Pular para o conteúdo principal

Premissas do Urbanismo


Antes de iniciar uma jornada, esteja certo do destino.
    É preciso conhecer e assumir os anseios da comunidade, e fazê-lo com total isenção. O urbanista não pode pressupor as necessidades dos envolvidos a partir do seu ponto de vista pessoal. Traduzir a verdadeira vocação de uma comunidade, explicitando seus objetivos, é sempre o primeiro passo do caminho.


    Definidos os objetivos, o urbanista deve procurar a melhor direção para alcançá-los, porém, o modo, a maneira que encontramos para fazê-lo é o que mais importa. As cidades são mais longevas que seus habitantes, incluso aí o urbanista. Qualquer processo urbano não se encerra com a obra, seja ela qual for, ele é contínuo, e cada cidadão, no decorrer de sua vida, só pode experienciar alguns passos do percurso. Portanto, este deve ser positivo por si mesmo, e nele devemos concentrar nossa atenção.


    Tenha em mente que é possível fazer muito como urbanista, são infinitas as possibilidades, mas a responsabilidade é muito maior que o poder. Ao traçar uma linha, no momento em que o grafite toca o papel, nascem infinitas possibilidades de desenho, porém depois de feita a intervenção, ela é específica e os reflexos virão inexoravelmente. O urbanista nunca pode esquecer da escala em que está trabalhando, e da responsabilidade, que é proporcional.


    Em urbanismo não há espaço para a ação impensada. Qualquer erro afetará toda uma comunidade, e, via de regra, alcançará mais gente que um acerto. Os erros do urbanista interferem na vida do cidadão em todos os níveis, desde o mero desconforto até sua sobrevivência. Mesmo impunes, não podemos perder a consciência de que nossos erros provocam danos, até mesmo mortes, e quando isso acontece, raramente as vítimas são computadas unitariamente, as escalas de trabalho não são 1:100, são de ordem bastante superior... Sem ter absoluta certeza do benefício de uma ação, opte pela inação.

    Pergunte-se sempre qual o ponto de partida, para onde cada proposta levará a comunidade, se será fácil e natural para ela abraçar tal proposta, e se sua identidade e seu patrimônio de acertos estão preservados.   
    Atabalhoadamente ou não, a cidade vive sem o urbanista. Nossa função é ajudá-la, e não prejudicá-la. Nunca deixe a cidade sem alternativas, jamais opte por intervenções que reduzam as suas possibilidades.
    Pese com cuidado tudo o que propuser. Uma idéia interessante nos deixa com sede de aplicá-la, mas nem sempre a melhor solução é também a mais surpreendente. Correta competência é muito mais útil para o urbanista que genialidade espetacular. 


    Se você dá uma topada numa pedra, é natural reclamar da dor, mas antes da dor ou da pedra, precisamos pensar se aquele é o melhor caminho. Ao trabalhar com uma comunidade, é sobre a dor no pé que o urbanista recebe informações e é instado a intervir. Cabe ao profissional reconhecer o problema real, escondido atrás do sintoma.

    O urbanista trabalha para o dia a dia da comunidade, para obter mais qualidade de vida, e a vida acontece sempre no agora, nem antes, nem depois. O passado já está morto, e o futuro ainda não aconteceu. Tenha como objetivo último permear o dia a dia do cidadão com o máximo de lazer e cultura. Se isso for possível, todas as outras questões também já estarão resolvidas.
    Considere sempre o custo social de cada ação, dentro de uma visão sistêmica. Não há intervenção que não tenha este componente. O tráfego retirado de uma rua terá de escoar por outra, e se, ao contrário, você alarga uma via, dará mais vazão aos automóveis, e estes chegarão em maior número e mais rapidamente em algum lugar! Alargar uma avenida pode gerar empregos, mas também cortá-los, o tempo da obra pode não ser suportável para o comércio de passagem. A cidade tem que ser considerada como um ser vivo, e mesmo a ação mais pontual pode gerar reflexos em outros locais da urbe.
        Esteja sempre atento para que sua intervenção gere um saldo positivo para a sociedade, e nunca um negativo.

