Pular para o conteúdo principal

Projetando para a criança - Montessori

Criar espaços que estimulem as crianças de modo que possam aprender com os seus sentidos e experiências. Esse o desafio de quem vai projetar espaços usando como base o método Montessori. Já falei sobre isso AQUI. Segundo ele, nascemos preparados para nos adaptar ao nosso meio ambiente e a maneira como nosso cérebro irá aprender a fazer isso é criada durante a primeira infância. Por isso o cuidado em oferecer às crianças condições para que possam experenciar o mundo por si mesmas, embora com a supervisão de adultos, que são facilitadores nessa descoberta.
Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
Em um dos textos que li para escrever esse post me deparei com essa frase de Alvin Toffler:
"Os analfabetos do século 21 não serão aqueles que não sabem ler e escrever, mas aqueles que não conseguem aprender, desaprender e reaprender."
E é exatamente essa capacidade de adaptação e re-adaptação que deve ser estimulada em um ambiente de aprendizado. Essa a grande contribuição, segundo li, que o método Montessori pode dar: a formação de pessoas com pensamento crítico, capacidade de colaboração e comunicação.
E então, como deve ser uma ambiente que proporcione isso? Há alguns sites onde podemos ver dicas para quartos e escolas, mas poucos que se aprofundem em termos de arquitetura. Encontrei apenas um que fala a respeito de quais fatores ambientais são importantes para o projeto e construção de um espaço adequado à esse tipo de interação e aprendizado com o mundo real. Vou resumir alguma coisa aqui, quem quiser pesquisar mais a fundo pode ler o artigo (em inglês) AQUI  
Espaços - pontos a considerar
  1.  Estímulos visual, tátil e cinestésicos devem ser estimulados através da definição de altura, limites, alturas e inclinações diferenciadas de espaços.
  2. Respeito pela escala da criança em elementos como esquadrias, móveis, estímulos.
  3. Proporcionar que a própria estrutura do prédio seja uma ferramenta de aprendizado.
  4. Oferecer contato criativo e rico com pessoas, animais, vegetação, água, ar e até mesmo a sujeira. Todos esses estímulos influenciam no aprendizado com o meio ambiente e a natureza. 

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão

Alguns critérios de Projeto para escolas Montessori:
  1. A entrada deve ser convidativa, estabelecer uma ligação visual. Ganchos para pendurar roupas, mochilas, espelho de corpo inteiro.
  2. Evidenciar a claridade, seja pela luz natural, seja por materiais claros.
  3. Tratamento das paredes deve respeitar a escala dos pequenos.
  4. Mobiliário feito para o tamanho das crianças, com cantos arredondados
Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
  1. O acesso direto ao ambiente das salas de aula ao ar livre é desejável.Áreas de lazer ao ar livre devem ser consideradas como áreas de aprendizagem ao ar livre
  2. Materiais utilizados devem obedecer a critérios de sustentabilidade.
  3. Separação de espaços abertos de acordo com a faixa etária são desejáveis em áreas de jogos.
E por aí vão uma série de recomendações de acessibilidade, ergonomia, usabilidade, etc. Eu tenho para mim que mais que receitas de bolo em espaços e esquemas de faça isso ou faça aquilo, o que um espaço Montessoriano precisa é de criatividade e foco nas necessidades de cada criança. Seguir regras, mesmo as bem intencionadas, pode ser tão repressor, quanto impor projetos mais comuns.
Liberdade. Espaços que se permeiem com a natureza. Uso correto e amplo da luz, do sol, das sombras. Uso de materiais locais, vegetação local, dar as condições para que a criança ( e a criança que mora em nós adultos também) se aproprie do espaço de forma instintiva, aguçar a intuição e a experiência de se apoderar do ambiente.

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
E dos exemplos de escolas Montessorianas que vi, separei dois exemplos. Um interno no primeiro vídeo e o outro um jardim de infância japonês, o Kindergarten Fuji, em Tachikawa, Tokyo. Esse volume oval, com crianças brincando no terraço me encantaram. O círculo representa a fórmula geométrica perfeita para construção. As árvores existentes foram aproveitadas no projeto que respeita em tudo a escala infantil. O edifício é como uma imensa praça, cujo jardim é visualizado de todos os pontos. Não há exclusão da natureza, ao contrário. E o conceito é exatamente o de criar sem excluir, com alegria das risadas e da convivência que nossos tempos modernos acabaram roubando de nossas crianças.  Projeto de Takaharu + Yui Tezuka
PS: Esse post foi resultado de uma sugestão da Samantha do blog A Vida como a Vida quer a quem agradeço a oportunidade de conhecer mais sobre esse assunto tão interessante. O mote seriam casas, mas achei bem mais matéria (e mais consistentes) sobre as escolas. Mas estudando como são projetadas, já consigo imaginar uma casa montessoriana...  
Fonte 
Fonte 
Fonte 
Fonte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…