Pular para o conteúdo principal

Falando sobre sustentabilidade na arquitetura

Há muitos anos costumo manter com o Arquiteto e Urbanista Oscar Müller uma amizade que muito me acrescenta em termos de debate e conhecimento em Arquitetura. E mais especialmente em termos humanos porque mesmo só os conhecendo pelas redes da vida, para mim, ele e sua esposa Sil, são amigos que guardo com grande carinho dentro de meu coração. E uma das coisas que sinto nas nossas trocas de ideias é que elas se perdem justo porque são trocadas por e-mails e o seu conteúdo que é, amiúde, muito bom, acaba por se volatizar por aí. Mas esse em especial vou compartilhar com vocês. Falávamos sobre sustentabilidade e a arquitetura e aí abaixo seguem trechos de suas ponderações:  


Ao abordar o assunto da sustentabilidade, sempre é bom lembrar da listinha básica: redução, reuso, reciclagem. Seguindo por aí, já há muito o que comentar...


A começar pela prática mais nobre e efetiva, na nossa área não é fácil considerar a redução. Ao sermos instados a desenvolver um novo projeto, não há muito espaço de interlocução com o cliente acerca da real necessidade da execução de uma nova edificação. Por mais ético que possa ser o profissional, ele corre grande risco de ser preterido em favor de um concorrente que simplesmente não toque no assunto... Em algumas situações, talvez o cliente esteja motivado a construir, por sentir alguma deficiência no imóvel que está ocupando, deficiência que talvez possa ser contornada com alguma adaptação ou providência no imóvel atual.


É preciso muita consciência ecológica para agir contra os seus próprios interesses financeiros, mas ao considerar quanta energia e recursos serão consumidos na nova construção, fica fácil perceber porque a redução é a prática mais nobre da trinca.


Sendo a edificação de fato necessária, observamos a boa prática da redução seguindo a máxima: menos é mais. O objetivo aqui se traduz na obtenção do espaço necessário com uso da menor quantidade possível de materiais, tempo e mão de obra. Materiais aparentes, sem recobrimento, que peçam pouca ou nenhuma manutenção, fechamentos eficientes, mais leves e menos espessos, processos mais rápidos, enfim, quanto menos quantidade de materiais, menos peso, e tempo empregados, melhor.


A segunda prática do pódium é o reuso. Óbviamente, temos que valorizar muito mais o espaço já construído, reformar é sempre muitíssimo melhor que demolir. Aqui o arquiteto tem muitíssimo o que colaborar, desde o conceito e concepção do projeto. As edificações tem vida útil bem longa, e quanto maior esta for, mais sustentável será. Para promover o reuso, os espaços devem ser multiuso. Aqui temos que pensar muito além dos anseios apresentados pelo cliente...
Aproveitamento de galpão de barcos para casa noturna, usando  tijolos de demolição
Projeto 1990 - Arq. Marco Gewehr Flores 

Falando em reciclagem
Meu imóvel está em um envelope de tombamento, e eu não podia alterar a linha da cumeeira. O telhado já tem 80 anos, foi executado com telhas francesas, ripas, caibros e vigas. Sob as telhas coloquei uma manta de subcobertura, por baixo das vigas um forro de PVC, e entre as duas coisas o isolamento termo-acústico. É aqui que a porca torce o rabo, não encontrei no mercado uma solução durável e eficiente, que também fosse ambientalmente amigável.
Os colegas da lista já sabem de minha paixão pela reciclagem, e na verdade escrevo para fazer saber desta experiência que funcionou muito bem: usei aparas descartadas de espuma embrulhadas em plástico bolha. Com custo desprezível, a solução se mostrou eficiente tanto no trabalho térmico, como no isolamento acústico. Durmo tranqüilo neste ambiente, vizinho da Av 23 de Maio, que para quem não conhece, é uma das mais movimentadas da cidade.
Estas aparas são um descarte difícil de lidar, que acaba nos lixões, sem tratamento específico, agravando um problema ambiental já conhecido por todos. Jogo de "todo-mundo-ganha", ao dar uso para este material, resolvemos um problema para o doador, e ao mesmo tempo evitamos que o descarte chegue aos aterros sanitários.
Aqui em Sampa obtive a espuma do próprio fabricante, que feliz em contribuir com o meio-ambiente, enviou de bom grado uma caminhonete lotada para meu endereço (e ainda com dois funcionários para descarregar!), entretanto creio que se pode encontrar este tipo de descarte em qualquer empresa que trabalhe montando baús para caminhões frigoríficos.


Comentários

  1. realmente é difícil encontrar o equilíbrio entre sustentabilidade, preço e desejo do cliente e ás vezes um acaba suprimindo o outro... Mas continuemos tentando ;)

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Melize!

    Não resta outro caminho, a não ser continuar tentando, procurando por soluções, e mais que isso, divulgando as boas práticas como a Elenara tem feito!

    Abraço,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Buhais Geology Park, inspiração em ouriços de 65 milhões de anos

O Buhais Geology Park é um local de magnífica importância pré-histórica e geológica, localizado nos Emirados Árabes Unidos. Há evidências científicas de que foi um mar cerca de 65 milhões de anos atrás. Para expor as coleções de fósseis marinhos e outros objetos relevantes da eras da Pedra, Bronze e Ferro, o escritório Hopkins Architects projetou cinco interessantes espaços circulares, interconectados e que servem para acomodar não apenas as áreas de exposição, mas também várias instalações para visitantes, entre elas um teatro e um café. 


Segundo o site dos arquitetos, a inspiração para a forma dos espaços de exposição foram os ouriços fossilizados. Para não causar muitos danos ao meio ambiente, as edificações "foram projetados como estruturas de concreto pré-fabricado e apenas tocam levemente o solo em discos de fundação de concreto armado in-situ."



As estruturas de concreto são revestidas com painéis de aço coloridos para se adequarem à paisagem. Estes painéis, que dão a ap…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…