Pular para o conteúdo principal

As cidades mudam ou não têm futuro


A CIDADE CONTEMPORÂNEA 





Neste século XXI, uma cidade contemporânea só se muda através de UMA NOVA GERAÇÃO DE PROJETOS URBANOS, concebidos sob os princípios do Desenho Urbano, comprometidos com Planejamento, Estratégia e Projetos Especiais, surgindo um URBANISMO DE TERCEIRA GERAÇÃO


  • Estratégico: por nortear o desenvolvimento; 
  • Sistêmico: por operar em diversos níveis administrativos; 
  • Holístico: por considerar a análise de todos os aspectos do desenvolvimento; 
  • Sustentável: por promover a racionalização do uso dos recursos naturais. 
Há muito tempo o processo de elaboração de Planos Diretores das nossas cidades não caminha bem (na verdade, nunca caminhou...). Os interesses aí envolvidos são enormes. Os resultados são amontoados de propostas disformes, anódinas, precárias e sem muita consistência orgânica. Nos anos de ditadura a população ficou impedida de participar, mas agora, em pleno regime democrático, com participação social exuberante, há a tendência em apenas chancelar o que associações de moradores, movimentos populares, grupos organizados, empresários etc. desejam, e isso não pode ser considerado um projeto urbanístico. Como é natural, cada grupo de moradores procurará "transformar" a região em que vive num "oásis", o que não necessariamente coincide com os interesses da cidade, não na legislação atual. Um exemplo: áreas onde já existe uma boa infraestrutura (eletricidade, rede de água e esgotos, ruas, serviços de transporte, escolas etc.) devem normalmente ser adensadas nas grandes cidades, isto é, receber mais moradores de modo a aperfeiçoar a utilização dos investimentos públicos. Mas é claro que quem já mora na região vai preferir o bairro com menos habitantes e, portanto, menos prédios, mais área verde, menos trânsito e assim por diante. É desse tipo de conflito, considerando-se também interesses de incorporadoras, imobiliárias, comerciantes etc., que as Leis de Zoneamento têm de tratar. Não é tarefa fácil em lugar nenhum do mundo

Fonte
Que caminho percorrer? Temos que produzir uma "reforma urbana" pra valer.

O que seria uma reforma urbana que nos tornasse mais urbano?

Comecemos pelo bairro. Como definir o bairro? Como pensar o bairro?


O bairro, definido no Dicionário Aurélio “como cada uma das partes em que se costuma dividir uma cidade ou vila, para mais precisa orientação das pessoas e mais fácil controle administrativo dos serviços públicos”. Entretanto, nossa legislação não o define política e administrativamente, o que faz muita diferença, tanto em seu entendimento histórico, quanto em sua definição, quanto na organização da cidade. O bairro é a unidade de base da vida urbana, a essência da realidade urbana, um setor natural da vida social. É com base no bairro que se desenvolve a vida pública, que se organiza a representação popular. O bairro sempre tem um nome que lhe confere uma personalidade dentro da cidade. O morador refere-se ao seu bairro, quando quer situar-se na cidade e, por vezes, tem a impressão de ultrapassar um limite quando vai a outro bairro. É base da vida urbana que só pode ser pensada tendo-se em vista a cidade como totalidade. O bairro não existe como uma unidade isolada e autônoma. Para muitos autores a base principal da vida urbana é o centro. É a noção de centralidade que torna possível a cidade e seus bairros (por isso, a centralidade é o coração da cidade). O bairro também pode ser entendido como uma mediação importante entre o espaço privado (da casa, da família) e o público, entre a vida familiar e as relações societárias mais amplas e para o compartilhamento de referenciais espaciais comuns, como o espaço do encontro, construído no nível da vida cotidiana.

O modo de vida urbano, engendrado nas cidades pré-industriais, fazia com que o espaço fosse apropriado pelos seus cidadãos. O valor de uso do espaço predominava sobre o valor de troca. A partir da industrialização, a cidade converte-se em produto do capital e a seu serviço. O valor de troca passa a predominar sobre o uso, implodindo e explodindo a cidade. Por isso que um Novo Urbanismo está em oposição a esse modo de vida absolutamente distinto do modo de vida tanto das cidades pré-industriais, quanto do modo de vida rural. Hoje temos uma sociedade urbana com resíduos de épocas anteriores. A cidade explode, ou seja, a sociedade urbana se generaliza, entra em todos os lugares e tende a se tornar universal. Ao mesmo tempo, ela implode, é destruída, restando dela apenas fragmentos dispersos. 

Fonte
O bairro (a aldeia, a vila, a localidade) é um fenômeno pré-moderno e por isso serve de referência a um novo urbanismo.

Projetos em pequenas, ou grandes escalas, para situações urbanas simples ou complexas, devem envolver necessariamente interseções de dispositivos de transporte, trânsito, intervenção e requalificação urbana, reconfigurações, estruturas de serviços, lazer, moradia adequada, atividades industriais, parques, meio ambiente e proteção intransigente de mananciais. É o Primevo em Versão Pós-Modernidade que explicita Um Novo Modelo Contemporâneo de Crescimento Urbano.

