Pular para o conteúdo principal

As cidades devem proteger os direitos humanos

Tempos estranhos os que vivemos, onde a expressão direitos humanos causa espanto em alguns que a adjetivam, como se fosse possível não entender o significado amplo, geral e irrestrito :
" Os direitos humanos incluem o direito à vida e à liberdade, à liberdade de opinião e de expressão, o direito ao trabalho e à educação, entre e muitos outros. Todos merecem estes direitos, sem discriminação." (Fonte)
Isso significa que são "direitos inerentes a todos. Independentemente de raça, sexo, nacionalidade, etnia, idioma, religião ou qualquer outra condição."

 E como grande parte da humanidade vive em comunidades urbanas, torna-se premente que as cidades, e seus gestores, impulsionem e protejam os seus cidadãos (todos eles). Nos locais onde isso não acontece, existem danos que são muito prejudiciais à saúde tanto física como mental, não apenas da população, como das próprias comunidades. 

Foi com essa preocupação que Frédérique Hanotier criou uma plataforma digital para promover a interação de gestores municipais. Chama-se Rede de Cidades pelos Direitos Humanos

Entre seus objetivos está o intercâmbio de práticas de excelência e o apoio aos agentes e ações que promovam os direitos humanos nas cidades.  

E por mais que pareça um discurso generoso que passe a mão sobre pessoas na ótica de alguns, a promoção das melhorias de democracia participativa e desenvolvimento de concepções de cidadania contribuem para que se trabalhe as exclusões e o medo do outro que tanto aflige os centros urbanos. Isso se dá também com a participação cidadã e criativa de suas populações.

São oito as cidades que participam oficialmente da iniciativa, todas na Europa:

  • Graz, Salzburgo e Viena, na Áustria
  • Iorque no Reino Unido
  • Barcelona, ​​na Espanha
  • Utrecht e Middelburg, na Holanda
  • Lund, na Suécia

O programa de Barcelona, por exemplo, baseia a implementação das políticas de direitos humanos em áreas temáticas, consideradas prioritárias, entre eles a luta contra o discurso de ódio, discriminação e trabalhar para a plena cidadania para todos as pessoas que vivam em Barcelona, independente de sua nacionalidade.


Esta política prevê vários tipos de ações:  
  • Revisão dos regulamentos municipais de acordo com os padrões de direitos humanos.
  • Influência política nas regulamentações que afetam os direitos humanos, mas que estão fora da jurisdição municipal.
  • Campanhas gerais de promoção dos direitos humanos.
  • Fornecimento de treinamento e aquisição de habilidades para cidadãos, organizações e administração.
  • Melhorias nos mecanismos municipais de garantia dos direitos humanos.
"...os direitos humanos têm pouco significado se eles não protegem as pessoas onde elas vivem, que está em seus territórios locais. Os municípios e as autoridades locais podem enfrentar melhor os desafios econômicos, sociais e ambientais de seus cidadãos mediante a promoção de modo mais eficaz a igualdade, a solidariedade e o bem-estar em suas comunidades."Frédérique Hanotier
Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n