Pular para o conteúdo principal

Telhado branco obrigatório - pontos a ponderar

Recentemente houve um debate na câmara de São Paulo a cerca do PL615, a chamada Lei do Telhado Branco, proposta pelo vereador Goulart e que tornaria obrigatório o uso da cor branca nos telhados da cidade de São Paulo. Essa proposta que tem boas intenções foi baseada em um estudo da Universidade de Berkeley (CA, EUA) que "constatou que cerca de 25% (vinte e cinco por cento) da superfície de uma cidade é composta de telhados, e que estes são predominantemente escuros, refletindo somente 20% (vinte por cento) da luz solar. Por outro lado, se fossem pintados de branco refletiriam mais a luz solar e absorveriam menos calor, emitindo 10t (dez toneladas de CO2 (gás carbônico) a menos para cada 100m2 (cem metros quadrados) de telhado pintado."  A partir daí foi criado um movimento mundial que defende que esse estudo seja ampliado para todo o mundo. Eu mesma aqui no blog, já defendi essa ideia. Mas....e para isso existem os especialistas, e entre eles, os arquitetos urbanistas, como o caso de nosso colega Oscar Muller, que já gritavam que nem tudo o que serve acolá, serve aqui. Que cada caso é um caso e que as generalizações, além de burras, podem ser danosas ao meio ambiente, justo o que o Projeto de Lei procurava evitar. Numa demonstração de espirito democrático o autor da proposta se dispôs a ouvir os especialistas e seus argumentos que estão postados abaixo.     

1- A matriz energética (nos USA) é predominantemente baseada na queima de diesel e carvão, enquanto a nossa base é hidroelétrica, portanto aqui a redução do consumo energético não reflete na emissão de CO2 como pretende o estudo.

 2- O clima é muito seco, enquanto o nosso é muito úmido. Aqui a proliferação de fungos transformaria rapidamente o branco em gradações enegrecidas, o que ao invés de diminuir a temperatura dos ambientes abaixo da cobertura, teria efeito contrário, colaborando para o aquecimento destes ambientes.

3- As edificações usam técnicas construtivas diferentes das nossas, com uso muito mais disseminado de climatização mecânica e sistemas de ar condicionado, sendo as coberturas mais naturais, como as executadas por telhas de barro, quase inexistentes, ao inverso do que acontece em São Paulo, onde são típicas estas coberturas, que pintadas, deixariam de respirar, comprometendo sua eficiência.

Mais que isso, também é preciso considerar que:

 4- Não se levou em conta, nem foi elaborada nenhuma estimativa da emissão de CO2 provocada pela cadeia envolvida desde a produção da tinta, até sua aplicação e manutenção na escala pretendida, que no nosso contexto, fatalmente seria responsável por muito mais emissão de CO2, do que a medida pode ser capaz de evitar.  

São Paulo  
5- O sol não permanece a pino o tempo todo, como considera o estudo, sendo sua incidência (mais ainda no caso de uma cidade verticalizada como a nossa), muito maior sobre as superfícies verticais das edificações, do que nas coberturas.

6- Esfriar ambientes climatizados artificialmente contribui para diminuir o consumo energético no verão, porém tem efeito contrário no inverno.

7- Toda a energia solar que a medida lograsse refletir voltaria para o ambiente, o que até pode vir a contribuir para potencializar o problema, mas certamente não nos ajudaria a combatê-lo. Não foram feitos estudos acerca da reflexão que a medida provocaria no contexto desta metrópole (e suas várias ilhas de calor), já vitimada pelo efeito estufa, e com presença massiva de partículas em suspensão.

8- Há um custo social agregado à medida que também precisa ser considerado, dada a periculosidade envolvida nas tarefas de pintar e manter brancas as coberturas, sempre altas, e muitas vezes impróprias ao trânsito, por sua inclinação ou fragilidade. Este custo social se potencializa com a escassez de mão de obra qualificada.

9– As obras arquitetônicas e as edificações preservadas por seu valor histórico não foram levadas em conta, a medida nestes casos geraria agressão visual e descaracterização do nosso patrimônio histórico.

10- A medida impediria a implantação de sistemas passivos de condicionamento, ou que utilizem as superfícies das coberturas para a captação de energia solar.

11– Há divergência de temperatura e de meio ambiente para cada bairro de São Paulo. Nossa metrópole abriga várias e diferentes "ilhas de calor". A medida iguala um bairro extremamente arborizado e de casas térreas, com outro verticalizado e sem cobertura vegetal em sua área.

12- Uma tinta comum sofreria lixiviação com o tempo, e sua química seria carregada pelos dutos do sistema pluvial até os rios que cortam a cidade, provocando mais danos ambientais. O projeto de lei não exige uso de produto inerte, e mesmo que o fizesse, não há capacidade de fiscalização dos órgãos públicos para garantir este controle. 


13- Vale lembrar que nossas coberturas de barro retém a água precipitada absorvendo cerca de 3,5 a 4 litros de água por m2, devolvendo paulatinamente esta umidade para o ambiente com a ação do sol, depois que a chuva cessa. Ninguém fez o cálculo, mas estes 4 litros por metro em Sampa agravariam tragicamente nosso problema com enchentes...

Esse debate serviu para mostrar que a cidade tem muito mais a ganhar com discussões democráticas e que reúna especialistas com dados locais do que em meramente importar soluções de fora em questionar. Ponto para o vereador que abriu esse espaço e se dispôs a mostrar que realmente está interessado em ajudar a melhorar a sua cidade. Ponto para os debatedores que, em alto nível, ponderaram soluções e se uniram em uma luta para também mostrar que a sustentabilidade na construção precisa de mais espaços qualificados como esse, que é necessário mais incentivos para que soluções locais possam ser implementadas e aprimoradas. 

Comentários

  1. É cada coisa em São Paulo.

    Um Lindo Fim de Semana!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Justamente, cara amiga!

    O grande perigo é assumir normas e protocolos estrangeiros sem contextualizá-los, como vem sendo feito com as certificações para a construção civil feitas por aqui...

    Oscar Müller

    ResponderExcluir
  3. E olhe outra pesquisa comprovando o que foi defendido no debate
    http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/planeta-urgente/pintar-telhados-de-branco-e-solucao-duvidosa/

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Este artigo é sobre arquitetandoideias.blogspot.com marcador digno na minha opinião. É economizar para referência futura pena. É uma leitura fascinante, com muitos pontos válidos para a contemplação. Eu tenho que concordar em quase todos os pontos feitos no âmbito deste artigo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Buhais Geology Park, inspiração em ouriços de 65 milhões de anos

O Buhais Geology Park é um local de magnífica importância pré-histórica e geológica, localizado nos Emirados Árabes Unidos. Há evidências científicas de que foi um mar cerca de 65 milhões de anos atrás. Para expor as coleções de fósseis marinhos e outros objetos relevantes da eras da Pedra, Bronze e Ferro, o escritório Hopkins Architects projetou cinco interessantes espaços circulares, interconectados e que servem para acomodar não apenas as áreas de exposição, mas também várias instalações para visitantes, entre elas um teatro e um café. 


Segundo o site dos arquitetos, a inspiração para a forma dos espaços de exposição foram os ouriços fossilizados. Para não causar muitos danos ao meio ambiente, as edificações "foram projetados como estruturas de concreto pré-fabricado e apenas tocam levemente o solo em discos de fundação de concreto armado in-situ."



As estruturas de concreto são revestidas com painéis de aço coloridos para se adequarem à paisagem. Estes painéis, que dão a ap…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…