Pular para o conteúdo principal

A respeito da eleição e do futuro do CAU

Cau que queremos



Hoje é dia de eleição.

Próximo passo que temos a cumprir na direção da criação do nosso conselho, o CAU - Conselho de Arquitetura e Urbanismo. E esse é na verdade o primeiro que depende de cada um de nós, e não apenas de uns poucos colegas mais engajados, que estão nesta luta há anos.

Somos hoje representados por uma miríade de entidades, que se uniram na criação do CAU, e que tem suas próprias histórias, razão de ser, lutas (com vitórias e derrotas), e claro, também vícios, pois abrigam todos os mais abnegados colegas, que dedicaram muito do seu tempo para que conseguíssemos chegar neste ponto, mas também gente que encontrou dentro destas organizações um porto seguro para empurrar a vida, que pode abrir oportunidade para toda espécie de maracutaias. Em alguns estados e em conjunto, estas entidades haviam decidido apresentar uma chapa única, para cumprir a exigência legal e dar andamento à criação do nosso conselho, mas em algum momento parece que mudaram de idéia...

Hoje temos que votar, e a escolha é difícil, primeiro porque não há como diferenciar alhos de bugalhos, e aos colegas arquitetos resta apenas escolher pela simpatia que podem ter por um ou outro nome inserido em listas intermináveis, e depois porque nunca tivemos a possibilidade real de incidir, e acostumados com isto, tanto vemos esta situação como imutável, quanto a eleição como carente de propósito.

Parece-nos evidente que este processo começa a apontar para mais do mesmíssimo, e também sabemos que não é este o anseio dos colegas de profissão. Cremos que nossa classe gostaria de poder contar com um conselho combativo, de vanguarda, capaz de responder rapidamente aos anseios da classe que representa. Mesmo que isto fosse tido como impossível ou utópico no passado, no mínimo dada a dificuldade de se reunir, informar e ponderar em âmbito nacional, hoje a realidade é outra, temos a Internet como instrumento facilitador, e o que era o mais difícil, se tornou o mais simples e óbvio.

Sejam quais forem as chapas eleitas em cada estado, todos os componentes terão tarefa árdua pela frente, identificando os anseios da classe, historicamente ignorados pelo sistema CREA/CONFEA a que estávamos submetidos, para a partir destes, criar o regimento e posturas éticas que a entidade deve adotar e fazer cumprir.

Para que estes regulamentos sejam reflexo dos interesses da classe como um todo, e não apenas de uns poucos, o processo precisa ser aberto, transparente, e acessível a todos os arquitetos brasileiros, estejam no centro ou nas fronteiras do nosso país.

O CAU que queremos tem que ser democrático. Precisa contar com a agilidade da era em que vivemos, e tem que legitimar suas decisões a partir de um fórum digital oficial.

Ou isto, ou vamos fingir que seguimos presos às mesmas amarras, que vivemos no século passado, que ainda não existe a opção de nos reunirmos e debatermos não presencialmente, que todos os nossos representantes só terão boas intenções, nenhum interesse escuso, e aceitar o que vier, como vier, quando vier, apenas abaixando a cabeça e cumprindo o estipulado.

Por isso viemos aqui colocar nosso desabafo. E que não é só nosso, mas de muitos e muitos colegas que hoje são obrigados a escolher pessoas que não sabem quem são para representá-los em um Conselho que não tem ideia de como vai funcionar. Não é hora de pessimismo porém, estamos no limiar de uma porta aberta para que o exercício da Arquitetura possa ser mais valorizado. Vamos cooperar da melhor maneira que pudermos. E a nosso ver essa maneira é exigindo que se estabeleça uma via para que cada um de nós possa incidir de fato, sugerindo, criticando, defendendo propostas, apontando demandas, enfim, participando de todas as maneiras que pudermos.

Boa votação e bom futuro!

Arq. Elenara Leitão e Arq. e Urbanista Oscar Muller

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…