    A vida não é estática, novos problemas exigem novas soluções, mas também podemos contar com novos conhecimentos. O urbanista de hoje tem que lidar com o inédito, e não existem soluções prontas. É preciso estar livre de preconceitos, considerar tudo com holisticidade, e manter uma postura de vanguarda, que é imprescindível para o urbanista. Temos que lidar com uma realidade inédita, cheia de problemas também inéditos. O que nunca foi feito não pode ter histórico de sucesso, portanto, antes de mais nada, é preciso crer no homem e na cidade, posto que a parte e o todo são indissociáveis.
    Há um princípio hermético que nos ajuda a compreender essa realidade fractual, o Princípio da Correspondência: "Quod superius est sicus quod inferius, et quod inferius est sicus quod superius." (O que está acima é como o que está abaixo, e o que está abaixo é como o que está acima.) Entendido o "como" não enquanto igual, mas enquanto análogo, semelhante.

    Compartilhamos tudo, passado, presente e futuro, necessidades e anseios, sobrevivemos neste universo, que é único, e assim como fazemos parte do todo, o todo também faz parte de cada um de nós. Somos a cidade, e ela só é quem nela habita, sem o homem é apenas ruína, fantasma.
    As intervenções que o urbanista propõe devem ser benéficas em todas as escalas, e isto começa pela menor e mais particular. Nenhuma mudança será real, a não ser que o usuário também sofra uma transformação.
    As ações na cidade devem integradas, e a primeira área envolvida é sempre a social. Para melhorar a cidade, não basta tratar o espaço, é preciso tratar ao mesmo tempo do usuário.

    Trabalhando com estas grandes escalas, é fácil esquecer o indivíduo, posto que é impossível considerar cada habitante. Mesmo assim, é imprescindível manter a consciência de que tudo é feito para o homem, pelo homem, e com o homem, sempre, mesmo quando tratamos das macro questões, focando o todo, buscando a holisticidade de cada ação, todos os reflexos serão percebidos por cada indivíduo em particular. A cidade está viva, mas quem sofre ou se regozija é o homem que nela habita.

Essas são algumas das premissas que orientam o trabalho do Núcleo de Soluções Urbanas Synapsis nas suas ações urbanas. 
Você pode distribuir esse conteúdo desde que cite (e avise) a autoria (Synarqs)

Comentários

  1. já tem algumas semanas que acompanho seu blog.... sou estudante de arquitetura e urbanismo. É muito bom ler e refletir sobre o q vc escreve!
    obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Nós que agradecemos, Ana.

    Saber que nossos esforços alcançaram sua atenção é muito bom!

    Abraços da equipe,

    Synarqs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós !

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

Círculo da Vida - arquitetura viva

Imagine uma série de construções que sigam o ciclo da natureza de vida, que possam crescer, florescer e fenecer como qualquer organismo vivo. É a ideia por trás da Arquitetura Viva ou botânica construtiva como alguns chamam. Falei sobre este conceito em Arquitetura Orgânica.
E enquanto pesquisa o site dos arquitetos do Obvious Avoid (falei sobre eles na postagem sobre ensinar crianças a pensar como arquitetos) encontrei essa proposta do Círculo da Vida que eles mesmos descrevem como "uma coleção de construções sustentáveis ​​feitas para celebrar a arte, a natureza e a ciência. "
Através de um centro de aprendizado a ser feito em uma floresta mexicana, as pessoas poderiam participar e compreender a natureza em todos os seus processos, tanto de vida como de morte. E onde o local não será apresentando como uma proposta fechada, mas como um processo em crescimento natural.
Os sete passos do ciclo proposto são:
Encontrar e recolher árvores caídasConfeccionar produtos de madeiraUsar p…