Pular para o conteúdo principal

Regras para uma arquitetura de baixo consumo

Vejo muitas pessoas leigas - e alguns estudantes - tratando a Arquitetura como forma. Ou mais como forma do que como uma solução muito bem pensada para resolver os problemas de espaço com que nos defrontamos. 

Desde a primeira caverna, o abrigo primordial, os homens e mulheres tem se debruçado e erigido do mais simples ao mais grandioso. Nos últimos trinta ou quarenta anos, muito do conhecimento vernacular foi delegado a um segundo plano porque a tecnologia assumiu um papel mais preponderante. Vivíamos épocas de energia barata e uma bela instalação de aquecimento e refrigeração faziam milagres. 

Hoje já não. Pagamos por alguns anos de muito desperdício e consumismo. E à Arquitetura e aos arquitetos urge dar respostas aos problemas de consumo energético. Várias novas e antigas tecnologias surgem para minimizar esse gasto.

Mas são nas decisões de projeto que muitos deles podem ser evitados. Literatura há em grande número sobre isso. E a formação dos arquitetos contempla o conhecimento de várias delas. Senão, muito do conhecimento de como se construía ajuda bastante.

Por isso gostei de ler esse livro (quase de bolso) com 101 regras básicas para uma arquitetura de baixo consumo energético. Ele me lembrou um colega, super organizado, que tinha um caderno onde colocava informações super importantes. Na hora em que fosse preciso, ia lá e elas estavam à mão. E para o número de condicionantes que um arquiteto tem que processar quando projeta, ter dados e informações a mão, é muito facilitador.   
Esses dias ouvi um seminário com o Arq. Gustavo Penna onde ele falava do seu processo de projeto e de como era importante o prédio "falar"com o entorno. Lembrei dele ao ler o primeiro capítulo do livro: trabalhar com a situação e localização.  
Ah! Então é receita de bolo? Pego o livro, sigo as regras e vou ter uma ótima construção! Calma aí, gente. O alerta é justamente de não esquecer que cada região e localização é um caso único. Estudar como se resolviam e alguns macetes de como resolver situações peculiares como os ventos predominantes, insolação, locais onde faz muito calor no verão e frio no inverno, etc, requerem conhecimento.

E é justamente a esse conhecimento que o livro ajuda. Uma mão na roda! Até porque no final ele lista uma bibliografia que orientou cada capítulo. Isso é ótimo para aprofundar a pesquisa.

Uma ressalva: achei que ainda ficou confuso para leigos a questão da insolação. Como o livro foi escrito no hemisfério norte, muitas das regras tem que ser traduzidas para quem mora no hemisfério Sul (caso da Brasil). Atenção com isso! Mas o livro aconselha aos profissionais usarem cartas de insolação, sejam reais ou virtuais.

Leiam aqui:  Insolação em simples palavras   

Ficaram curiosos? Dou uma palhinha com quatro regras.   




Querem saber mais??? 101 regras básicas para uma arquitetura de baixo consumo energético 

Gostou? Tem alguma sugestão?  
Comenta e conta para a gente a tua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Espaço de marketing diferenciado usando contêiner

Um exemplo de como contêineres usados podem ser reaproveitados é o que vemos nesta proposta de construção modular da agência Work of Substance para a empresa Goodman, onde foram usados quatro módulos que formam seis espaços diferentes. 

Leia também : Conteiner - pense neles como solução


Interessante como conseguiram usar os conteineres de maneira aberta com grandes aberturas que unem o espaço interno com a natureza fora deles. 


Leia também: bar muito legal usando conteiner

Belos espaços de contemplação também são criados no andar superior. Com a vantagem da construção poder ser reutilizada em outros sítios, sem deixar maiores intervenções no local onde estava. 
Nos siga também nas redes sociais

TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest
snapchat: arqsteinleitao

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…