Pular para o conteúdo principal

Premissas do Urbanismo


Antes de iniciar uma jornada, esteja certo do destino.
    É preciso conhecer e assumir os anseios da comunidade, e fazê-lo com total isenção. O urbanista não pode pressupor as necessidades dos envolvidos a partir do seu ponto de vista pessoal. Traduzir a verdadeira vocação de uma comunidade, explicitando seus objetivos, é sempre o primeiro passo do caminho.


    Definidos os objetivos, o urbanista deve procurar a melhor direção para alcançá-los, porém, o modo, a maneira que encontramos para fazê-lo é o que mais importa. As cidades são mais longevas que seus habitantes, incluso aí o urbanista. Qualquer processo urbano não se encerra com a obra, seja ela qual for, ele é contínuo, e cada cidadão, no decorrer de sua vida, só pode experienciar alguns passos do percurso. Portanto, este deve ser positivo por si mesmo, e nele devemos concentrar nossa atenção.


    Tenha em mente que é possível fazer muito como urbanista, são infinitas as possibilidades, mas a responsabilidade é muito maior que o poder. Ao traçar uma linha, no momento em que o grafite toca o papel, nascem infinitas possibilidades de desenho, porém depois de feita a intervenção, ela é específica e os reflexos virão inexoravelmente. O urbanista nunca pode esquecer da escala em que está trabalhando, e da responsabilidade, que é proporcional.


    Em urbanismo não há espaço para a ação impensada. Qualquer erro afetará toda uma comunidade, e, via de regra, alcançará mais gente que um acerto. Os erros do urbanista interferem na vida do cidadão em todos os níveis, desde o mero desconforto até sua sobrevivência. Mesmo impunes, não podemos perder a consciência de que nossos erros provocam danos, até mesmo mortes, e quando isso acontece, raramente as vítimas são computadas unitariamente, as escalas de trabalho não são 1:100, são de ordem bastante superior... Sem ter absoluta certeza do benefício de uma ação, opte pela inação.

    Pergunte-se sempre qual o ponto de partida, para onde cada proposta levará a comunidade, se será fácil e natural para ela abraçar tal proposta, e se sua identidade e seu patrimônio de acertos estão preservados.   
    Atabalhoadamente ou não, a cidade vive sem o urbanista. Nossa função é ajudá-la, e não prejudicá-la. Nunca deixe a cidade sem alternativas, jamais opte por intervenções que reduzam as suas possibilidades.
    Pese com cuidado tudo o que propuser. Uma idéia interessante nos deixa com sede de aplicá-la, mas nem sempre a melhor solução é também a mais surpreendente. Correta competência é muito mais útil para o urbanista que genialidade espetacular. 


    Se você dá uma topada numa pedra, é natural reclamar da dor, mas antes da dor ou da pedra, precisamos pensar se aquele é o melhor caminho. Ao trabalhar com uma comunidade, é sobre a dor no pé que o urbanista recebe informações e é instado a intervir. Cabe ao profissional reconhecer o problema real, escondido atrás do sintoma.

    O urbanista trabalha para o dia a dia da comunidade, para obter mais qualidade de vida, e a vida acontece sempre no agora, nem antes, nem depois. O passado já está morto, e o futuro ainda não aconteceu. Tenha como objetivo último permear o dia a dia do cidadão com o máximo de lazer e cultura. Se isso for possível, todas as outras questões também já estarão resolvidas.
    Considere sempre o custo social de cada ação, dentro de uma visão sistêmica. Não há intervenção que não tenha este componente. O tráfego retirado de uma rua terá de escoar por outra, e se, ao contrário, você alarga uma via, dará mais vazão aos automóveis, e estes chegarão em maior número e mais rapidamente em algum lugar! Alargar uma avenida pode gerar empregos, mas também cortá-los, o tempo da obra pode não ser suportável para o comércio de passagem. A cidade tem que ser considerada como um ser vivo, e mesmo a ação mais pontual pode gerar reflexos em outros locais da urbe.
        Esteja sempre atento para que sua intervenção gere um saldo positivo para a sociedade, e nunca um negativo.

    A vida não é estática, novos problemas exigem novas soluções, mas também podemos contar com novos conhecimentos. O urbanista de hoje tem que lidar com o inédito, e não existem soluções prontas. É preciso estar livre de preconceitos, considerar tudo com holisticidade, e manter uma postura de vanguarda, que é imprescindível para o urbanista. Temos que lidar com uma realidade inédita, cheia de problemas também inéditos. O que nunca foi feito não pode ter histórico de sucesso, portanto, antes de mais nada, é preciso crer no homem e na cidade, posto que a parte e o todo são indissociáveis.
    Há um princípio hermético que nos ajuda a compreender essa realidade fractual, o Princípio da Correspondência: "Quod superius est sicus quod inferius, et quod inferius est sicus quod superius." (O que está acima é como o que está abaixo, e o que está abaixo é como o que está acima.) Entendido o "como" não enquanto igual, mas enquanto análogo, semelhante.

    Compartilhamos tudo, passado, presente e futuro, necessidades e anseios, sobrevivemos neste universo, que é único, e assim como fazemos parte do todo, o todo também faz parte de cada um de nós. Somos a cidade, e ela só é quem nela habita, sem o homem é apenas ruína, fantasma.
    As intervenções que o urbanista propõe devem ser benéficas em todas as escalas, e isto começa pela menor e mais particular. Nenhuma mudança será real, a não ser que o usuário também sofra uma transformação.
    As ações na cidade devem integradas, e a primeira área envolvida é sempre a social. Para melhorar a cidade, não basta tratar o espaço, é preciso tratar ao mesmo tempo do usuário.

    Trabalhando com estas grandes escalas, é fácil esquecer o indivíduo, posto que é impossível considerar cada habitante. Mesmo assim, é imprescindível manter a consciência de que tudo é feito para o homem, pelo homem, e com o homem, sempre, mesmo quando tratamos das macro questões, focando o todo, buscando a holisticidade de cada ação, todos os reflexos serão percebidos por cada indivíduo em particular. A cidade está viva, mas quem sofre ou se regozija é o homem que nela habita.

Essas são algumas das premissas que orientam o trabalho do Núcleo de Soluções Urbanas Synapsis nas suas ações urbanas. 
Você pode distribuir esse conteúdo desde que cite (e avise) a autoria (Synarqs)

Comentários

  1. já tem algumas semanas que acompanho seu blog.... sou estudante de arquitetura e urbanismo. É muito bom ler e refletir sobre o q vc escreve!
    obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Nós que agradecemos, Ana.

    Saber que nossos esforços alcançaram sua atenção é muito bom!

    Abraços da equipe,

    Synarqs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi