Pular para o conteúdo principal

Telhado branco obrigatório - pontos a ponderar

Recentemente houve um debate na câmara de São Paulo a cerca do PL615, a chamada Lei do Telhado Branco, proposta pelo vereador Goulart e que tornaria obrigatório o uso da cor branca nos telhados da cidade de São Paulo. Essa proposta que tem boas intenções foi baseada em um estudo da Universidade de Berkeley (CA, EUA) que "constatou que cerca de 25% (vinte e cinco por cento) da superfície de uma cidade é composta de telhados, e que estes são predominantemente escuros, refletindo somente 20% (vinte por cento) da luz solar. Por outro lado, se fossem pintados de branco refletiriam mais a luz solar e absorveriam menos calor, emitindo 10t (dez toneladas de CO2 (gás carbônico) a menos para cada 100m2 (cem metros quadrados) de telhado pintado."  A partir daí foi criado um movimento mundial que defende que esse estudo seja ampliado para todo o mundo. Eu mesma aqui no blog, já defendi essa ideia. Mas....e para isso existem os especialistas, e entre eles, os arquitetos urbanistas, como o caso de nosso colega Oscar Muller, que já gritavam que nem tudo o que serve acolá, serve aqui. Que cada caso é um caso e que as generalizações, além de burras, podem ser danosas ao meio ambiente, justo o que o Projeto de Lei procurava evitar. Numa demonstração de espirito democrático o autor da proposta se dispôs a ouvir os especialistas e seus argumentos que estão postados abaixo.     

1- A matriz energética (nos USA) é predominantemente baseada na queima de diesel e carvão, enquanto a nossa base é hidroelétrica, portanto aqui a redução do consumo energético não reflete na emissão de CO2 como pretende o estudo.

 2- O clima é muito seco, enquanto o nosso é muito úmido. Aqui a proliferação de fungos transformaria rapidamente o branco em gradações enegrecidas, o que ao invés de diminuir a temperatura dos ambientes abaixo da cobertura, teria efeito contrário, colaborando para o aquecimento destes ambientes.

3- As edificações usam técnicas construtivas diferentes das nossas, com uso muito mais disseminado de climatização mecânica e sistemas de ar condicionado, sendo as coberturas mais naturais, como as executadas por telhas de barro, quase inexistentes, ao inverso do que acontece em São Paulo, onde são típicas estas coberturas, que pintadas, deixariam de respirar, comprometendo sua eficiência.

Mais que isso, também é preciso considerar que:

 4- Não se levou em conta, nem foi elaborada nenhuma estimativa da emissão de CO2 provocada pela cadeia envolvida desde a produção da tinta, até sua aplicação e manutenção na escala pretendida, que no nosso contexto, fatalmente seria responsável por muito mais emissão de CO2, do que a medida pode ser capaz de evitar.  

São Paulo  
5- O sol não permanece a pino o tempo todo, como considera o estudo, sendo sua incidência (mais ainda no caso de uma cidade verticalizada como a nossa), muito maior sobre as superfícies verticais das edificações, do que nas coberturas.

6- Esfriar ambientes climatizados artificialmente contribui para diminuir o consumo energético no verão, porém tem efeito contrário no inverno.

7- Toda a energia solar que a medida lograsse refletir voltaria para o ambiente, o que até pode vir a contribuir para potencializar o problema, mas certamente não nos ajudaria a combatê-lo. Não foram feitos estudos acerca da reflexão que a medida provocaria no contexto desta metrópole (e suas várias ilhas de calor), já vitimada pelo efeito estufa, e com presença massiva de partículas em suspensão.

8- Há um custo social agregado à medida que também precisa ser considerado, dada a periculosidade envolvida nas tarefas de pintar e manter brancas as coberturas, sempre altas, e muitas vezes impróprias ao trânsito, por sua inclinação ou fragilidade. Este custo social se potencializa com a escassez de mão de obra qualificada.

9– As obras arquitetônicas e as edificações preservadas por seu valor histórico não foram levadas em conta, a medida nestes casos geraria agressão visual e descaracterização do nosso patrimônio histórico.

10- A medida impediria a implantação de sistemas passivos de condicionamento, ou que utilizem as superfícies das coberturas para a captação de energia solar.

11– Há divergência de temperatura e de meio ambiente para cada bairro de São Paulo. Nossa metrópole abriga várias e diferentes "ilhas de calor". A medida iguala um bairro extremamente arborizado e de casas térreas, com outro verticalizado e sem cobertura vegetal em sua área.

12- Uma tinta comum sofreria lixiviação com o tempo, e sua química seria carregada pelos dutos do sistema pluvial até os rios que cortam a cidade, provocando mais danos ambientais. O projeto de lei não exige uso de produto inerte, e mesmo que o fizesse, não há capacidade de fiscalização dos órgãos públicos para garantir este controle. 


13- Vale lembrar que nossas coberturas de barro retém a água precipitada absorvendo cerca de 3,5 a 4 litros de água por m2, devolvendo paulatinamente esta umidade para o ambiente com a ação do sol, depois que a chuva cessa. Ninguém fez o cálculo, mas estes 4 litros por metro em Sampa agravariam tragicamente nosso problema com enchentes...

Esse debate serviu para mostrar que a cidade tem muito mais a ganhar com discussões democráticas e que reúna especialistas com dados locais do que em meramente importar soluções de fora em questionar. Ponto para o vereador que abriu esse espaço e se dispôs a mostrar que realmente está interessado em ajudar a melhorar a sua cidade. Ponto para os debatedores que, em alto nível, ponderaram soluções e se uniram em uma luta para também mostrar que a sustentabilidade na construção precisa de mais espaços qualificados como esse, que é necessário mais incentivos para que soluções locais possam ser implementadas e aprimoradas. 

Comentários

  1. É cada coisa em São Paulo.

    Um Lindo Fim de Semana!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Justamente, cara amiga!

    O grande perigo é assumir normas e protocolos estrangeiros sem contextualizá-los, como vem sendo feito com as certificações para a construção civil feitas por aqui...

    Oscar Müller

    ResponderExcluir
  3. E olhe outra pesquisa comprovando o que foi defendido no debate
    http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/planeta-urgente/pintar-telhados-de-branco-e-solucao-duvidosa/

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Este artigo é sobre arquitetandoideias.blogspot.com marcador digno na minha opinião. É economizar para referência futura pena. É uma leitura fascinante, com muitos pontos válidos para a contemplação. Eu tenho que concordar em quase todos os pontos feitos no âmbito deste artigo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi