e reciclagem de resíduos, quando não for possível evitá-los
•    Devem usar os avanços tecnológicos para melhorar a qualidade ambiental e de áreas urbanas
•    Devem promover a produção e utilização de produtos alimentícios obtidos de maneira natural e ambientalmente respeitosos, excluindo os produtos transgênicos
•    Devem entender que o fortalecimento da produção local deve estar ligada ao território: agricultores e moradores tradicionais devem preservar suas mais antigas tradições, mesmo quando é incentivado o relacionamento entre consumidores e produtores
•    Devem implementar, quando necessário,  políticas e serviços públicos de defesa de grupos geralmente excluídos
•    Devem promover a hospitalidade respeitosa e a convivência harmoniosa entre os moradores e turistas, sem exploração, mas com valorização
•    Devem mobilizar e educar a consciência dos residentes e dos operadores turísticos sobre o que significa viver em uma cidade lenta e suas implicações, com especial atenção para a sensibilização dos jovens, através de planos de formação específicos.
Essas e outras informações super interessantes se encontram na entrevista que o prefeito Paolo Saturnini concedeu ao jornalista Rogerio Rusche
Leia no link abaixo a íntegra da entrevista

"Cittaslow: a revolução urbana que respeita a alma "

*Meu especial agradecimento ao Rogerio Ruschel que permitiu que eu reproduzisse aqui alguns trechos dessa entrevista. Recomendo uma visita ao seu portal e a leitura de artigos que lá se encontram, em especial os que falam sobre cidades e seus problemas. 

Gostou? Compartilhe com seus amigos!
Curta no Facebook  Assine no Flipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi