Pular para o conteúdo principal

Resiliência Urbana e Hedy Lamar

O fim de semana foi uma prova de sobrevivência. Para nós que moramos nas cidades ter acesso à infra estrutura básica como luz, água e...wifi se torna tão corriqueiro que nem nos damos conta de como é viver sem eles. Mas quando uma calamidade natural como a que se abateu sobre uma parte de Porto Alegre nesse 29 (31 ops) de janeiro de 2016 nos faz ficar 36 horas sem luz, sem wifi e com água (sorte no meu caso porque grande parte da cidade ficou sem) nos questionamos sobre como anda a nossa capacidade de resiliência urbana. 

A resiliência urbana: Capacidade de indivíduos, comunidades ou cidades de sobreviver, adaptar-se e crescer, não importando a intensidade dos impactos que venham a sofrer. Ao desenvolver um plano que observe esses aspectos, indivíduos, comunidades e as cidades se tornam mais capacitadas para responder aos eventos adversos, mantendo suas funções básicas e se recuperando rapidamente dos seus impactos. (Fonte)
Por ironia, uns poucos dias antes a cidade comemorava o fato de ser uma das duas cidades no Brasil (a outra é o Rio de Janeiro) a fazer parte do 100 Resilient Cities que é financiado e apoiado pela Fundação Rockefeller. 

Ainda preciso ler com calma toda a estratégia e a que se propõe a cidade para vencer esse desafio. Que aliás, espero de coração, seja amplamente enfrentado e implementado. Que estejamos preparados para enfrentar desafios como terremotos, inundações, tsunamis e um transporte público ainda aquém das necessidades da população. Uma das minhas principais críticas é sempre a falta de planejamento para o futuro da cidade. Portanto aplaudo qualquer iniciativa que mostre uma boa intenção de fazê-lo.


Talvez lá por 2022 estejamos mais prontos para responder com mais prontidão aos reveses. O que leio hoje me desanima.

Um dos pontos a favor de Porto Alegre é a sua arborização. Uma das maiores do país. Exatamente essa intensa quantidade de árvores se tornou um dos agravantes na falta de energia elétrica com o número delas que caíram integral ou parcialmente, carregando fios com elas. Uma das soluções seria um incremento de redes subterrâneas. Outro grande problema -e que tem já acontecido em outras tempestades menores é faltar energia elétrica nas estações de água o que ocasiona falta dela para o cidadão. Geradores nas estações seria uma solução. Infelizmente o que leio é que tudo isso é considerado inviável pelos custos. Assim como o aumento do efetivo responsável pela manutenção das redes. Também esbarra em custos...   

Há impactos que são impossíveis de prever com antecedência. Resta planejar para que a cidade e seus cidadãos sejam mais capazes de reagir com presteza e restabelecer a ordem (inclusive a infra estrutura necessária) o mais rápido possível. Exige criatividade e realmente muita resiliência...

E Hedy Lamar? O que tem a ver com isso?
  


Hedwig Eva Maria Kiesler era uma bela mulher, artista de Hollywood. Para mim parava aí. Mas não. Ela foi bem mais que isso. Foi a precursora na invenção de "um sistema de comunicações para as Forças Armadas dos Estados Unidos que serviu de base para a atual telefonia celular."(Wikipédia)

Sim, graças à ela temos wifi - uma das tecnologias que está se tornando tão necessária como água e luz como falei lá em cima.

Essa mulher que quebrou tabus aparecendo nua em um filme na década de 30, encantou um multimilionário vendedor de armas que a fez abandonar a carreira artística. Sob seu domínio, ela se voltou aos estudos de engenharia e aprendeu com ele sobre a indústria de armas. Com o marido se envolvendo com o nazismo, ela foge e vai virar artista nos Estados Unidos. Mais fantástico que qualquer filme. Uma mulher resiliente, bela e inteligente, que se torna peça chave em uma tecnologia fundamental. E da qual ficamos sabendo mais sobre sua aparência. Típico.

Que o plano de cidade resiliente vá além da aparência. É o que espero. 

Leia também:

Gostou? Tem alguma sugestão? 

Comenta e conta para a gente a sua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…