Pular para o conteúdo principal

Manutenção da madeira



Nessa época de verão muita gente migra para o litoral e é hora de pensar na manutenção de portas, peitoris, as vezes casas inteiras de madeira. Eu tenho uma preferência declarada pelo uso dos stains. Abaixo reproduzo um artigo sobre a diferença entre verniz e stains. Tudo bem, ele é feito por alguém que trabalha numa empresa que produz stains, mas está tudo explicadinho como eles funcionam e as diferenças básicas. Uma delas, a manutenção. O Stain você só reaplica e quando muito limpa a superfície, se houver desgaste do material. 



E para quem quiser testar um produto com apelo mais ecológico tem o Eco Stain AQUI









Autor Rafael Ferreira 

Ainda são comuns as dúvidas dos usuários quanto às diferenças entre verniz e stain. Na hora de escolher o acabamento para madeira, é bom conhecer bem para ficar com o melhor.

As dicas valem para todos: arquitetos, engenheiros, pintores, construtores e proprietários de imóveis. Quem conhece as vantagens e diferenças entre vernizes e stains de alta qualidade economiza tempo, dinheiro e ganha em beleza e durabilidade. Para começar, os dois produtos têm somente um ponto em comum e, justamente, o mais evidente: servem para acabamento de madeiras. Tanto stains quanto vernizes têm classificação em norma da ABNT. No caso dos stains, é a ABNT 11702. A norma classifica os produtos em duas categorias. Há os stains preservativos de madeira, como o Osmocolor da Montana Química, que têm proteção fungicida comprovada e o devido registro no Ibama. Há também stains apenas para acabamento, sem qualquer proteção contra fungos.

Os conceitos são diferentes, embora voltados a uma mesma finalidade. Verniz é um acabamento de “poro fechado” formador de filme, que cria uma película de proteção espessa e esconde os veios da madeira sob uma camada encorpada do produto. Os stains são impregnantes de madeira que apresentam acabamento de “poro aberto”. Penetram nas suas fibras e as nutrem com agente fungicida, têm baixa formação de filme e acompanham os movimentos naturais da madeira sem formar trincas ou descascar. A ilustração a seguir mostra como a película de verniz tampa os microporos e altera a textura natural da madeira, enquanto o stain acompanha o relevo da superfície do material, mantendo sua textura original.

A maior diferença para o consumidor é na hora a manutenção. Produtos formadores de filme trincam e, dependendo do estágio de degradação em que se encontram, exigem a remoção completa da aplicação antiga, antes de aplicar uma nova. Para a remoção da película de pintura, especialmente em superfícies verticais, o melhor é utilizar removedor gel como o Striptizi, que evita respingos e sujeira. Em grandes superfícies horizontais, caso dos decks, por exemplo, o mais indicado é a linha Deck da Montana, com NovoDeck e ClariDeck. Já os stains proporcionam muita facilidade, pois não necessitam remoção para a reaplicação. O desgaste do acabamento de stains ocorre por erosão, num lento processo de esmaecimento em que a camada vai virando pó. Assim, basta uma limpeza superficial para remover partículas soltas e poeira. A superfície estará pronta para receber uma nova pintura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi