Pular para o conteúdo principal

Piquenique no MAM, Flores Raras e arquitetas invisíveis

Essa semana vou participar de um piquenique nos jardins do MAM no Rio de Janeiro. Vamos aprender mais sobre o balanço energético, ou como se dá esse equilíbrio entre as calorias que a gente põem para dentro e as que saem. É um projeto do Viva Positivamente e quem vai nos dar umas aulas legais são os doutores Victor Matsuo e Claudia Cravo. Com certeza será um dia super agradável e eu vou falar sobre ele em uma outra postagem.
MAM - RIO


Por enquanto estou sonhando em conhecer os jardins projetados por Burle Marx (sim, eu nunca passeei a pé por eles, o máximo que fiz foi visitar o monumento aos pracinhas - e isso quando eu tinha dez anos (!!!).


Apresentação de Projeto - Aterro do flamengo from Megumi Nishimori

O projeto do Parque do Flamengo, também conhecido como Aterro do Flamengo, e as obras que nele constam fazem parte da história do urbanismo e arquitetura do Brasil. Por isso, ao assistir recentemente ao filme Flores Raras, fiquei surpresa ao conhecer uma mulher que fez parte da história da construção do Parque e da qual eu nunca tinha ouvido falar. Quem seria Lota Macedo Soares no cenário arquitetônico brasileiro? Eu nunca tinha ouvido falar nela e para mim a autoria dos projetos do Parque do Flamengo eram de outros arquitetos, todos homens, é obvio. Onde estariam as referências à Sergio Bernardes, Affonso Eduardo Reidy e Roberto Burle-Marx? Fui pesquisar e achei mais estranhamentos de outros arquitetos que podem ser vistos nos dois artigos cujos links coloco aqui: Flores raras e banalíssimas e A arquitetura do Rio de Janeiro vai ao cinema. Vemos que o filme adotou sim liberdades poéticas para valorizar a personalidade de Lotta na sua história de amor com a poeta americana Elizabeth Bishop.
 
Elizabeth Bishop e Lotta de Macedo Soares

Mas, se ela não era arquiteta de formação acadêmica e sim autodidata, que papel na realidade teve Lotta na história de um espaço que tanto enriqueceu a cidade? A urbanização do aterro do Flamengo já fazia parte de antigos projetos urbanísticos da cidade quando assumiu o governador Carlos Lacerda. (Um adendo, pessoalmente não gosto do papel desse personagem na história do Brasil, mas essa é outra história). Lacerda, que era amigo de Lotta, a chama para a coordenação do projeto do parque. Havia intenções de usar essa área como grandes pistas de carros e ela bateu pé junto ao governador e dizia que:

 “Um simples corredor para carros poderá se transformar numa imensa área arborizada e acabará se convertendo num símbolo para a cidade” (fonte).  

Além dessa visão estratégica de um futuro que se tornou verdadeiro, o parque se tornou referência paisagística já que, segundo Ivete Farah, pela primeira vez se usaram cerca de três dezenas de novas espécies nativas e exóticas no país. Lotta não projetou, mas executou. Esteve a frente na concepção da ideia e na coordenação das equipes de profissionais que construíram o parque. Não é pouco. Para uma mulher na década de 50 diria que é muito. Porque então eu nunca ouvi falar dela na faculdade de Arquitetura?

E assim chego ao terceiro mote do que me chamou a atenção. Esses dias descobri uma página no face chamada arquitetas invisíveis. Ela fala justamente sobre o fato de que "Mulheres são como fantasmas na arquitetura moderna: presentes em todos os lugares, cruciais, mas, estranhamente, invisíveis." Eu mesma já falei sobre essa desigualdade de tratamento AQUI.

Não é apenas Lotta que não é falada. A história das mulheres na arquitetura parece ser contada pela metade. Ou menos que isso. E pouco me importa se Lotta tinha diploma ou não, ela era precursora, teve um papel atuante que merece ser mais estudado. Ela e outras profissionais que atuam em forma dinâmica e tantas vezes ficam anônimas para a história. 

Então, fechando o raciocínio, vemos que na vida profissional é também necessário um balanço energético. Mulheres gastam tanta energia e aplicação quanto homens e continuam fora do equilíbrio do reconhecimento. 

Equilíbrio, uma palavra básica, de fácil entendimento e tão difícil de alcançar na prática. Espero aprender mais sobre ela no piquenique nos jardins do MAM. Espero encontrá-la mais seguido na vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n