Pular para o conteúdo principal

Divagações de uma caminhante solitária pelo Parque

Moro a duas quadras do mais famoso e emblemático parque da cidade. Não aproveita-lo de forma mais demorada e contínua chega a ser um despropósito. E, como nossos dias nos levam a temer (sem trocadilhos, ou com eles, escolham...) levar qualquer coisa a mais que não seja um bom par de tênis e a disposição de caminhar, lá me fui, em uma manhã de sábado ventosa, caminhar sozinha pelo Parque. O sozinha é porque sempre vou com uma amiga e isso me faz ver o tempo correr mais rápido. Mas hoje foi em tudo diferente.
Redenção
A Redenção, também conhecida como parque Farroupilha nessa cidade onde tudo costuma ter mais de um nome, foi construída para uma monumental comemoração do Centenário da Exposição Farroupilha, em 1935. A Revolução Farroupilha ou Guerra dos Farrapos foi aquela que a gente perdeu (ou empatou) e comemora até hoje. Esta exposição teve pavilhões de estados brasileiros e países e levou uma multidão para vê-la. Entre esses, dois jovens que mal sabiam que iriam se conhecer poucos anos depois: meu pai e minha mãe. Deles ouvi muitos relatos do fascínio que sentiram! E faço ideia porque aquela área, que era um banhado chamada de Várzea da Redenção, se transformou em uma mostra pujante de uma arquitetura em tudo diferente do que estavam acostumados, vide o texto abaixo, tirado de uma postagem bem interessante sobre o tema e que pode ser lida na íntegra AQUI
Em 1935, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul promoveu a comemoração do "Centenário Farroupilha" através de uma grandiosa exposição industrial e agrícola realizada sobre a área da então chamada "Várzea da Redenção", em Porto Alegre. Conciliando a arquitetura efêmera de seus pavilhões com alguns elementos permanentes do futuro Parque Farroupilha construídos na mesma oportunidade, a Exposição do Centenário apresentou-se como o principal símbolo da modernidade possível e desejável para o Estado, em um período de profundas transformações para a sociedade brasileira. Amplamente apoiada em recursos tecnológicos, como a deslumbrante iluminação noturna dos espaços e pavilhões do evento, e conduzida por uma bem informada retórica "déco", a Exposição articulou um notável conjunto arquitetônico e urbanístico que sintetizou uma visão de modernidade comprometida com a tradição neoclássica, provocando um impacto visual sem precedentes sobre seus contemporâneos. A avaliação preliminar dos dados da Exposição verificou a existência de um aparente paradoxo entre a sugestão de unidade transmitida pelo conjunto dos elementos da mesma e a manifesta diversidade estilística exibida por uma arquitetura reveladora de diferentes filiações e influências.
Em Espaços de lazer e cidadania: o Parque Farroupilha, Porto Alegre (1) de
Luiz Fernando da Luz e Ana Rosa de Oliveira, no site Vitruvius, podemos ler mais a respeito do projeto e implantação do Parque. E é de lá que tirei essas imagens do ante projeto e a vista aérea do Parque e exposição.
Passado o período de aproximadamente quatro meses onde se louvou o espírito progressista do gaúcho (imagino eu) já que também para isso se faz este tipo de instalação, a cidade ganhou uma extensa área de lazer que fez parte da minha infância de modo marcante.

Quando vim morar em Porto Alegre, na metade dos anos 60, foi assim que este espaço estava....
Parque da Redenção em 1966
Sobraram os eixos básicos, algumas construções, muitas árvores e espaços que enchiam os olhos daquela criança que ia passear todo domingo por ali com seus pais e irmãos. E como é interessante a escala da criança! Meus olhos de hoje custam a crer que o Parque não fosse muito, mas muito maior que na realidade o é. Cada recanto parecia levar à mundos mágicos e diferentes. Do lago dos pedalinhos ao recanto oriental (um dos que mais me fascinavam) tudo parecia separado por léguas de encantamento.


Fonte
E hoje, caminhando solitária, sem nenhuma distração que não fossem as cores, os sons e as pessoas foi como se pudesse voltar e reencontrar um pouco do passado em cada caminhante que ali passava.

O pai que brincava com seu filhinho pequeno. A turma que fazia ginástica e se divertia em grupo. Os velhinhos que buscavam saúde. Os sem teto que dormiam nos bancos. Todos aparentemente igualados em suas humanidades. Sem distinção de idade, de sexo, de poder econômico. Uma pequena utopia urbana capturada pelo olhar de quem queria ver assim.

Os espelhos de água quase cheios, o gramado onde era a antiga piscina pública, as árvores imensas e teimosamente em pé, mesmo sob ventanias e vendavais que teimam em castigar nossos tempos.

Os espaços são feitos de lembranças. Os espaços são feitos de vida. Os espaços são feitos para que a gente os usufrua com a esperança de tempos mais dignos e onde a nossa humanidade possa sobreviver com beleza e sorrisos.
1935
Hoje
Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi