Pular para o conteúdo principal

Pinte-se de branco

A propósito dos projetos de lei que estão tramitando em São Paulo sobre a obrigatoriedade do uso de telhados brancos por TODOS os prédios, ou de telhado verde, segue opinião de nosso colega Arquiteto e Urbanista Oscar Muller




Fonte
Nossos políticos estão trabalhando em uma nova lei. Coisa maravilhosa, podem pensar alguns, pois é para isto mesmo que votamos neles, e os colocamos em posição de decidir acerca das regras a que todos nos submetemos para boa convivência em conjunto. Ocorre que desta feita o objeto da sintaxe é o telhado que nos cobre. Todos sem exceção, segundo o projeto de lei que tramita, devem ser pintados de branco, e o texto da lei, como sói acontecer, é direto e taxativo: em 180 dias, às expensas de cada qual, e que fiquem nulas as disposições em contrário, etcetera e tal.

Jurema Oliveira/Wikimedia Commons
O intento se baseia da campanha "um grau a menos", que pretende diminuir o aquecimento global através de medidas como esta. Na teoria o telhado pintado de branco vai refletir mais os raios solares, diminuindo o calor interno da edificação, e consequentemente o uso de energia consumido pelos aparelhos de ar condicionado. A lógica é esta, pois a campanha nasce num contexto em que quase toda a energia elétrica provém de geradores a diesel, onde as construções já são virtualmente herméticas, e onde, pasmem, se gasta mais energia com calefação, do que com arrefecimento. Aqui talvez obtivéssemos maior economia pintando apenas as caixas dágua de preto, pois o vilão do consumo energético ainda é o chuveiro elétrico!

Se a lei é aprovada assim, todos teremos que pintar nossas coberturas, sejam feitas de sapê, telhas barro, lajes aparentes, ou o que for. Ocorre que a maioria das coberturas executadas com materiais naturais permitem que o ar mais quente, que sobe por convecção, escape, contribuindo assim para manter o conforto térmico do ambiente. "Respiram" como dizemos no nosso jargão profissional, e perderiam sua eficiência se pintados.

Quanto as lages expostas, coberturas em fibro-cimento, telhas de concreto, metálicas e outras, a pergunta que me faço é acerca da durabilidade da medida, uma vez que na megalópolis que habito, a incidência da forte poluição, agravada pelos fungos que atacam nossas coberturas, em pouco tempo tratariam de tornar o branco em gradações acinzentadas, concorrendo para o negro. Fico cogitando se isto demoraria mais do que os 180 dias para acontecer...


De mais a mais, ninguém se preocupou em estudar os efeitos causados por esta reflexão massiva (que São Paulo não é lá muito pequenina), em relação ao efeito estufa, ou dentro dos ambientes vizinhos com janelas mais altas, que receberiam a insolação refletida de baixo para cima, situação que aposto, nem o mais visionário dos projetistas sequer sonhou.

Penso também que se a edificação com cobertura branca de fato se aquecer menos com a incidência solar, isto causaria uma economia energética proporcional, pois se utilizaria menos o ar condicionado nos dias quentes, mas e no inverno? O telhado branquinho, reflexivo, não sabe se é verão ou inverno, reflete os raios solares da mesma maneira o tempo todo, impedindo também que o imóvel se aqueça nos dias mais frios. Então compraremos aquecedores, instalaremos sistemas de calefação, lareiras, e o que mais estiver disponível para voltar a viver como dantes no quartel de Abrantes... E como fica o
proprietário d
a edificação simples, que já penou para comprar a tinta que a lei obrigou, e certamente perdeu alguns dias de trabalho fazendo a pintura antes que os peremptórios 180 dias vençam, e lhe seja aplicada alguma multa?


O citatino médio das grandes urbes vivencia a cidade desde as ruas, mormente muradas nas laterais por altos edifícios, ou tem dela uma triste paisagem desde a janela de algum destes edifícios, uma vista composta pelos telhados abaixo, e pelas ruas com parca arborização. Talvez a cidade ganhasse um ar modernoso em preto e branco, certo, o "vintage" está na moda, mas sustentabilidade também, e falando nisto...
Fonte

Que tal se ao invés de obrigar indiscriminadamente com um "pinte-se tudo", a lei oferecesse incentivos fiscais para criação de coberturas vivas, e exigisse um estudo feito por profissional competente para salvaguardar as coberturas naturais, e implementar lajes com cobertura vegetal onde fosse possível?


Esta alternativa verde promove benefícios ambientais bastante mais eficazes pois tem o efeito de isolar, e não de refletir. Isolando, a cobertura tanto evita que o calor entre, como também que saia, permitindo que uma edificação com boas soluções de ventilação implementadas, possa se manter confortável tanto no verão, quanto no inverno. Mas há mais vantagens relacionadas com nosso caso específico.


Nossas urbes são impermeáveis. Se tornaram superfícies cobertas por concreto e asfalto (que tal pintar o asfalto de branco?), que deixam escorrer rapidamente toda a água precipitada em direção aos nossos rios, hoje quase que totalmente canalizados, sem capacidade para este volume multiplicado pela constante impermeabilização do solo, concorrendo para provocar as constantes enchentes que maltratam os paulistanos.

As coberturas vegetais retardam este processo, impedindo que a água precipitada caminhe imediatamente para as áreas mais baixas da cidade. Mais que isso, funciona como um primeiro filtro, permitindo que esta água seja acondicionada para uso nas descargas, torneiras de jardim, etc, certamente comporiam melhor paisagem para a cidade desde as janelas dos edifícios, oferecendo ainda mais qualidade de vida para os habitantes, pela simples criação destas pequenas áreas de lazer, tão preciosas para o urbanóide.

Também faz sentido culturalmente, quem sabe o tradicional churrasquinho na laje dos domingos, não poderá ser acompanhado de uma alface cultivada ali mesmo?

Comentários

  1. Também gosto da idéia da cobertura vegetal. Li alguma coisa a respeito dos telhados de grama da Noruega e achei demais.

    Bom Fim de Semana!

    ResponderExcluir
  2. Já temos uma petição pública on line acerca das coberturas sustentáveis.
    Agora é momento para fazer barulho, veicular a informação, e pedir por adesões.

    Para assinar:
    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=ARQ2011

    Para recomendar:
    http://www.peticaopublica.com.br/Recomendar.aspx?pi=ARQ2011


    Arq. Oscar Muller

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…