MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Japão cria a casa sem pegada de carbono


Fonte: Valor Econômico – 08.07.2008

A casa, de 200 metros quadrados, tem a capacidade de gerar toda a energia necessária para uma família de quatro pessoas sem deixar pegada de carbono, ou seja, sem provocar impacto ambiental, segundo o governo japonês. Entre os eletrodomésticos instalados nela, muitos já à venda no Japão, há uma lavadora que não precisa de água e um ar-condicionado que percebe onde as pessoas estão numa sala e, automaticamente, emite ar frio na direção delas.

A casa usa um gerador eólico e um sistema de geração fotovoltaico, que converte diretamente luz em eletricidade e produz cerca de 15 quilowatts de energia elétrica por dia, cerca de cinco vezes a quantidade usada numa residência média.

A lavadora sem água é o modelo mais recente da Aqua, da Sanyo Electric Co., uma máquina três em um que usa ozônio para lavar a roupa sem uma única gota d'água. O processo de "ozonização" - que desinfeta as bactérias no contato - pode limpar as roupas com ar, removendo cerca de 80% das manchas biodegradáveis, diz Ryo Hagiwara, porta-voz da Sanyo.

Segundo a empresa, um ciclo completo de lavagem a ar gasta quase o dobro de eletricidade que uma lavagem normal, mas apenas um quinto da energia de um ciclo completo de lavagem e secagem - em parte porque a lavagem a ar não precisa de secagem. A lavadora também pode reciclar a água usada do banho para uma lavagem normal.

O novo aparelho de ar condicionado sensível a humanos, da Electric Corp., também só disponível no Japão, detecta o movimento e localização das pessoas usando sensores de calor. O aparelho, então, emite ondas de ar direcionadas especificamente para eles. Isso pode economizar até 50% de energia elétrica, segundo informa a companhia.

Há também um aparelho de TV de cristal líquido da Sharp Corpo com apenas dois centímetros de espessura, ainda não à venda, que consome apenas metade da energia necessária para os modelos atuais, afirma a empresa. A Sharp apresenta ainda uma série de painéis de energia solar com células semitransparentes que podem ser instalados em janelas.

Mas ainda existem obstáculos. Um deles é que os produtos feitos para preservar o meio ambiente são caros. O ar-condicionado da Mitsubishi custa 200.000 ienes (US$ 1.873), ou cerca de um terço mais que os aparelhos convencionais, segundo a empresa. A lavadora Aqua da Sanyo pode ser 80% mais cara do que uma lavadora e secadora equivalente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 motivos para NÃO fazer arquitetura