Pular para o conteúdo principal

Viro carranca para defender a natureza e o Velho Chico

Arquitetando Ideias
Quando soube da campanha Eu viro carranca para defender o Velho Chico fiquei encantada. Primeira pela história que o rio São Francisco exerce sobre mim. Nunca esqueci das aulas de geografia e do velho rio da integração nacional. Um rio que passava por vários estados e unia povos e saberes. Outro motivo é pela intensa admiração que tenho pelas campanhas de mobilização das pessoas pelo patrimônio ambiental. Já falei disso aqui quando contei a história da rua mais bonita do mundo que fica em Porto Alegre e o motivo dela ter esse título: a união de seus moradores pela sua preservação.

Arquitetando Ideias
Recebi o material da campanha que conclama para que as pessoas se mobilizem para chamar a atenção sobre a necessidade de preservação e revitalização do rio.

Mobilize-se! Participe! Juntos vamos eleger o dia 3 de junho como o Dia Nacional em Defesa do rio São Francisco!

E foi quando me dei conta que sobre a minha mesa da sala repousa um livro desde muito que se chama....Rio São Francisco : o rio da unidade. Repleto de fotos que retratam a história e contam mitos, inclusive sobre a origem das famosas carrancas e que hoje são o tema da campanha que pretende chamar a atenção de todos para o Velho Chico e sua defesa. 

Arquitetando Ideias
O rio, exuberante na sua origem, vai sendo utilizado como potencial gerador de recursos hídricos e de geração de energia. Mas um rio tão importante é também alvo de muito descuido que deve ser evitado. Quatro grandes temas são alavancados para chamar a atenção: REVITALIZAÇÃO, VAZÃO ECOLÓGICA, POVOS DA BACIA E DISPONIBILIDADE HÍDRICA.
Arquitetando Ideias
E aí também me lembrei de um filme que vi faz muitos anos sobre um célebre coronel da região: Delmiro Gouveia que cria uma fábrica de linhas de algodão nas margens do Velho Chico, com boas casas para os funcionários, que foram alfabetizados e receberam condições de vida e higiene revolucionárias na época. E com isso prospera. Uma empresa internacional tenta comprar sua fábrica. Ele nega e mais tarde é morto de forma que nunca foi explicada. A tal empresa acaba comprando a sua, a desmonta e joga as peças no rio. E o seu sonho de progresso é morto com ele.

Me lembro que o filme terminava com um trabalhador dizendo que o dia que o povo trabalhador descobrisse seu valor, ninguém o segurava mais. Não se eram exatamente essas as palavras do filme, mas foi o que me ficou. E descobrir o seu valor é também saber lutar pelo que lhe importa. (veja AQUI o filme)

Autor : Elenara Leitão
Arquitetando Ideias
Então, quer ajudar a divulgar a campanha? Algumas ações podem ser feitas conforme sugestão do site
  • Divulgue o hotsite (www.virecarranca.com.br)
  • Altere sua foto nas redes sociais
  • Mude a  capa do Facebook
  • Poste fotos do Velho Chico no Twitter, Facebook, Instagram e Google+,  usando a hashtag  #virecarranca
  • Compartilhe as publicações da página da fanpage do CBHSF sobre a carranca.
  • Coloce o banner da campanha em blogs e sites.
Fotos: imagens do Livro Rio São Francisco : o rio da unidade
PS: Palavras do final do filme (para quem ficou curioso)  

"Agora, o povo daqui nunca esqueceu o Coronel. A fraqueza do Coronel é que ele era só, sozinho mesmo, e aí atiraram nele e mataram a fábrica. Tenho pra mim que ele foi como um exemplo pra nós tudo....penso também que o dia em que o povo fizer as fábrica pra ele mesmo aí num tem força no mundo qui pode quebra nem derruba, porque num tem força maior que o do povo trabalhador, que trabalha, como as máquinas, e pensa, que nem gente”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b