Pular para o conteúdo principal

Falando sobre sustentabilidade na arquitetura

Há muitos anos costumo manter com o Arquiteto e Urbanista Oscar Müller uma amizade que muito me acrescenta em termos de debate e conhecimento em Arquitetura. E mais especialmente em termos humanos porque mesmo só os conhecendo pelas redes da vida, para mim, ele e sua esposa Sil, são amigos que guardo com grande carinho dentro de meu coração. E uma das coisas que sinto nas nossas trocas de ideias é que elas se perdem justo porque são trocadas por e-mails e o seu conteúdo que é, amiúde, muito bom, acaba por se volatizar por aí. Mas esse em especial vou compartilhar com vocês. Falávamos sobre sustentabilidade e a arquitetura e aí abaixo seguem trechos de suas ponderações:  


Ao abordar o assunto da sustentabilidade, sempre é bom lembrar da listinha básica: redução, reuso, reciclagem. Seguindo por aí, já há muito o que comentar...


A começar pela prática mais nobre e efetiva, na nossa área não é fácil considerar a redução. Ao sermos instados a desenvolver um novo projeto, não há muito espaço de interlocução com o cliente acerca da real necessidade da execução de uma nova edificação. Por mais ético que possa ser o profissional, ele corre grande risco de ser preterido em favor de um concorrente que simplesmente não toque no assunto... Em algumas situações, talvez o cliente esteja motivado a construir, por sentir alguma deficiência no imóvel que está ocupando, deficiência que talvez possa ser contornada com alguma adaptação ou providência no imóvel atual.


É preciso muita consciência ecológica para agir contra os seus próprios interesses financeiros, mas ao considerar quanta energia e recursos serão consumidos na nova construção, fica fácil perceber porque a redução é a prática mais nobre da trinca.


Sendo a edificação de fato necessária, observamos a boa prática da redução seguindo a máxima: menos é mais. O objetivo aqui se traduz na obtenção do espaço necessário com uso da menor quantidade possível de materiais, tempo e mão de obra. Materiais aparentes, sem recobrimento, que peçam pouca ou nenhuma manutenção, fechamentos eficientes, mais leves e menos espessos, processos mais rápidos, enfim, quanto menos quantidade de materiais, menos peso, e tempo empregados, melhor.


A segunda prática do pódium é o reuso. Óbviamente, temos que valorizar muito mais o espaço já construído, reformar é sempre muitíssimo melhor que demolir. Aqui o arquiteto tem muitíssimo o que colaborar, desde o conceito e concepção do projeto. As edificações tem vida útil bem longa, e quanto maior esta for, mais sustentável será. Para promover o reuso, os espaços devem ser multiuso. Aqui temos que pensar muito além dos anseios apresentados pelo cliente...
Aproveitamento de galpão de barcos para casa noturna, usando  tijolos de demolição
Projeto 1990 - Arq. Marco Gewehr Flores 

Falando em reciclagem
Meu imóvel está em um envelope de tombamento, e eu não podia alterar a linha da cumeeira. O telhado já tem 80 anos, foi executado com telhas francesas, ripas, caibros e vigas. Sob as telhas coloquei uma manta de subcobertura, por baixo das vigas um forro de PVC, e entre as duas coisas o isolamento termo-acústico. É aqui que a porca torce o rabo, não encontrei no mercado uma solução durável e eficiente, que também fosse ambientalmente amigável.
Os colegas da lista já sabem de minha paixão pela reciclagem, e na verdade escrevo para fazer saber desta experiência que funcionou muito bem: usei aparas descartadas de espuma embrulhadas em plástico bolha. Com custo desprezível, a solução se mostrou eficiente tanto no trabalho térmico, como no isolamento acústico. Durmo tranqüilo neste ambiente, vizinho da Av 23 de Maio, que para quem não conhece, é uma das mais movimentadas da cidade.
Estas aparas são um descarte difícil de lidar, que acaba nos lixões, sem tratamento específico, agravando um problema ambiental já conhecido por todos. Jogo de "todo-mundo-ganha", ao dar uso para este material, resolvemos um problema para o doador, e ao mesmo tempo evitamos que o descarte chegue aos aterros sanitários.
Aqui em Sampa obtive a espuma do próprio fabricante, que feliz em contribuir com o meio-ambiente, enviou de bom grado uma caminhonete lotada para meu endereço (e ainda com dois funcionários para descarregar!), entretanto creio que se pode encontrar este tipo de descarte em qualquer empresa que trabalhe montando baús para caminhões frigoríficos.


Comentários

  1. realmente é difícil encontrar o equilíbrio entre sustentabilidade, preço e desejo do cliente e ás vezes um acaba suprimindo o outro... Mas continuemos tentando ;)

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Melize!

    Não resta outro caminho, a não ser continuar tentando, procurando por soluções, e mais que isso, divulgando as boas práticas como a Elenara tem feito!

    Abraço,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós !

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

Círculo da Vida - arquitetura viva

Imagine uma série de construções que sigam o ciclo da natureza de vida, que possam crescer, florescer e fenecer como qualquer organismo vivo. É a ideia por trás da Arquitetura Viva ou botânica construtiva como alguns chamam. Falei sobre este conceito em Arquitetura Orgânica.
E enquanto pesquisa o site dos arquitetos do Obvious Avoid (falei sobre eles na postagem sobre ensinar crianças a pensar como arquitetos) encontrei essa proposta do Círculo da Vida que eles mesmos descrevem como "uma coleção de construções sustentáveis ​​feitas para celebrar a arte, a natureza e a ciência. "
Através de um centro de aprendizado a ser feito em uma floresta mexicana, as pessoas poderiam participar e compreender a natureza em todos os seus processos, tanto de vida como de morte. E onde o local não será apresentando como uma proposta fechada, mas como um processo em crescimento natural.
Os sete passos do ciclo proposto são:
Encontrar e recolher árvores caídasConfeccionar produtos de madeiraUsar p…