Pular para o conteúdo principal

Arquitetura sustentável segundo Luis de Garrido

“A verdadeira sustentabilidade não é fazer placas fotovoltaicas, é fazer edifícios mais eficientes que não precisem de tantas placas fotovoltaicas.” Luis de Garrido
arquiteto


Luis de Garrido é um arquiteto espanhol que trabalha com Arquitetura Sustentável, procurando dar vazão aos indicadores que ele linkou em seus anos de estudos e práticas.
Normalmente consideramos a Arquitetura como sustentável quando ela atende uma série de requisitos como redução de gastos energéticos e resíduos, para construir e manter a edificação, otimização de materiais e recursos, melhoria do meio ambiente e do ser humano. Sabe-se que o setor de construção civil é um dos que mais geram resíduos e gastos com energia e materiais, e toda ação no sentido de minimizar esse impacto é desejável e cada vez mais assume um valor para o consumidor final. Tanto é que proliferam uma série de selos garantindo que esse edifício é mais verde que o outro, justo porque as pessoas percebem isso como um diferencial de mercado e valor.      

  





Mas...


“A arquitetura tem que tentar resolver os problemas apenas no desenho”. “Esses certificados Golden Plus Plus não servem para nada. Precisamos saber para onde vai a sociedade. Temos que fazer um esforço para saber aonde queremos chegar e qual desenho deveremos fazer para isso.”Luis de Garrido - arquiteto


Entre o discurso e a prática vai muita estrada. E cada vez mais é preciso separar o joio do trigo.  E foi nesse sentido, para que o discurso mais amplo e as vezes ambíguo de melhoria de meio ambiente possa ser traduzido em  verdadeira realidade no canteiro de obras que o arquiteto compilou as ações em indicadores sustentáveis que devem ser seguidos, e serem passiveis de avaliação.
Veja mais sobre obras desse arquiteto aqui 



Indicadores sustentáveis de Luís de Garrido:
1. Otimização dos recursos e materiais
1.1.Utilização de materiais e recursos naturais
1.2.Utilização de materiais e recursos duráveis
1.3.Utilização de materiais e recursos recuperados
1.4.Reutilização de materiais e recursos
1.5.Utilização de materiais e recursos reutilizáveis
1.6.Grau de reutilização dos materiais e recursos utilizados
1.7.Utilização de materiais e recursos reciclados
1.8.Utilização de materiais e recursos recicláveis
1.9.Grau de reciclagem dos materiais e recursos utilizados
1.10.Grau de renovação e reparação dos recursos utilizados
1.11.Grau de aproveitamento dos recursos
2. Diminuição do consumo energético
2.1.Energia utilizada na obtenção de materiais de construção
2.2.Energia  consumida no transporte dos materiais
2.3.Energia consumida no transporte da mão de obra
2.4.Energia utilizada  no processo de construção do edifício
2.5.Consumo energético do edifício
2.6.Adequação da tecnologia utilizada com relação a parâmetros humanos intrínsecos
2.7.Grau de utilização de fontes de energia naturais mediante o desenho do próprio edifício e do seu entorno. (Grau de Bioclimatismo)
2.8.Inércia térmica do edifício
2.9.Grau de utilização de fontes de energia natural mediante dispositivos tecnológicos. (Grau de integração arquitetônica de energias alternativas)
2.10.Consumo energético na desconstrução do edifício (desmontagem, demolição, tratamento de resíduos, etc.)
3. Diminuição de resíduos e emissões
3.1.Resíduos e emissões gerados na obtenção dos materiais de construção
3.2.Resíduos e emissões gerados no processo de construção do edifício
3.3.Resíduos e emissões gerados durante a atividade do edifício
3.4.Resíduos e emissões gerados na demolição do edifício.
4. Diminuição da manutenção, exploração e uso dos edifícios
4.1.Adequação da durabilidade do material a sua vida útil no edifício
4.2.Energia consumida quando o edifício está em uso
4.3.Energia consumida quando o edifício não está em uso
4.4.Consumo de recursos devido a atividade do edifício
4.5.Emissões devido à atividade do edifício
4.6.Energia consumida na acessibilidade ao edifício
4.7.Grau de necessidade de manutenção do edifício
4.8.Entorno socioeconômico e custos de manutenção
4.9.Custo do edifício
5. Aumento da qualidade de vida dos ocupantes dos edifícios
5.1.Emissões nocivas para o meio ambiente
5.2.Emissões nocivas para a saúde humana
5.3.Índice de mal estar e enfermidades dos ocupantes do edifício
5.4. Grau de satisfação e bem estar dos ocupantes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…