Pular para o conteúdo principal

Consumidor da construção - 6 perguntas pertinentes

Fala-se muito em sustentabilidade na arquitetura. Construções e materiais inteligentes e ecologicamente corretos fazem a cabeça de muitos clientes e profissionais. Todos visando fazer de suas escolhas uma amostra de suas preocupações com o meio ambiente. E uma coisa que sempre repiso é: questionar e tomar consciência dos hábitos de consumo são fundamentais. E sendo 15 de março o dia do consumidor, essa questão é ainda mais pertinente. O Instituto Akatu, que acompanho de muito tempo, lançou um roteiro com seis questões a serem feitas por quem consome. 


E como ficam essas perguntas no terreno da construção civil? Procurei pensar e a respeito e reunir algumas considerações que já venho defendendo faz tempo. Exatamente porque a questão do consumo me é muito cara. Não é a toa que fiz minha dissertação de mestrado justamente sobre o comportamento de compra do consumidor de imóveis residenciais. Desde então tenho me debruçado muito sobre o consumo e principalmente sobre a consciência ao consumir. Então vamos pensar juntos sobre as SEIS PERGUNTAS DO CONSUMO CONSCIENTE

1. Por que comprar?

O setor de construção e reformas, passando pelos projetos é muito amplo. Porque pessoas compram casas ou apartamentos, por exemplo? Para realizar um sonho, para resolver um problema, para satisfazer uma necessidade. Reforma ou obra nova? Muitos clientes já me questionaram e, juntos, analisamos aspectos para checar qual a melhor alternativa. Uma cozinha inteiramente nova ou aproveitamento de muitas coisas - com um toque de economia e criatividade. Cada caso merece uma análise própria e esse questionamento a fundo é uma etapa importante para que se tenha a real dimensão da necessidade da compra. E lembre projeto também se compra. E aí vamos para a segunda questão:  

2. O que comprar?

Feito o levantamento minucioso das necessidades podemos elaborar exatamente o que comprar. Uma casa nova, menor e mais moderna? Uma antiga, com peças maiores e com necessidade de rearranjos? Materiais ultra, mega rotulados de selos verdes? A última novidade do mercado? Materiais encontrados no entorno? Leve em consideração que transportar uma mercadoria hiper verde lá de longe pode gastar muita energia em transporte. Procure, se informe, sugue seu arquiteto, designer, engenheiro. Peça informações técnicas e não se deixe levar apenas por uma aparência bonita. E cheque se a NBR 15575/2003 está sendo seguida.

3. Como comprar?

Financiamento? Compra a vista? Da macro ao micro componente da construção civil, todos devem ser comparados dentro de parâmetros de custo/beneficio.  Se existe um bom conselho em termos de compra no setor é: não faça economia porca. Ou seja, as compras são mais perenes, escolha bons materiais, que ofereçam segurança, economia de energia e principalmente, assistência pós venda. Vale de imóveis prontos, usados a materiais e principalmente mão de obra. Do projetista ao pintor. Procure tudo que se adeque em seu bolso, mas dentro desse parâmetro, procure os melhores. Erros na construção civil costumam ser muito caros. Quando não são fatais.  

4. De quem comprar?

Procure sempre checar o histórico das empresas, faça pesquisas na internet para saber se tem reclamações. Entre duas escolhas aparentemente iguais, sempre que possível, procure escolher a que se propuser a respeitar o meio ambiente, os cuidados com a produção, a limpeza e o respeito a você, consumidor. Mais que palavras e promessas bonitas, cheque as realizações. Guarde todas as informações prestadas, as ofertas. E faça isso de forma que, a qualquer problema, você tenha documentos para comprovar o que foi ofertado. Peça sempre por escrito. E não esqueça: Atendimento Pós venda é fundamental. 

5. Como usar?

Ao comprar um imóvel novo se recebe um manual do usuário. Leia e releia. Ele tem informações de como usar e de como fazer a manutenção de sua casa. Assim vale para componentes e quase tudo o que você comprar para sua obra, reforma, casa. Tenha uma pasta para esses documentos. Guarde os telefones de mão de obra. E use seu imóvel e tudo o que estiver em seu interior com senso de economia e inteligência. E não apenas o interior: se morar em apartamento ou condomínios fechados, preserve as áreas comuns. Respeite a sua vizinhança. Quanto mais tempo durar o seu piso, a sua pintura, o seu jardim, etc, mais responsável com o não desperdício e, consequentemente, com a preservação do meio ambiente você estará sendo.    

6. Como descartar?


O descarte na construção civil gera um impacto ambiental bastante significativo. Desde o retrabalho por erros de projeto e/ou execução, passando pelo quebra quebra da construção tradicional que constrói e demole para colocar encanamentos, por exemplo, seja em obras novas ou em reformas, este é um problema estudado desde muito. Outro problema é quando a sua mão de obra descarta resto de material no ralo comum dos prédios. Parece brincadeira, mas já vi muito problema acontecer assim. 


Um colega, arq. Roberto Steneri, especialista em construção sustentável, já falou AQUI que podemos fazer três coisas no final da vida útil dos materiais e componentes :

1- reutilizar as partes numa nova construção por ex.usando madeiras e perfis metálicos de demolição.
2- reciclagem dos materiais usando por ex. concreto quebrado como árido para um novo concreto.
3- demolir a edificação e verter os resíduos num aterro.

O chamado entulho, aquilo que sobra da obra e que vemos nas tradicionais caçambas e tele entulhos pelas cidades tem que ser destinado para locais específicos. Cheque se a empresa que for contratada faz uma destinação legal do seu entulho.

Veja mais informações sobre reciclagem de entulho AQUI

"Os resíduos encontrados predominantemente no entulho, que são recicláveis para a produção de agregados, pertencem a dois grupos:

Grupo I
Materiais compostos de cimento, cal, areia e brita: concretos, argamassa, blocos de concreto.

Grupo II
Materiais cerâmicos: telhas, manilhas, tijolos, azulejos.

Grupo III

Materiais recicláveis para outros fins: solo, metal, madeira, papel, plástico, matéria orgânica, vidro e isopor. Desses materiais, alguns são passíveis de serem selecionados e encaminhados para outros usos. Assim, embalagens de papel e papelão, madeira e mesmo vidro e metal podem ser recolhidos para reutilização ou reciclagem.
Em algumas usinas de reciclagem de entulho, o gesso é enviado a cimenteiras para mistura."


Ou seja, a construção civil é um setor complexo, com escalas diversas e que merece, por parte dos consumidores, uma análise aprofundada e uma vigilância constante para que realmente o sonho de ter uma casa, um ambiente, um edifício não se transforme em pesadelo.   


Leia mais:
Arquitetura e o usuário
E o cliente, o que quer?
Satisfação do cliente comprador de imóvel

6 perguntas do consumo consciente

Acompanhe no Twitter com as hashtags  
#DiaDoConsumidor e #6PerguntasConsumoConsciente.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações