Pular para o conteúdo principal

Urbanismo Inclusivo

A cidade é uma memória organizada"
"As  mulheres são as esquecidas da História"
( citação da filósofa Hannah Arendt)

Esse artigo que achei na internet fala sobre Portugal, mas poderia falar sobre qualquer pais ocidental.
Artigo escrito por Trigorin


O urbanismo e o ordenamento do território são sempre encarados
como temáticas neutras na perspectiva de gênero.
No entanto há um erro crasso nesta lógica consensual.
Se é neutronão é para ninguém. Ora o urbanismo e ordenamento
do território são construções dirigidas às pessoas, não a entidades abstractas.
É urgente "generizar" e humanizar o planejamento
urbano e o ordenamento do território, sob pena de estarmos a 
cartografar a exclusão. As cidades devem ter em conta os seus 
habitantes e não o habitante médio, o cidadão comum, 
que de tão comum nem existe. Quem existe são as pessoas, 
os homens e as mulheres, com diferentes idades e extractos sociais,
com múltiplas origens étnicas e influências culturais,
com as suas religiões e descrenças, com variadas limitações 
físicas e de saúde, temporárias ou permanentes,
as suas diferentes orientações afectivo-sexuais.
Por tudo isto é necessário que
os espaços urbanos sejam pensados para
a inclusão destas variadas dimensões humanas e
não para o pretenso cidadão comum.
Este pronto-a-vestir social dá tantas dores de cabeças 
como comprar uma camisa que foi feita para o americano 
médio e que depois nos fica pelos joelhos.Esta reflexão é 
particularmente pertinente num momento em que se comemora
o centenário da implantação da República e em que surgem
propostas de quem deve servir de modelo ao busto da República.
A República, como a Pátria, a Nação ou a Mãe é o parente pobre
do masculino universal. Se o homem é a medida de todas as
coisas, a mulher é a medida de todas as mães.
Este modelo redutor não serve a ninguém. Nem aos homens
que querem ser bons pais e viver os afectos. Nem às mulheres
que querem ser boas cidadãs e ser respeitadas pelas suas obras.
Obras essas que vão muito para além da mera reprodução sexual.
No entanto, basta passearmos pela nossa cidade para vermos que as estátuas com nome próprio são masculinas, algumas de mérito tão controverso quanto aquela que existe na Rotunda e que homenageia o famigerado Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal,
estadista visionário para uns e ditador assassino para outros.
Pois já com as mulheres infelizmente não há controvérsias,
porque nenhuma delas tem nome, a Maternidade, a República,
a Maria da Fonte, a Padeira de Aljubarrota, tudo distorções
consensuais da realidade, que tendem a ver a mulher como
um colectivo, sem nome e com rosto de santa. Santa paciência
para visão tão tacanha da realidade Histórica. Já lá vai o tempo
em que as mulheres para publicarem um livro o tinham de fazer com

pseudónimo masculino ou com o nome do marido.Neste centenário da República queremos uma estátua que celebre uma mulher concreta,
com os seus defeitos e qualidades, com o seu rosto e nome próprio.
Acham que não temos portuguesas famosas? Carolina Beatriz Ângelo conseguiu ser a primeira mulher portuguesa a votar em 1911
e uma das primeiras na Europa. Maria Helena Vieira da Silva
e Paula Rego são as mais internacionais artistas plásticas
portuguesas. Sofia de Melo Breyner Andersen foi uma grande
escritora. D. Catarina de Bragança responsável pelo hábito
"britânico" do chá das cinco, que apenas tem direito a um pequeno
busto, enquanto D. José I, que nada legou à posteridade
tem uma estátua equestre no Terreiro do Paço.
Amália Rodrigues é a voz portuguesa mais ouvida no mundo.
Já para não falar nas outras todas que ficaram pelos conventos
ou na sombra de homens pequenos, como atesta o disparate
abundantemente citado "por detrás de um grande homem
está sempre uma grande mulher".É tempo de fazermos
justiça e colocarmos uma grande mulher, não uma
representação anónima num busto da República com cara de
mulher ideal portuguesa, no cimo de um grande pedestal,
para que não restem dúvidas da sua importância
na História de Portugal e da Humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…