Pular para o conteúdo principal

Pinte-se de branco

A propósito dos projetos de lei que estão tramitando em São Paulo sobre a obrigatoriedade do uso de telhados brancos por TODOS os prédios, ou de telhado verde, segue opinião de nosso colega Arquiteto e Urbanista Oscar Muller




Fonte
Nossos políticos estão trabalhando em uma nova lei. Coisa maravilhosa, podem pensar alguns, pois é para isto mesmo que votamos neles, e os colocamos em posição de decidir acerca das regras a que todos nos submetemos para boa convivência em conjunto. Ocorre que desta feita o objeto da sintaxe é o telhado que nos cobre. Todos sem exceção, segundo o projeto de lei que tramita, devem ser pintados de branco, e o texto da lei, como sói acontecer, é direto e taxativo: em 180 dias, às expensas de cada qual, e que fiquem nulas as disposições em contrário, etcetera e tal.

Jurema Oliveira/Wikimedia Commons
O intento se baseia da campanha "um grau a menos", que pretende diminuir o aquecimento global através de medidas como esta. Na teoria o telhado pintado de branco vai refletir mais os raios solares, diminuindo o calor interno da edificação, e consequentemente o uso de energia consumido pelos aparelhos de ar condicionado. A lógica é esta, pois a campanha nasce num contexto em que quase toda a energia elétrica provém de geradores a diesel, onde as construções já são virtualmente herméticas, e onde, pasmem, se gasta mais energia com calefação, do que com arrefecimento. Aqui talvez obtivéssemos maior economia pintando apenas as caixas dágua de preto, pois o vilão do consumo energético ainda é o chuveiro elétrico!

Se a lei é aprovada assim, todos teremos que pintar nossas coberturas, sejam feitas de sapê, telhas barro, lajes aparentes, ou o que for. Ocorre que a maioria das coberturas executadas com materiais naturais permitem que o ar mais quente, que sobe por convecção, escape, contribuindo assim para manter o conforto térmico do ambiente. "Respiram" como dizemos no nosso jargão profissional, e perderiam sua eficiência se pintados.

Quanto as lages expostas, coberturas em fibro-cimento, telhas de concreto, metálicas e outras, a pergunta que me faço é acerca da durabilidade da medida, uma vez que na megalópolis que habito, a incidência da forte poluição, agravada pelos fungos que atacam nossas coberturas, em pouco tempo tratariam de tornar o branco em gradações acinzentadas, concorrendo para o negro. Fico cogitando se isto demoraria mais do que os 180 dias para acontecer...


De mais a mais, ninguém se preocupou em estudar os efeitos causados por esta reflexão massiva (que São Paulo não é lá muito pequenina), em relação ao efeito estufa, ou dentro dos ambientes vizinhos com janelas mais altas, que receberiam a insolação refletida de baixo para cima, situação que aposto, nem o mais visionário dos projetistas sequer sonhou.

Penso também que se a edificação com cobertura branca de fato se aquecer menos com a incidência solar, isto causaria uma economia energética proporcional, pois se utilizaria menos o ar condicionado nos dias quentes, mas e no inverno? O telhado branquinho, reflexivo, não sabe se é verão ou inverno, reflete os raios solares da mesma maneira o tempo todo, impedindo também que o imóvel se aqueça nos dias mais frios. Então compraremos aquecedores, instalaremos sistemas de calefação, lareiras, e o que mais estiver disponível para voltar a viver como dantes no quartel de Abrantes... E como fica o
proprietário d
a edificação simples, que já penou para comprar a tinta que a lei obrigou, e certamente perdeu alguns dias de trabalho fazendo a pintura antes que os peremptórios 180 dias vençam, e lhe seja aplicada alguma multa?


O citatino médio das grandes urbes vivencia a cidade desde as ruas, mormente muradas nas laterais por altos edifícios, ou tem dela uma triste paisagem desde a janela de algum destes edifícios, uma vista composta pelos telhados abaixo, e pelas ruas com parca arborização. Talvez a cidade ganhasse um ar modernoso em preto e branco, certo, o "vintage" está na moda, mas sustentabilidade também, e falando nisto...
Fonte

Que tal se ao invés de obrigar indiscriminadamente com um "pinte-se tudo", a lei oferecesse incentivos fiscais para criação de coberturas vivas, e exigisse um estudo feito por profissional competente para salvaguardar as coberturas naturais, e implementar lajes com cobertura vegetal onde fosse possível?


Esta alternativa verde promove benefícios ambientais bastante mais eficazes pois tem o efeito de isolar, e não de refletir. Isolando, a cobertura tanto evita que o calor entre, como também que saia, permitindo que uma edificação com boas soluções de ventilação implementadas, possa se manter confortável tanto no verão, quanto no inverno. Mas há mais vantagens relacionadas com nosso caso específico.


Nossas urbes são impermeáveis. Se tornaram superfícies cobertas por concreto e asfalto (que tal pintar o asfalto de branco?), que deixam escorrer rapidamente toda a água precipitada em direção aos nossos rios, hoje quase que totalmente canalizados, sem capacidade para este volume multiplicado pela constante impermeabilização do solo, concorrendo para provocar as constantes enchentes que maltratam os paulistanos.

As coberturas vegetais retardam este processo, impedindo que a água precipitada caminhe imediatamente para as áreas mais baixas da cidade. Mais que isso, funciona como um primeiro filtro, permitindo que esta água seja acondicionada para uso nas descargas, torneiras de jardim, etc, certamente comporiam melhor paisagem para a cidade desde as janelas dos edifícios, oferecendo ainda mais qualidade de vida para os habitantes, pela simples criação destas pequenas áreas de lazer, tão preciosas para o urbanóide.

Também faz sentido culturalmente, quem sabe o tradicional churrasquinho na laje dos domingos, não poderá ser acompanhado de uma alface cultivada ali mesmo?

Comentários

  1. Também gosto da idéia da cobertura vegetal. Li alguma coisa a respeito dos telhados de grama da Noruega e achei demais.

    Bom Fim de Semana!

    ResponderExcluir
  2. Já temos uma petição pública on line acerca das coberturas sustentáveis.
    Agora é momento para fazer barulho, veicular a informação, e pedir por adesões.

    Para assinar:
    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=ARQ2011

    Para recomendar:
    http://www.peticaopublica.com.br/Recomendar.aspx?pi=ARQ2011


    Arq. Oscar Muller

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi