Pular para o conteúdo principal

Visão do cadeirante sobre como deveriam ser os espaços

Estava passeando na web e achei esse vídeo com um depoimento muito interessante sobre como seria uma cidade ideal na visão de um cadeirante.

A cidade ideal na visão de uma cadeirante por Casa
Pois é, nada como ouvir as pessoas para entender o problema (e aqui problema é como chamamos qualquer programa a ser resolvido) e poder gerar as melhores soluções que sejam utilitárias e formalmente bonitas. Vejam os exemplos abaixo que peguei em uma rápida pesquisa na web.  
Juliana Santana para a Casa Cor Brasília 2011 

Juliana Santana para a Casa Cor Brasília 2011 
Rampa em tudo bela e criativa
Com uma expectativa de vida cada dia mais longeva, nada como pensar de maneira universal, prevendo possíveis incapacidades que podem nos acometer e que podem tornar nossas vidas com menor qualidade se o espaço a nossa volta não for previamente pensado para esses momentos.
Eu mesma já tive que subir escadas sentada por quebrar uma perna. E isso no auge dos meus vinte anos. Imagine quem não anda, não vê, tem algum problema de artrose ou joelho ?
Ou seja, quanto mais universal for a solução, maior a probabilidade de atender uma gama maior de pessoas e gerar mais satisfação e proporcionar mais dignidade às pessoas.


Norma Brasileira 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos


Os dez princípios do desenho universal 
  • Equiparação nas possibilidades de uso: o design é útil e comercializável às pessoas com habilidades diferenciadas;
  • Flexibilidade no uso: o design atende a uma ampla gama de indivíduos, preferências e habilidades;
  • Uso simples e intuitivo: o uso do design é de fácil compreensão;
  • Captação da informação: o design comunica eficazmente ao usuário as informações necessárias;
  • Tolerância ao erro: o design minimiza o risco e as consequências adversas de ações involuntárias ou imprevistas;
  • Mínimo esforço físico: o design pode ser utilizado de forma eficiente e confortável;
  • Dimensão e espaço para uso e interação: o design oferece espaços e dimensões apropriadas para interação, alcance, manipulação e uso;
  • Circulação de largura de 0,90 m e altura de 2,10 m;
  • Vãos de porta de 0,80 m (mínimo);
  • Diâmetro mínimo de 1,50 m para manobras de uma cadeira.
Veja mais na entrevista sobre Arquitetura inclusiva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.