Pular para o conteúdo principal

Consumidor da construção - 6 perguntas pertinentes

Fala-se muito em sustentabilidade na arquitetura. Construções e materiais inteligentes e ecologicamente corretos fazem a cabeça de muitos clientes e profissionais. Todos visando fazer de suas escolhas uma amostra de suas preocupações com o meio ambiente. E uma coisa que sempre repiso é: questionar e tomar consciência dos hábitos de consumo são fundamentais. E sendo 15 de março o dia do consumidor, essa questão é ainda mais pertinente. O Instituto Akatu, que acompanho de muito tempo, lançou um roteiro com seis questões a serem feitas por quem consome. 


E como ficam essas perguntas no terreno da construção civil? Procurei pensar e a respeito e reunir algumas considerações que já venho defendendo faz tempo. Exatamente porque a questão do consumo me é muito cara. Não é a toa que fiz minha dissertação de mestrado justamente sobre o comportamento de compra do consumidor de imóveis residenciais. Desde então tenho me debruçado muito sobre o consumo e principalmente sobre a consciência ao consumir. Então vamos pensar juntos sobre as SEIS PERGUNTAS DO CONSUMO CONSCIENTE

1. Por que comprar?

O setor de construção e reformas, passando pelos projetos é muito amplo. Porque pessoas compram casas ou apartamentos, por exemplo? Para realizar um sonho, para resolver um problema, para satisfazer uma necessidade. Reforma ou obra nova? Muitos clientes já me questionaram e, juntos, analisamos aspectos para checar qual a melhor alternativa. Uma cozinha inteiramente nova ou aproveitamento de muitas coisas - com um toque de economia e criatividade. Cada caso merece uma análise própria e esse questionamento a fundo é uma etapa importante para que se tenha a real dimensão da necessidade da compra. E lembre projeto também se compra. E aí vamos para a segunda questão:  

2. O que comprar?

Feito o levantamento minucioso das necessidades podemos elaborar exatamente o que comprar. Uma casa nova, menor e mais moderna? Uma antiga, com peças maiores e com necessidade de rearranjos? Materiais ultra, mega rotulados de selos verdes? A última novidade do mercado? Materiais encontrados no entorno? Leve em consideração que transportar uma mercadoria hiper verde lá de longe pode gastar muita energia em transporte. Procure, se informe, sugue seu arquiteto, designer, engenheiro. Peça informações técnicas e não se deixe levar apenas por uma aparência bonita. E cheque se a NBR 15575/2003 está sendo seguida.

3. Como comprar?

Financiamento? Compra a vista? Da macro ao micro componente da construção civil, todos devem ser comparados dentro de parâmetros de custo/beneficio.  Se existe um bom conselho em termos de compra no setor é: não faça economia porca. Ou seja, as compras são mais perenes, escolha bons materiais, que ofereçam segurança, economia de energia e principalmente, assistência pós venda. Vale de imóveis prontos, usados a materiais e principalmente mão de obra. Do projetista ao pintor. Procure tudo que se adeque em seu bolso, mas dentro desse parâmetro, procure os melhores. Erros na construção civil costumam ser muito caros. Quando não são fatais.  

4. De quem comprar?

Procure sempre checar o histórico das empresas, faça pesquisas na internet para saber se tem reclamações. Entre duas escolhas aparentemente iguais, sempre que possível, procure escolher a que se propuser a respeitar o meio ambiente, os cuidados com a produção, a limpeza e o respeito a você, consumidor. Mais que palavras e promessas bonitas, cheque as realizações. Guarde todas as informações prestadas, as ofertas. E faça isso de forma que, a qualquer problema, você tenha documentos para comprovar o que foi ofertado. Peça sempre por escrito. E não esqueça: Atendimento Pós venda é fundamental. 

5. Como usar?

Ao comprar um imóvel novo se recebe um manual do usuário. Leia e releia. Ele tem informações de como usar e de como fazer a manutenção de sua casa. Assim vale para componentes e quase tudo o que você comprar para sua obra, reforma, casa. Tenha uma pasta para esses documentos. Guarde os telefones de mão de obra. E use seu imóvel e tudo o que estiver em seu interior com senso de economia e inteligência. E não apenas o interior: se morar em apartamento ou condomínios fechados, preserve as áreas comuns. Respeite a sua vizinhança. Quanto mais tempo durar o seu piso, a sua pintura, o seu jardim, etc, mais responsável com o não desperdício e, consequentemente, com a preservação do meio ambiente você estará sendo.    

6. Como descartar?


O descarte na construção civil gera um impacto ambiental bastante significativo. Desde o retrabalho por erros de projeto e/ou execução, passando pelo quebra quebra da construção tradicional que constrói e demole para colocar encanamentos, por exemplo, seja em obras novas ou em reformas, este é um problema estudado desde muito. Outro problema é quando a sua mão de obra descarta resto de material no ralo comum dos prédios. Parece brincadeira, mas já vi muito problema acontecer assim. 


Um colega, arq. Roberto Steneri, especialista em construção sustentável, já falou AQUI que podemos fazer três coisas no final da vida útil dos materiais e componentes :

1- reutilizar as partes numa nova construção por ex.usando madeiras e perfis metálicos de demolição.
2- reciclagem dos materiais usando por ex. concreto quebrado como árido para um novo concreto.
3- demolir a edificação e verter os resíduos num aterro.

O chamado entulho, aquilo que sobra da obra e que vemos nas tradicionais caçambas e tele entulhos pelas cidades tem que ser destinado para locais específicos. Cheque se a empresa que for contratada faz uma destinação legal do seu entulho.

Veja mais informações sobre reciclagem de entulho AQUI

"Os resíduos encontrados predominantemente no entulho, que são recicláveis para a produção de agregados, pertencem a dois grupos:

Grupo I
Materiais compostos de cimento, cal, areia e brita: concretos, argamassa, blocos de concreto.

Grupo II
Materiais cerâmicos: telhas, manilhas, tijolos, azulejos.

Grupo III

Materiais recicláveis para outros fins: solo, metal, madeira, papel, plástico, matéria orgânica, vidro e isopor. Desses materiais, alguns são passíveis de serem selecionados e encaminhados para outros usos. Assim, embalagens de papel e papelão, madeira e mesmo vidro e metal podem ser recolhidos para reutilização ou reciclagem.
Em algumas usinas de reciclagem de entulho, o gesso é enviado a cimenteiras para mistura."


Ou seja, a construção civil é um setor complexo, com escalas diversas e que merece, por parte dos consumidores, uma análise aprofundada e uma vigilância constante para que realmente o sonho de ter uma casa, um ambiente, um edifício não se transforme em pesadelo.   


Leia mais:
Arquitetura e o usuário
E o cliente, o que quer?
Satisfação do cliente comprador de imóvel

6 perguntas do consumo consciente

Acompanhe no Twitter com as hashtags  
#DiaDoConsumidor e #6PerguntasConsumoConsciente.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…