Pular para o conteúdo principal

Diga-me como me medes e direi como me comportarei

Encontrei esse texto no facebook no perfil de alguém (desculpa, esqueci onde achei..). O título: O que muda o mundo de Natália Garcia me chamou a atenção e eu guardei para ler com calma. No primeiro paragrafo já senti que o texto ia me envolver,

 "Eu nunca me interessei por concursos de beleza. Mas confesso que tenho uma fantasia de estar entre as finalistas do Miss Universo para responder à pergunta “qual o seu maior desejo para o mundo?”. De preferência, queria responder por último, depois que todas as minhas concorrentes dissessem “a paz mundial”. Eu diria, então, pausadamente, que o que mais quero na vida é “mudar as métricas que norteiam as decisões no planeta”.

Bingo! Me lembrei da velha máxima que aprendi no mestrado em Engenharia de Produção ao ler o guru Goldratt: "Diga-me como me medes e direi como me comportarei"

Muito, muito lógico. Se recebo recompensas por ser A, vou tentar ser A para recebe-las. Se sou medido por X, vou tentar alcançar X. Funciona nas pessoas, nas organizações, nos planejamentos e nas cidades...

Adicionar legenda

Talvez muitos ganhos fossem realmente feitos se os governos se pautassem por métricas mais ajustadas ao real problema. E no texto a autora cita um especificamente sobre a interação com as pessoas e o trânsito nas cidades. Muitos dos atos de governos, em todos os níveis, são para se ajustar à métricas que possam servir de propaganda e parâmetro de que são melhores que o concorrente. E alguns desses atos são bons, outros nem tanto.
Fonte

E não apenas nos governos, me lembro que também no mestrado estava apresentando um trabalho em um congresso sobre a satisfação do cliente comprador de imóveis e fui confrontada com a métrica da velocidade de vendas como argumento de que os imóveis eram um sucesso. Mas esse é um viés de olhar do empreendedor e nem sempre significa real satisfação de quem vai morar. Falei sobre isso nesse texto sobre Arquitetura e o Usuário.

"O desafio não está só em adaptar indicadores e métricas existentes, mas inventar novos"

Daniel Hoornweg já defendia na Rio+20 a adoção de novas métricas para se pensar as cidades como organismos vivos. Lá ele disse que “é a métrica que mostra quanto material urbano entra e sai de uma cidade em determinado período de tempo. Quanto se produz de lixo, quanto se consome de água, de energia e outros dados. É como medir o colesterol de um ser humano. São informações muito importantes, em especial para o setor de construção”.

O importante é que essas novas métricas não sejam apenas pontuais, que corram o risco de estagnarem e se tornarem novas/velhas métricas que sejam apenas indicadoras de performance e não impulsionadoras de felicidade, de vida e de inovação constantes. Cidades são organismos vivos, pessoas são mutantes. Tudo o que para no tempo vira peça de museu, bonita para ser exposta algumas vezes, para aprendermos com elas, mas o que o nosso dia a dia precisa são de atos concretos e eficientes.


Leia mais em Cidades feitas para as pessoas e Escala urbana - uma cidade para pessoas


Para quem quiser saber mais sobre a Meta de Goldratt o vídeo abaixo é bem interessante


A Meta - Eliyahu Moshe Goldratt from BruCaet on Vimeo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f