Pular para o conteúdo principal

A respeito da eleição e do futuro do CAU

Hoje é dia de eleição.

Próximo passo que temos a cumprir na direção da criação do nosso conselho, o CAU - Conselho de Arquitetura e Urbanismo. E esse é na verdade o primeiro que depende de cada um de nós, e não apenas de uns poucos colegas mais engajados, que estão nesta luta há anos.

Somos hoje representados por uma miríade de entidades, que se uniram na criação do CAU, e que tem suas próprias histórias, razão de ser, lutas (com vitórias e derrotas), e claro, também vícios, pois abrigam todos os mais abnegados colegas, que dedicaram muito do seu tempo para que conseguíssemos chegar neste ponto, mas também gente que encontrou dentro destas organizações um porto seguro para empurrar a vida, que pode abrir oportunidade para toda espécie de maracutaias. Em alguns estados e em conjunto, estas entidades haviam decidido apresentar uma chapa única, para cumprir a exigência legal e dar andamento à criação do nosso conselho, mas em algum momento parece que mudaram de ideia...

Hoje temos que votar, e a escolha é difícil, primeiro porque não há como diferenciar alhos de bugalhos, e aos colegas arquitetos resta apenas escolher pela simpatia que podem ter por um ou outro nome inserido em listas intermináveis, e depois porque nunca tivemos a possibilidade real de incidir, e acostumados com isto, tanto vemos esta situação como imutável, quanto a eleição como carente de propósito.

Parece-nos evidente que este processo começa a apontar para mais do mesmíssimo, e também sabemos que não é este o anseio dos colegas de profissão. Cremos que nossa classe gostaria de poder contar com um conselho combativo, de vanguarda, capaz de responder rapidamente aos anseios da classe que representa. Mesmo que isto fosse tido como impossível ou utópico no passado, no mínimo dada a dificuldade de se reunir, informar e ponderar em âmbito nacional, hoje a realidade é outra, temos a Internet como instrumento facilitador, e o que era o mais difícil, se tornou o mais simples e óbvio.

Sejam quais forem as chapas eleitas em cada estado, todos os componentes terão tarefa árdua pela frente, identificando os anseios da classe, historicamente ignorados pelo sistema CREA/CONFEA a que estávamos submetidos, para a partir destes, criar o regimento e posturas éticas que a entidade deve adotar e fazer cumprir.

Para que estes regulamentos sejam reflexo dos interesses da classe como um todo, e não apenas de uns poucos, o processo precisa ser aberto, transparente, e acessível a todos os arquitetos brasileiros, estejam no centro ou nas fronteiras do nosso país.

O CAU que queremos tem que ser democrático. Precisa contar com a agilidade da era em que vivemos, e tem que legitimar suas decisões a partir de um fórum digital oficial.

Ou isto, ou vamos fingir que seguimos presos às mesmas amarras, que vivemos no século passado, que ainda não existe a opção de nos reunirmos e debatermos não presencialmente, que todos os nossos representantes só terão boas intenções, nenhum interesse escuso, e aceitar o que vier, como vier, quando vier, apenas abaixando a cabeça e cumprindo o estipulado.

Por isso viemos aqui colocar nosso desabafo. E que não é só nosso, mas de muitos e muitos colegas que hoje são obrigados a escolher pessoas que não sabem quem são para representá-los em um Conselho que não tem ideia de como vai funcionar. Não é hora de pessimismo porém, estamos no limiar de uma porta aberta para que o exercício da Arquitetura possa ser mais valorizado. Vamos cooperar da melhor maneira que pudermos. E a nosso ver essa maneira é exigindo que se estabeleça uma via para que cada um de nós possa incidir de fato, sugerindo, criticando, defendendo propostas, apontando demandas, enfim, participando de todas as maneiras que pudermos.

Boa votação e bom futuro!

Arq. Elenara Leitão e Arq. e Urbanista Oscar Muller

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi