Pular para o conteúdo principal

Diga-me como me medes e direi como me comportarei

Encontrei esse texto no facebook no perfil de alguém (desculpa, esqueci onde achei..). O título: O que muda o mundo de Natália Garcia me chamou a atenção e eu guardei para ler com calma. No primeiro paragrafo já senti que o texto ia me envolver,

 "Eu nunca me interessei por concursos de beleza. Mas confesso que tenho uma fantasia de estar entre as finalistas do Miss Universo para responder à pergunta “qual o seu maior desejo para o mundo?”. De preferência, queria responder por último, depois que todas as minhas concorrentes dissessem “a paz mundial”. Eu diria, então, pausadamente, que o que mais quero na vida é “mudar as métricas que norteiam as decisões no planeta”.

Bingo! Me lembrei da velha máxima que aprendi no mestrado em Engenharia de Produção ao ler o guru Goldratt: "Diga-me como me medes e direi como me comportarei"

Muito, muito lógico. Se recebo recompensas por ser A, vou tentar ser A para recebe-las. Se sou medido por X, vou tentar alcançar X. Funciona nas pessoas, nas organizações, nos planejamentos e nas cidades...

Adicionar legenda

Talvez muitos ganhos fossem realmente feitos se os governos se pautassem por métricas mais ajustadas ao real problema. E no texto a autora cita um especificamente sobre a interação com as pessoas e o trânsito nas cidades. Muitos dos atos de governos, em todos os níveis, são para se ajustar à métricas que possam servir de propaganda e parâmetro de que são melhores que o concorrente. E alguns desses atos são bons, outros nem tanto.
Fonte

E não apenas nos governos, me lembro que também no mestrado estava apresentando um trabalho em um congresso sobre a satisfação do cliente comprador de imóveis e fui confrontada com a métrica da velocidade de vendas como argumento de que os imóveis eram um sucesso. Mas esse é um viés de olhar do empreendedor e nem sempre significa real satisfação de quem vai morar. Falei sobre isso nesse texto sobre Arquitetura e o Usuário.

"O desafio não está só em adaptar indicadores e métricas existentes, mas inventar novos"

Daniel Hoornweg já defendia na Rio+20 a adoção de novas métricas para se pensar as cidades como organismos vivos. Lá ele disse que “é a métrica que mostra quanto material urbano entra e sai de uma cidade em determinado período de tempo. Quanto se produz de lixo, quanto se consome de água, de energia e outros dados. É como medir o colesterol de um ser humano. São informações muito importantes, em especial para o setor de construção”.

O importante é que essas novas métricas não sejam apenas pontuais, que corram o risco de estagnarem e se tornarem novas/velhas métricas que sejam apenas indicadoras de performance e não impulsionadoras de felicidade, de vida e de inovação constantes. Cidades são organismos vivos, pessoas são mutantes. Tudo o que para no tempo vira peça de museu, bonita para ser exposta algumas vezes, para aprendermos com elas, mas o que o nosso dia a dia precisa são de atos concretos e eficientes.


Leia mais em Cidades feitas para as pessoas e Escala urbana - uma cidade para pessoas


Para quem quiser saber mais sobre a Meta de Goldratt o vídeo abaixo é bem interessante


A Meta - Eliyahu Moshe Goldratt from BruCaet on Vimeo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…