Hoje essencialmente trabalhamos com as ideias de "cidade genérica" (mancha urbana sem história, fatiada, superficial, amorfa, incoerente e congestionada, refratária a todo esforço de planificação) e forte atração e identificação ao "bigness" (qualidade dada pelas dimensões das grandes cidades) como uma característica das metrópoles, das megalópoles. Conheço algumas cidades pequenas cujos moradores saem às ruas com seus veículos, nos finais de semana, para simularem um “grande congestionamento” nas ruas principais “como nas cidades grandes”. Na sua maioria, as cidades, e seus administradores, produzem uma urbanização sem urbanidade, sem nenhum suporte teórico. Não é só problema dos administradores, mas também a incapacidade atual dos arquitetos em expor qualquer convicção sobre a organização da vida nas cidades. As cidades são entendidas como paisagem, uma justaposição ao acaso de partes desconexas. A Arquitetura e o Urbanismo brasileiros estão impotentes diante do que não tem limites, do “imensamente grande”. Essa é a forma mais acabada e contemporânea de entender a Arquitetura e o Urbanismo. O certo é que não se pode mais querer controlar cidades por um único gesto Arquitetural ou Urbanístico. Convulsivos, os espaços ocupados, que se espalham infinitamente, incontroláveis, não estão mais comprometidos com a criação de ordem e coerência. 

Teru Tamaki
O Urbanismo acabou e reiniciou-se nos anos 60, segundo Jane Jacobs (intelectual, escritora, analista social, ativista, economista autodidata, livre-pensadora e uma corajosa crítica, de inflexível autoridade). Jacobs era uma norte-americana que optou por se tornar canadense, uma líder das lutas pela preservação das comunidades urbanas e pela eliminação das vias expressas, primeiro em Nova Iorque e depois em Toronto. Seu primeiro livro, The Death and Life of Great American Cities, publicado em 1961, tornou-se um catecismo para as lideranças comunitárias e para o que ela chamou de cidadãos comuns. Seu livro demorou a chegar ao Brasil.

Se um Novo Urbanismo é possível, não se tratará mais da disposição de objetos mais ou menos permanentes, mas da irrigação de territórios. Este Novo Urbanismo não buscará mais configurações estáveis, mas a criação de campos que acomodem processos que resistam a ser cristalizados em formas definitivas. Não a imposição de limites, mas a supressão de fronteiras. Não a identificação de elementos, mas a descoberta de híbridos. Não mais obcecado com a cidade, mas com a manipulação da infraestrutura para infinitas intensificações e diversificações, curtos-circuitos e redistribuições, a reinvenção do espaço urbano. A globalização em curso, “a todo vapor”, além do mais, gera novas relações entre o local e o global. Com efeito, o local pode ser passivo perante o ator transnacional, perdendo a sua especificidade ou, pelo contrário, pode promover-se a especificidade do "local" ao nível global, tornando-o, por exemplo, atrativo destino turístico ou de confortável habitabilidade. Em qualquer caso, perde-se a densidade da relação local-nacional, a favor da relação local-global.

E, sem dúvida, neste século XXI, a MOBILIDADE é a força motriz da cidade contemporânea! 

Fonte

O mundo contemporâneo lançou um olhar muito mais amplo sobre a MOBILIDADE, dissociando-a de ser apenas movimento ou deslocamento, ou seja, processo que leva pessoas, bens, mercadorias e serviços de um lugar a outro.

Esse fenômeno da MOBILIDADE passou a envolver vários fatores e processos distintos que se encontram simultaneamente na estrutura do sistema produtivo e no dia-a-dia vivido pelas pessoas, englobando todo o sistema de transportes e a gestão pública desses espaços, passando pela forma e reconfiguração urbana, as interações espaciais até as dinâmicas demográficas específicas (estrutura familiar, migração, ciclo vital). Assim como a questão digital e o acesso às infovias, base de todo desenvolvimento científico e tecnológico. Congregando uma série de elementos imprescindíveis para garantir acesso a serviços e bens, a mobilidade pode ser vista como um dos mais importantes fenômenos da sociedade contemporânea

Daí decidi eleger os 3 pilares da cidade contemporânea: MOBILIDADE URBANA, MOBILIDADE SOCIAL E MOBILIDADE DIGITAL. Isso vai fazer a diferença! 

OS TRÊS CAMINHOS BASILARES:

MOBILIDADE SOCIAL (o desenvolvimento social, o desenvolvimento econômico e a segurança social), 
MOBILIDADE URBANA (desenvolvimento urbano, meio ambiente, a reconfiguração da cidade, o transporte, o transito, a reurbanização e o saneamento), 
MOBILIDADE DIGITAL (a democratização da cidade pelas infovias e fibras óticas).

As cidades ou estão interessadas em mudar ou não têm
futuro.



Comentários

  1. Gostei muito. Visão objetiva e contemporânea do urbanismo e de seu elemento essencial: a cidade. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito. Visão objetiva e contemporânea do urbanismo e de seu elemento essencial: a cidade. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Esse é o meu amigo Willian!Un Voyeur du FUTURO!!!Parabéns...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi