Pular para o conteúdo principal

Falando sobre sustentabilidade na arquitetura

Há muitos anos costumo manter com o Arquiteto e Urbanista Oscar Müller uma amizade que muito me acrescenta em termos de debate e conhecimento em Arquitetura. E mais especialmente em termos humanos porque mesmo só os conhecendo pelas redes da vida, para mim, ele e sua esposa Sil, são amigos que guardo com grande carinho dentro de meu coração. E uma das coisas que sinto nas nossas trocas de ideias é que elas se perdem justo porque são trocadas por e-mails e o seu conteúdo que é, amiúde, muito bom, acaba por se volatizar por aí. Mas esse em especial vou compartilhar com vocês. Falávamos sobre sustentabilidade e a arquitetura e aí abaixo seguem trechos de suas ponderações:  


Ao abordar o assunto da sustentabilidade, sempre é bom lembrar da listinha básica: redução, reuso, reciclagem. Seguindo por aí, já há muito o que comentar...


A começar pela prática mais nobre e efetiva, na nossa área não é fácil considerar a redução. Ao sermos instados a desenvolver um novo projeto, não há muito espaço de interlocução com o cliente acerca da real necessidade da execução de uma nova edificação. Por mais ético que possa ser o profissional, ele corre grande risco de ser preterido em favor de um concorrente que simplesmente não toque no assunto... Em algumas situações, talvez o cliente esteja motivado a construir, por sentir alguma deficiência no imóvel que está ocupando, deficiência que talvez possa ser contornada com alguma adaptação ou providência no imóvel atual.


É preciso muita consciência ecológica para agir contra os seus próprios interesses financeiros, mas ao considerar quanta energia e recursos serão consumidos na nova construção, fica fácil perceber porque a redução é a prática mais nobre da trinca.


Sendo a edificação de fato necessária, observamos a boa prática da redução seguindo a máxima: menos é mais. O objetivo aqui se traduz na obtenção do espaço necessário com uso da menor quantidade possível de materiais, tempo e mão de obra. Materiais aparentes, sem recobrimento, que peçam pouca ou nenhuma manutenção, fechamentos eficientes, mais leves e menos espessos, processos mais rápidos, enfim, quanto menos quantidade de materiais, menos peso, e tempo empregados, melhor.


A segunda prática do pódium é o reuso. Óbviamente, temos que valorizar muito mais o espaço já construído, reformar é sempre muitíssimo melhor que demolir. Aqui o arquiteto tem muitíssimo o que colaborar, desde o conceito e concepção do projeto. As edificações tem vida útil bem longa, e quanto maior esta for, mais sustentável será. Para promover o reuso, os espaços devem ser multiuso. Aqui temos que pensar muito além dos anseios apresentados pelo cliente...
Aproveitamento de galpão de barcos para casa noturna, usando  tijolos de demolição
Projeto 1990 - Arq. Marco Gewehr Flores 

Falando em reciclagem
Meu imóvel está em um envelope de tombamento, e eu não podia alterar a linha da cumeeira. O telhado já tem 80 anos, foi executado com telhas francesas, ripas, caibros e vigas. Sob as telhas coloquei uma manta de subcobertura, por baixo das vigas um forro de PVC, e entre as duas coisas o isolamento termo-acústico. É aqui que a porca torce o rabo, não encontrei no mercado uma solução durável e eficiente, que também fosse ambientalmente amigável.
Os colegas da lista já sabem de minha paixão pela reciclagem, e na verdade escrevo para fazer saber desta experiência que funcionou muito bem: usei aparas descartadas de espuma embrulhadas em plástico bolha. Com custo desprezível, a solução se mostrou eficiente tanto no trabalho térmico, como no isolamento acústico. Durmo tranqüilo neste ambiente, vizinho da Av 23 de Maio, que para quem não conhece, é uma das mais movimentadas da cidade.
Estas aparas são um descarte difícil de lidar, que acaba nos lixões, sem tratamento específico, agravando um problema ambiental já conhecido por todos. Jogo de "todo-mundo-ganha", ao dar uso para este material, resolvemos um problema para o doador, e ao mesmo tempo evitamos que o descarte chegue aos aterros sanitários.
Aqui em Sampa obtive a espuma do próprio fabricante, que feliz em contribuir com o meio-ambiente, enviou de bom grado uma caminhonete lotada para meu endereço (e ainda com dois funcionários para descarregar!), entretanto creio que se pode encontrar este tipo de descarte em qualquer empresa que trabalhe montando baús para caminhões frigoríficos.


Comentários

  1. realmente é difícil encontrar o equilíbrio entre sustentabilidade, preço e desejo do cliente e ás vezes um acaba suprimindo o outro... Mas continuemos tentando ;)

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Melize!

    Não resta outro caminho, a não ser continuar tentando, procurando por soluções, e mais que isso, divulgando as boas práticas como a Elenara tem feito!

    Abraço,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f