Pular para o conteúdo principal

Projetando para a criança - Montessori

Criar espaços que estimulem as crianças de modo que possam aprender com os seus sentidos e experiências. Esse o desafio de quem vai projetar espaços usando como base o método Montessori. Já falei sobre isso AQUI. Segundo ele, nascemos preparados para nos adaptar ao nosso meio ambiente e a maneira como nosso cérebro irá aprender a fazer isso é criada durante a primeira infância. Por isso o cuidado em oferecer às crianças condições para que possam experenciar o mundo por si mesmas, embora com a supervisão de adultos, que são facilitadores nessa descoberta.
Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
Em um dos textos que li para escrever esse post me deparei com essa frase de Alvin Toffler:
"Os analfabetos do século 21 não serão aqueles que não sabem ler e escrever, mas aqueles que não conseguem aprender, desaprender e reaprender."
E é exatamente essa capacidade de adaptação e re-adaptação que deve ser estimulada em um ambiente de aprendizado. Essa a grande contribuição, segundo li, que o método Montessori pode dar: a formação de pessoas com pensamento crítico, capacidade de colaboração e comunicação.
E então, como deve ser uma ambiente que proporcione isso? Há alguns sites onde podemos ver dicas para quartos e escolas, mas poucos que se aprofundem em termos de arquitetura. Encontrei apenas um que fala a respeito de quais fatores ambientais são importantes para o projeto e construção de um espaço adequado à esse tipo de interação e aprendizado com o mundo real. Vou resumir alguma coisa aqui, quem quiser pesquisar mais a fundo pode ler o artigo (em inglês) AQUI  
Espaços - pontos a considerar
  1.  Estímulos visual, tátil e cinestésicos devem ser estimulados através da definição de altura, limites, alturas e inclinações diferenciadas de espaços.
  2. Respeito pela escala da criança em elementos como esquadrias, móveis, estímulos.
  3. Proporcionar que a própria estrutura do prédio seja uma ferramenta de aprendizado.
  4. Oferecer contato criativo e rico com pessoas, animais, vegetação, água, ar e até mesmo a sujeira. Todos esses estímulos influenciam no aprendizado com o meio ambiente e a natureza. 

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão

Alguns critérios de Projeto para escolas Montessori:
  1. A entrada deve ser convidativa, estabelecer uma ligação visual. Ganchos para pendurar roupas, mochilas, espelho de corpo inteiro.
  2. Evidenciar a claridade, seja pela luz natural, seja por materiais claros.
  3. Tratamento das paredes deve respeitar a escala dos pequenos.
  4. Mobiliário feito para o tamanho das crianças, com cantos arredondados
Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
  1. O acesso direto ao ambiente das salas de aula ao ar livre é desejável.Áreas de lazer ao ar livre devem ser consideradas como áreas de aprendizagem ao ar livre
  2. Materiais utilizados devem obedecer a critérios de sustentabilidade.
  3. Separação de espaços abertos de acordo com a faixa etária são desejáveis em áreas de jogos.
E por aí vão uma série de recomendações de acessibilidade, ergonomia, usabilidade, etc. Eu tenho para mim que mais que receitas de bolo em espaços e esquemas de faça isso ou faça aquilo, o que um espaço Montessoriano precisa é de criatividade e foco nas necessidades de cada criança. Seguir regras, mesmo as bem intencionadas, pode ser tão repressor, quanto impor projetos mais comuns.
Liberdade. Espaços que se permeiem com a natureza. Uso correto e amplo da luz, do sol, das sombras. Uso de materiais locais, vegetação local, dar as condições para que a criança ( e a criança que mora em nós adultos também) se aproprie do espaço de forma instintiva, aguçar a intuição e a experiência de se apoderar do ambiente.

Kindergarten Fuji, Tachikawa, Tokyo - Japão
E dos exemplos de escolas Montessorianas que vi, separei dois exemplos. Um interno no primeiro vídeo e o outro um jardim de infância japonês, o Kindergarten Fuji, em Tachikawa, Tokyo. Esse volume oval, com crianças brincando no terraço me encantaram. O círculo representa a fórmula geométrica perfeita para construção. As árvores existentes foram aproveitadas no projeto que respeita em tudo a escala infantil. O edifício é como uma imensa praça, cujo jardim é visualizado de todos os pontos. Não há exclusão da natureza, ao contrário. E o conceito é exatamente o de criar sem excluir, com alegria das risadas e da convivência que nossos tempos modernos acabaram roubando de nossas crianças.  Projeto de Takaharu + Yui Tezuka
PS: Esse post foi resultado de uma sugestão da Samantha do blog A Vida como a Vida quer a quem agradeço a oportunidade de conhecer mais sobre esse assunto tão interessante. O mote seriam casas, mas achei bem mais matéria (e mais consistentes) sobre as escolas. Mas estudando como são projetadas, já consigo imaginar uma casa montessoriana...  
Fonte 
Fonte 
Fonte 
Fonte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi