Pular para o conteúdo principal

Piquenique no MAM, Flores Raras e arquitetas invisíveis

Essa semana vou participar de um piquenique nos jardins do MAM no Rio de Janeiro. Vamos aprender mais sobre o balanço energético, ou como se dá esse equilíbrio entre as calorias que a gente põem para dentro e as que saem. É um projeto do Viva Positivamente e quem vai nos dar umas aulas legais são os doutores Victor Matsuo e Claudia Cravo. Com certeza será um dia super agradável e eu vou falar sobre ele em uma outra postagem.
MAM - RIO


Por enquanto estou sonhando em conhecer os jardins projetados por Burle Marx (sim, eu nunca passeei a pé por eles, o máximo que fiz foi visitar o monumento aos pracinhas - e isso quando eu tinha dez anos (!!!).


Apresentação de Projeto - Aterro do flamengo from Megumi Nishimori

O projeto do Parque do Flamengo, também conhecido como Aterro do Flamengo, e as obras que nele constam fazem parte da história do urbanismo e arquitetura do Brasil. Por isso, ao assistir recentemente ao filme Flores Raras, fiquei surpresa ao conhecer uma mulher que fez parte da história da construção do Parque e da qual eu nunca tinha ouvido falar. Quem seria Lota Macedo Soares no cenário arquitetônico brasileiro? Eu nunca tinha ouvido falar nela e para mim a autoria dos projetos do Parque do Flamengo eram de outros arquitetos, todos homens, é obvio. Onde estariam as referências à Sergio Bernardes, Affonso Eduardo Reidy e Roberto Burle-Marx? Fui pesquisar e achei mais estranhamentos de outros arquitetos que podem ser vistos nos dois artigos cujos links coloco aqui: Flores raras e banalíssimas e A arquitetura do Rio de Janeiro vai ao cinema. Vemos que o filme adotou sim liberdades poéticas para valorizar a personalidade de Lotta na sua história de amor com a poeta americana Elizabeth Bishop.
 
Elizabeth Bishop e Lotta de Macedo Soares

Mas, se ela não era arquiteta de formação acadêmica e sim autodidata, que papel na realidade teve Lotta na história de um espaço que tanto enriqueceu a cidade? A urbanização do aterro do Flamengo já fazia parte de antigos projetos urbanísticos da cidade quando assumiu o governador Carlos Lacerda. (Um adendo, pessoalmente não gosto do papel desse personagem na história do Brasil, mas essa é outra história). Lacerda, que era amigo de Lotta, a chama para a coordenação do projeto do parque. Havia intenções de usar essa área como grandes pistas de carros e ela bateu pé junto ao governador e dizia que:

 “Um simples corredor para carros poderá se transformar numa imensa área arborizada e acabará se convertendo num símbolo para a cidade” (fonte).  

Além dessa visão estratégica de um futuro que se tornou verdadeiro, o parque se tornou referência paisagística já que, segundo Ivete Farah, pela primeira vez se usaram cerca de três dezenas de novas espécies nativas e exóticas no país. Lotta não projetou, mas executou. Esteve a frente na concepção da ideia e na coordenação das equipes de profissionais que construíram o parque. Não é pouco. Para uma mulher na década de 50 diria que é muito. Porque então eu nunca ouvi falar dela na faculdade de Arquitetura?

E assim chego ao terceiro mote do que me chamou a atenção. Esses dias descobri uma página no face chamada arquitetas invisíveis. Ela fala justamente sobre o fato de que "Mulheres são como fantasmas na arquitetura moderna: presentes em todos os lugares, cruciais, mas, estranhamente, invisíveis." Eu mesma já falei sobre essa desigualdade de tratamento AQUI.

Não é apenas Lotta que não é falada. A história das mulheres na arquitetura parece ser contada pela metade. Ou menos que isso. E pouco me importa se Lotta tinha diploma ou não, ela era precursora, teve um papel atuante que merece ser mais estudado. Ela e outras profissionais que atuam em forma dinâmica e tantas vezes ficam anônimas para a história. 

Então, fechando o raciocínio, vemos que na vida profissional é também necessário um balanço energético. Mulheres gastam tanta energia e aplicação quanto homens e continuam fora do equilíbrio do reconhecimento. 

Equilíbrio, uma palavra básica, de fácil entendimento e tão difícil de alcançar na prática. Espero aprender mais sobre ela no piquenique nos jardins do MAM. Espero encontrá-la mais seguido na vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como