Pular para o conteúdo principal

Destruir o edificio, destrói a memória? Neruda e Luiz Carlos Prestes

Uma das funções da Arquitetura é ser símbolo e memória. Seja em forma individual, uma casa ou mais coletiva, um memorial. Falo isso por duas coisas que li essa semana. Uma o livro de Matilde Urrutia, Minha Vida com Pablo Neruda onde ela relata como suas casas foram destruídas durante o golpe militar de 1973 no Chile. Outra a notícia dessa semana em que um protesto falava em demolir o memorial de Luiz Carlos Prestes em Porto Alegre. O crime dos dois? Serem comunistas na visão dos oponentes. Nem vou entrar no mérito de quem tem razão, ou de que o comunismo, quando regime vigente em muitos países também cometeu o mesmo tipo de barbárie. Vou falar exatamente do ato simbólico de destruir o que não aceitamos. Destruir um edifício, uma estátua, um tempo, mudar o nome de uma rua ou monumento apaga o que houve? Não. Destruir nunca apaga a memória de ideias e atos que marcam a história. 

Nem as poesias de Neruda morreram com as suas casas (que depois foram restauradas) nem a proeza da marcha de 25 mil quilômetros da Coluna Prestes e toda a sua história posterior se apagaria com uma eventual demolição do Memorial Luiz Carlos Prestes.

Fonte
O único projeto de Oscar Niemeyer (laureado com o Pritzker, o Nobel da Arquitetura) feito em Porto Alegre, o memorial tem 700 m2 de área edificada e está localizado na Av. Edvaldo Pereira Paiva, perto do Rio (ou Lago) Guaíba. Com uma foice e martelo no teto, alusão ao símbolo comunista, o prédio usa a cor vermelha como elemento marcante. Ele terá uma área de exposição com o acervo de fotos e documentos da vida de Prestes, biblioteca e miniauditório.
Fonte

“Como arquiteto, vejo, satisfeito, que meu projeto vai contribuir para manter viva a memória de Luiz Carlos Prestes, um brasileiro que lutou em favor de seu povo, contra a miséria e a desigualdade social que, infelizmente, ainda persistem em nosso país. (…)" Oscar Niemeier

Fonte


Polêmicas a parte sobre o projeto, aliás como o são todos os projetos e detalhamento (ou falta dele) de Niemeyer, vou me deter mais na figura histórica de Prestes. Principalmente porque 2014 marca os 90 anos do início da famosa marcha, que começa em outubro de 1941, na cidade de Santo Ângelo (RS) e que durou dois anos e meio e percorreu 25 mil quilômetros. Abaixo o memorial de Prestes naquela cidade, que tive a oportunidade de conhecer há pouco tempo.
Foto Elenara Stein Leitão
Foto Elenara Stein Leitão
90 anos da Coluna Prestes e 90 anos da morte de meu avô, jornalista Fábio Leitão, morto no combate do Barro Vermelho, no levante do 3 Batalhão de Engenharia de Cachoeira do Sul. Vô Fábio era um jovem idealista de 36 anos, maragato combativo e atuante. Sempre penso que, se não tivesse perecido naquele 10 de novembro de 1924, será que teria acompanhado Luiz Carlos Prestes em sua coluna e marcha pelo país? Nunca saberei. Deixou viúva minha avó Estelita, com 26 anos, e quatro filhos pequenos. Meu pai com três anos não se lembrava do pai, mas sempre cultuou a sua memória.

Não, a Coluna não foi uma unanimidade e nem foi um ato pacífico. Mas quem conhece um pouco da história recente do nosso estado e país vai saber que os tempos eram bastante mais bélicos.
Fonte
Para se ter um real posicionamento da História é preciso conhecê-la. Não basta bater o pé e tentar riscar do mapa o que não nos serve ou renegamos como verdade. Sob pena de legitimarmos a derrubada dos Budas de Bamyan 

Independente de se gostar ou não do que acreditavam em algum momento de suas vidas Neruda e Prestes eles marcaram a História com vozes e atos. Neruda com a sua poesia conquistou um Nobel de Literatura. Prestes realizou uma marcha inédita no mundo. Os dois são seres históricos do maior quilate. Muito maiores do que qualquer fanatismo vindo talvez da ignorância de suas histórias e importância.

Pense nisso: Destruir edifícios e/ou livros não destrói a memória. Ideias se debatem com ideias.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…