Pular para o conteúdo principal

Arquiteta sugere um memorial para o Bom Fim - entrevista para o Jornal Já


Entrevista publicada no Jornal Já em 22/06/2012 e que estou resgatando aqui porque o link saiu do ar.


Arquiteta sugere um memorial para o Bom Fim
22/06/2012 Publicado na(s) categoria(s): Cultura Geral


Há 20 anos com um escritório no Bom Fim, Elenara Stein Leitão, arquiteta formada pela UFRGS, faz um alerta: se a especulação imobiliária, e o subsequente adensamento, continuarem no ritmo atual, daqui a 20 anos restará muito pouco daquilo que para muitas gerações fez o charme do bairro, como as ruas de calçadas largas e tranquilas, seus prédios baixos, e uma certa boemia e gastronomia muito particular. Nesta entrevista ao JÁ, Elenara fala do seu amor ao Bom Fim e da necessidade de evitar a sua descaracterização.


JÁ: A senhora nasceu em Lajeado, morou em Novo Hamburgo e Brasília, e, atualmente, seu endereço residencial é no bairro Independência. O que o Bom Fim representa?

Elenara: Se tivesse que escolher um bairro de Porto Alegre, seria o Bom Fim, por tudo que ele representa na minha vida, desde que era estudante da Federal, das lembranças de uma certa boemia que existia ao longo da avenida Osvaldo Aranha e que ia até a rua Sarmento Leite, formando a histórica Esquina Maldita. Enfim, faz 35 anos que transito por aqui.


JÁ: o bairro mudou muito?


Elenara: O Bom Fim, como o resto da cidade, está se adensando. Assim, as perdas, em termos de arquitetura, são enormes. Ainda restam alguns conjuntos de casas, mas não se sabe até quando resistirão. A tendência é que estas antigas habitações sejam demolidas, que desapareçam para dar lugar a prédios residenciais ou conjuntos comerciais, o que é uma pena. Perde-se a memória como, caso mais recente, a derrubada do imóvel onde se localizava o cinema Baltimore para dar lugar a um mega empreendimento. O prédio poderia ter sido transformado num centro cultural, mantendo, inclusive, uma sala de cinema.

JÁ: O que poderia ser feito para a preservação do bairro?

Elenara: É uma coisa que tem de ser feita via associações de moradores, de amigos do bairro, e redes sociais na internet. Um dos paliativos, e que já ocorre há algum tempo, é a transformação das antigas casas em espaços comerciais e culturais, como livrarias, bares e restaurantes. Trata-se, assim, de estabelecer laços com a contemporaneidade, com a experimentação, preservando, criativamente, o velho através do novo, interagindo com as novas gerações, pois a vida moderna exige intervenções, adequações e reinvenções de antigos espaços.

Antigo cinema Baltimore e o novo empreendimento que surge em seu lugar
Antigo cine Baltimore e o novo empreendimento que surge em seu lugar
JÁ: Existe alguma prioridade?

Elenara: O Bom Fim nunca foi um espaço rico em arquitetura, sua riqueza é, fundamentalmente, cultural, das pessoas, como os judeus, que se estabeleceram aqui, principalmente, a partir dos anos 1920. Não há praças e, por outro lado, fora a Capela da Osvaldo Aranha, não se pode destacar prédios isolados. Ou seja, ao contrário de outros locais da cidade, como o Centro ou a Cidade Baixa, não é uma área que chame a atenção, em termos de edificações, do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Mas acho que o que resta, como o conjunto de casas que mencionei, devem receber incentivos por parte do município para que os proprietários façam a sua manutenção. Também acho importante preservar o traçado das ruas, as calçadas largas, as árvores, cuidados com os dejetos de animais, equipamentos que facilitem a acessibilidade para deficientes, deixando o lugar aprazível para os moradores, os trabalhadores e demais transeuntes.



JÁ: Uma das características do bairro são os edifícios pequenos, de até três andares.

Elenara: Sim, que foram construídos nas décadas de 1950 e 1960, e caracterizam o segundo processo de ocupação do bairro. Eram, geralmente, construídos pelas famílias judias e que depois vendiam os apartamentos. Esses prédios, alguns já foram demolidos, podem passar por um processo de modernização, transformando-se em imóveis comerciais. Também é uma maneira de preservação, evitando que surjam novos espigões que, aos poucos, começam a migrar da Avenida Osvaldo Aranha para as artérias interiores do bairro.

JÁ: Que tipo de modernidade, renovação, cabe ao bairro?


Elenara: Trata-se de uma pergunta complexa, que pode ser expandida para o resto da cidade. Em termos de arquitetura moderna, não há muitos prédios relevantes na cidade. Porto Alegre forjou uma identidade arquitetônica com o seu passado, muito divulgada em termos publicitários. É fácil reconhecer a Avenida Borges de Medeiros e o Viaduto Otávio Rocha, ou a Rua da Praia e a Casa de Cultura Mário Quintana, ou o Mercado Público. Ou seja, em termos históricos o centro de Porto Alegre tem uma arquitetura rica. Mas, renovação, o que está sendo feito de novo, é muito pouco. Há o prédio da Fundação Iberê Camargo, projeto do Álvaro Siza que, antes de ser construído, gerou muita polêmica. Mas, hoje é uma grande referência, atraindo pessoas de várias partes do mundo.

JÁ: Historicamente, há uma tradição na cidade em entregar seus grandes projetos a arquitetos estrangeiros: o português Alexandre José Montanha (primeiro palácio governamental), no século XVIII; os alemães Phillip Theodor von Normann (Teatro São Pedro), no século XIX, e Theodor Wiederspahn, século XX (prédio onde fica o atual MARGS), e por último, Álvaro Siza.
Elenara: Sim, e eles trouxeram uma boa contribuição para cidade. Mas há muitos arquitetos gaúchos e brasileiros de outros estados, como o capixaba Carlos Fayet, responsável, junto com o espanhol Fernando Corona (Santander Cultural), pelo Palácio da Justiça, de 1952, que o foi o primeiro prédio em estilo realmente modernista de Porto alegre. Faço parte, na Internet, do grupo NAU, que reúne arquitetos e urbanistas. Trata-se de um pessoal bastante ativo, muitos são professores, na cidade, muita gente do IAB – Instituto dos Arquitetos do Brasil, e que, recentemente, interveio por ocasião da construção da ciclovia na avenida Ipiranga, por exemplo. É preciso discutir mais a arquitetura.

JÁ: Como assim?

Elenara: Colocá-la acessível ao nível do público leigo. Para isso é necessário simplificar a linguagem, sem aquele jargão técnico que afasta os não iniciados, tipo o médico que ao invés de dizer dor de cabeça fala cefaleia. Abrir, por exemplo, a discussão da criação de um memorial explicando a história do Bom Fim. E nisso caberia um concurso de arquitetura para escolher o melhor projeto.

JÁ: Você é mais arquiteta de interiores. Neste aspecto, você destacaria alguma coisa neste bairro?

Elenara: Poderia fazer-se algo no sentido de sustentabilidade afetiva: móveis antigos, livros, fotos. O Bom Fim, que sempre teve população predominante judaica, está mudando, e nós estamos no meio desta transição. Então, antes que se descaracterize, este é o momento de juntar estas coisas, concretizar a memória legando às gerações futuras um mosaico de manifestações do passado e do presente, fazendo uma ponte cultural, juntando-se com as coisas que virão no futuro.

Por Francisco Ribeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi