Pular para o conteúdo principal

Consumidor da construção - 6 perguntas pertinentes

Fala-se muito em sustentabilidade na arquitetura. Construções e materiais inteligentes e ecologicamente corretos fazem a cabeça de muitos clientes e profissionais. Todos visando fazer de suas escolhas uma amostra de suas preocupações com o meio ambiente. E uma coisa que sempre repiso é: questionar e tomar consciência dos hábitos de consumo são fundamentais. E sendo 15 de março o dia do consumidor, essa questão é ainda mais pertinente. O Instituto Akatu, que acompanho de muito tempo, lançou um roteiro com seis questões a serem feitas por quem consome. 


E como ficam essas perguntas no terreno da construção civil? Procurei pensar e a respeito e reunir algumas considerações que já venho defendendo faz tempo. Exatamente porque a questão do consumo me é muito cara. Não é a toa que fiz minha dissertação de mestrado justamente sobre o comportamento de compra do consumidor de imóveis residenciais. Desde então tenho me debruçado muito sobre o consumo e principalmente sobre a consciência ao consumir. Então vamos pensar juntos sobre as SEIS PERGUNTAS DO CONSUMO CONSCIENTE

1. Por que comprar?

O setor de construção e reformas, passando pelos projetos é muito amplo. Porque pessoas compram casas ou apartamentos, por exemplo? Para realizar um sonho, para resolver um problema, para satisfazer uma necessidade. Reforma ou obra nova? Muitos clientes já me questionaram e, juntos, analisamos aspectos para checar qual a melhor alternativa. Uma cozinha inteiramente nova ou aproveitamento de muitas coisas - com um toque de economia e criatividade. Cada caso merece uma análise própria e esse questionamento a fundo é uma etapa importante para que se tenha a real dimensão da necessidade da compra. E lembre projeto também se compra. E aí vamos para a segunda questão:  

2. O que comprar?

Feito o levantamento minucioso das necessidades podemos elaborar exatamente o que comprar. Uma casa nova, menor e mais moderna? Uma antiga, com peças maiores e com necessidade de rearranjos? Materiais ultra, mega rotulados de selos verdes? A última novidade do mercado? Materiais encontrados no entorno? Leve em consideração que transportar uma mercadoria hiper verde lá de longe pode gastar muita energia em transporte. Procure, se informe, sugue seu arquiteto, designer, engenheiro. Peça informações técnicas e não se deixe levar apenas por uma aparência bonita. E cheque se a NBR 15575/2003 está sendo seguida.

3. Como comprar?

Financiamento? Compra a vista? Da macro ao micro componente da construção civil, todos devem ser comparados dentro de parâmetros de custo/beneficio.  Se existe um bom conselho em termos de compra no setor é: não faça economia porca. Ou seja, as compras são mais perenes, escolha bons materiais, que ofereçam segurança, economia de energia e principalmente, assistência pós venda. Vale de imóveis prontos, usados a materiais e principalmente mão de obra. Do projetista ao pintor. Procure tudo que se adeque em seu bolso, mas dentro desse parâmetro, procure os melhores. Erros na construção civil costumam ser muito caros. Quando não são fatais.  

4. De quem comprar?

Procure sempre checar o histórico das empresas, faça pesquisas na internet para saber se tem reclamações. Entre duas escolhas aparentemente iguais, sempre que possível, procure escolher a que se propuser a respeitar o meio ambiente, os cuidados com a produção, a limpeza e o respeito a você, consumidor. Mais que palavras e promessas bonitas, cheque as realizações. Guarde todas as informações prestadas, as ofertas. E faça isso de forma que, a qualquer problema, você tenha documentos para comprovar o que foi ofertado. Peça sempre por escrito. E não esqueça: Atendimento Pós venda é fundamental. 

5. Como usar?

Ao comprar um imóvel novo se recebe um manual do usuário. Leia e releia. Ele tem informações de como usar e de como fazer a manutenção de sua casa. Assim vale para componentes e quase tudo o que você comprar para sua obra, reforma, casa. Tenha uma pasta para esses documentos. Guarde os telefones de mão de obra. E use seu imóvel e tudo o que estiver em seu interior com senso de economia e inteligência. E não apenas o interior: se morar em apartamento ou condomínios fechados, preserve as áreas comuns. Respeite a sua vizinhança. Quanto mais tempo durar o seu piso, a sua pintura, o seu jardim, etc, mais responsável com o não desperdício e, consequentemente, com a preservação do meio ambiente você estará sendo.    

6. Como descartar?


O descarte na construção civil gera um impacto ambiental bastante significativo. Desde o retrabalho por erros de projeto e/ou execução, passando pelo quebra quebra da construção tradicional que constrói e demole para colocar encanamentos, por exemplo, seja em obras novas ou em reformas, este é um problema estudado desde muito. Outro problema é quando a sua mão de obra descarta resto de material no ralo comum dos prédios. Parece brincadeira, mas já vi muito problema acontecer assim. 


Um colega, arq. Roberto Steneri, especialista em construção sustentável, já falou AQUI que podemos fazer três coisas no final da vida útil dos materiais e componentes :

1- reutilizar as partes numa nova construção por ex.usando madeiras e perfis metálicos de demolição.
2- reciclagem dos materiais usando por ex. concreto quebrado como árido para um novo concreto.
3- demolir a edificação e verter os resíduos num aterro.

O chamado entulho, aquilo que sobra da obra e que vemos nas tradicionais caçambas e tele entulhos pelas cidades tem que ser destinado para locais específicos. Cheque se a empresa que for contratada faz uma destinação legal do seu entulho.

Veja mais informações sobre reciclagem de entulho AQUI

"Os resíduos encontrados predominantemente no entulho, que são recicláveis para a produção de agregados, pertencem a dois grupos:

Grupo I
Materiais compostos de cimento, cal, areia e brita: concretos, argamassa, blocos de concreto.

Grupo II
Materiais cerâmicos: telhas, manilhas, tijolos, azulejos.

Grupo III

Materiais recicláveis para outros fins: solo, metal, madeira, papel, plástico, matéria orgânica, vidro e isopor. Desses materiais, alguns são passíveis de serem selecionados e encaminhados para outros usos. Assim, embalagens de papel e papelão, madeira e mesmo vidro e metal podem ser recolhidos para reutilização ou reciclagem.
Em algumas usinas de reciclagem de entulho, o gesso é enviado a cimenteiras para mistura."


Ou seja, a construção civil é um setor complexo, com escalas diversas e que merece, por parte dos consumidores, uma análise aprofundada e uma vigilância constante para que realmente o sonho de ter uma casa, um ambiente, um edifício não se transforme em pesadelo.   


Leia mais:
Arquitetura e o usuário
E o cliente, o que quer?
Satisfação do cliente comprador de imóvel

6 perguntas do consumo consciente

Acompanhe no Twitter com as hashtags  
#DiaDoConsumidor e #6PerguntasConsumoConsciente.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f