Pular para o conteúdo principal

Teoria + ateliê... a boa formação do arquiteto

Um ótimo texto dos drops do Vitruvius...

 http://www.vitruvius.com.br/drops/drops.asp

            O ensino da arquitetura abarca uma questão de suma importância: a dissociação clássica entre duas vertentes, a teórica e a prática. É uma praxe entre os alunos priorizar as disciplinas práticas de ensino projetual do ateliê e menosprezar as teorias, de primordial importância para a obtenção de uma fundamentação acerca das questões que envolvem a concepção do projeto.

      Infelizmente, alguns estudantes só entram em contato com o universo da teoria se solicitados, quando muito devoram inúmeras revistas de arquitetura com sedutoras imagens passando por cima dos enriquecedores ensaios e resenhas, elaborados com muita seriedade por renomados críticos da atualidade.

      Qual o estudante de arquitetura que não se lamuria por “ser obrigado” a ler os tratados renascentistas?! Ora! Sabemos que até hoje grande parte do discurso estético tem se organizado em torno dos alicerces renascentistas (posição defendida por muitos críticos, dentre eles, Bruno Zevi). Não é à toa que muitos buscam justificar uma solução projetual através de conceitos como ritmo, proporção, harmonia, medida... São o legado da arquitetura da renascença, que perdura durante séculos e se mantém na ordem do dia. Não poderia haver leitura mais apropriada!

      Reflexões como estas, estão convenientemente analisadas e difundidas através dos seqüenciais THAUs (Disciplina intitulada por Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo) aplicados nos cursos de graduação. A escola sempre fornece a ferramenta, mas cabe somente ao aluno se beneficiar do discurso teórico e compreender sua importância.

      Ah! O ateliê! Esse sim merece a preferência! Qual é o arquiteto que não sente saudades do ateliê? Pois foi justamente nele que pudemos alçar os vôos mais elevados, dar forma até mesmo às utopias mais incabíveis se transportadas para a vida real. Lembro-me como se fosse hoje, na inexperiência de uma jovem estudante, exercitar a disciplina de projeto através do estudo da arquitetura deconstrutivista. Não havia outra alternativa, senão recorrer à teoria para compreender o processo da deconstrução, herança do filósofo e literato francês Jacques Derrida, traduzido para a arquitetura através da deformação e da decomposição da forma. Enlevada com a descoberta de tal vertente, chega o momento maior da simulação projetual... Êxtase! Finalmente pudemos desenhar algo desconcertante, ousado e intrigante, e ainda assim, conseguir justificá-lo com sabedoria, fato ímpar consumado através do estudo do discurso teórico. Experiência que se mantém viva na memória de qualquer estudante!

      Aos futuros arquitetos sugiro que ingressem no universo da teoria o quanto antes, e se permitam tomar conhecimento até mesmo dos sedutores projetos neofuturistas do Archigram, grupo inglês que mergulhou no universo da ficção científica para elaborar projetos que exploravam com criatividade as possibilidades investigativas da atividade profissional. O fermento da profissão é, e sempre será, a capacidade de inventividade inerente de cada um, que juntamente com a bagagem cultural e a personalidade desempenham papel primordial no exercício da profissão. Portanto, Porque não enriquecer seu repertório conceitual e começar desde já? Ou enquanto é tempo? Habitualmente, depois de encerrada a etapa acadêmica, sobram raras oportunidades de alçar vôos tão criativos. Pense nisso!

      “Se mergulharmos na profissão sem antes ter conhecido a arquitetura em sua verdadeira base, desinteressada, científica e poética, o vôo para o futuro partirá muito baixo e o jovem correrá o risco de ser rapidamente devorado pela banalidade do contexto.” (1)

      Nota

      1
      Vittoriano Viganò. Apud FAROLDI, Emilio, VETTORI, Maria Pilar. Diálogos de Arquitetura. São Paulo: Siciliano, 1997.

      Liziane de Oliveira Jorge, Belo Horizonte MG
    
       


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…