Pular para o conteúdo principal

Pavilhão une arte e arquitetura com técnica construtiva centenária

Fonte
Sabe aquelas obras que te fascinam pelo olhar? Estava pesquisando outra coisa e me deparei com essa "pilha de madeira" e TIVE que ir atrás! É um pavilhão permanente da obra da artista japonesa Toshiko Horiuchi, projeto de Tezuka Architects com a colaboração dos engenheiros estruturais da TIS & PARTNERS. Um verdadeira parque de divertimentos infantil tecido a mão!
Localizado em um local aberto, o Open-Air Museum Hakone, o pavilhão une arte e arquitetura com técnica construtiva centenária. Tenho certeza de que vão se apaixonar também por ele.
Fonte

A artista

Toshiko Horiuchi tece com as mãos a sua arte. As suas teias de malhas multicoloridas servem de suporte para crianças fazerem o que mais gostam: brincar! Penduradas nas estruturas, servem de balanços e criam formas lúdicas que encantam a todos.

Fonte
Fascinada pelos têxteis, a artista tinha vontade de mesclar sua arte na arquitetura, surgindo assim esse pavilhão que é formado por uma trama de peças de madeiras e abriga um universo mágico tecido a mão. 
Fonte
'Eu crio um espaço utilizando fibra têxtil e estrutura. É fascinante como as estruturas têxteis produzem formas muito diferentes a partir de diferentes tipos de material. A técnica de construção, o peso do fio e a gravidade trabalham em conjunto para criar as formas singulares." Toshiko Horiuchi

Fonte
Fonte
 E o resultado é realmente fascinante! Tem um quê de sustentabilidade afetiva porque nos remete às agulhas de Vós e Bisavós (e mais modernamente de mães mais antenadas às tendências da moda). Tem a magia de tecer e construir algo com as mãos, nessas épocas de tanta industrialização. Tem o presente e o passado juntos na utilização de técnicas construtivas locais de centenas de anos. Tem conteúdo, cultura e uma atividade que une prazer e arte. Quer mais? Veja então a descrição do projeto e construção do pavilhão abaixo.



Fonte

O PAVILHÃO

As técnicas da estrutura de madeira (não existem peças de metal as unindo) são baseadas nas milenárias técnicas usadas nos templos de madeira em Nara e Kyoto.  Com a correta manutenção, essas edificações podem ter uma vida útil de centenas de anos. 

(Veja AQUI um exemplo de templo sem pregos feito na China.)
Fonte

 


Hoje em dia pode-se contar com a ajuda de modernas técnicas de computação para projetar a estrutura. Com esses dados tornou-se mais fácil o corte das peças com precisão milimétrica. Foram erguidos com guindastes e os encaixes se ajustaram. Esse moderno meio de projeto e construção computacional, através de análises das variaveis da madeira, conseguiu provar que a antiga técnica usado pelo carpinteiros de 400 anos atrás era muito segura e sólida.





Architecture News Plus
Archdaily
Heavy industries 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como