Pular para o conteúdo principal

Teoria + ateliê... a boa formação do arquiteto

Um ótimo texto dos drops do Vitruvius...

 http://www.vitruvius.com.br/drops/drops.asp

            O ensino da arquitetura abarca uma questão de suma importância: a dissociação clássica entre duas vertentes, a teórica e a prática. É uma praxe entre os alunos priorizar as disciplinas práticas de ensino projetual do ateliê e menosprezar as teorias, de primordial importância para a obtenção de uma fundamentação acerca das questões que envolvem a concepção do projeto.

      Infelizmente, alguns estudantes só entram em contato com o universo da teoria se solicitados, quando muito devoram inúmeras revistas de arquitetura com sedutoras imagens passando por cima dos enriquecedores ensaios e resenhas, elaborados com muita seriedade por renomados críticos da atualidade.

      Qual o estudante de arquitetura que não se lamuria por “ser obrigado” a ler os tratados renascentistas?! Ora! Sabemos que até hoje grande parte do discurso estético tem se organizado em torno dos alicerces renascentistas (posição defendida por muitos críticos, dentre eles, Bruno Zevi). Não é à toa que muitos buscam justificar uma solução projetual através de conceitos como ritmo, proporção, harmonia, medida... São o legado da arquitetura da renascença, que perdura durante séculos e se mantém na ordem do dia. Não poderia haver leitura mais apropriada!

      Reflexões como estas, estão convenientemente analisadas e difundidas através dos seqüenciais THAUs (Disciplina intitulada por Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo) aplicados nos cursos de graduação. A escola sempre fornece a ferramenta, mas cabe somente ao aluno se beneficiar do discurso teórico e compreender sua importância.

      Ah! O ateliê! Esse sim merece a preferência! Qual é o arquiteto que não sente saudades do ateliê? Pois foi justamente nele que pudemos alçar os vôos mais elevados, dar forma até mesmo às utopias mais incabíveis se transportadas para a vida real. Lembro-me como se fosse hoje, na inexperiência de uma jovem estudante, exercitar a disciplina de projeto através do estudo da arquitetura deconstrutivista. Não havia outra alternativa, senão recorrer à teoria para compreender o processo da deconstrução, herança do filósofo e literato francês Jacques Derrida, traduzido para a arquitetura através da deformação e da decomposição da forma. Enlevada com a descoberta de tal vertente, chega o momento maior da simulação projetual... Êxtase! Finalmente pudemos desenhar algo desconcertante, ousado e intrigante, e ainda assim, conseguir justificá-lo com sabedoria, fato ímpar consumado através do estudo do discurso teórico. Experiência que se mantém viva na memória de qualquer estudante!

      Aos futuros arquitetos sugiro que ingressem no universo da teoria o quanto antes, e se permitam tomar conhecimento até mesmo dos sedutores projetos neofuturistas do Archigram, grupo inglês que mergulhou no universo da ficção científica para elaborar projetos que exploravam com criatividade as possibilidades investigativas da atividade profissional. O fermento da profissão é, e sempre será, a capacidade de inventividade inerente de cada um, que juntamente com a bagagem cultural e a personalidade desempenham papel primordial no exercício da profissão. Portanto, Porque não enriquecer seu repertório conceitual e começar desde já? Ou enquanto é tempo? Habitualmente, depois de encerrada a etapa acadêmica, sobram raras oportunidades de alçar vôos tão criativos. Pense nisso!

      “Se mergulharmos na profissão sem antes ter conhecido a arquitetura em sua verdadeira base, desinteressada, científica e poética, o vôo para o futuro partirá muito baixo e o jovem correrá o risco de ser rapidamente devorado pela banalidade do contexto.” (1)

      Nota

      1
      Vittoriano Viganò. Apud FAROLDI, Emilio, VETTORI, Maria Pilar. Diálogos de Arquitetura. São Paulo: Siciliano, 1997.

      Liziane de Oliveira Jorge, Belo Horizonte MG
    
       


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi