Pular para o conteúdo principal

Tendência de inovação na Construção Civil - Conservação de energia



Fonte

A consciência da necessidade de preocupação com os recursos energéticos não renováveis acelerou-se com a grande crise do petróleo da década de 70, quando as pessoas acordaram para a realidade de estarem calcando toda uma ideia de civilização baseada em um recurso que não iria durar eternamente.  A noção da própria Terra como uma grande espaçonave, Gaya, reflete esta consciência da necessidade de uma grande mudança na concepção da conservação dos recursos energéticos existentes e uma tentativa de descoberta de novos recursos ou reencontro com antigos recursos, que se tornam novamente emergentes pela sua possibilidade de renovação. Podemos dizer que esta nova maneira de enxergar o mundo, de uma maneira mais holística e integrada trouxe uma grande tendência do mercado em busca de produtos não poluentes, que não gastem um tipo de energia cara, nem na produção, nem ao longo de sua vida útil.

A Construção Civil não ficou fora desta tendência mundial. Na Arquitetura, que reage às mudanças da sociedade com movimentos cíclicos vemos uma volta da preocupação com clima e meio ambiente. Nos anos 50, as edificações privilegiavam a luz natural e usavam de recursos arquitetônicos para filtrar a luminosidade. Nos anos 70, no surgimento da era da informática, temos a concepção dos escritórios panorâmicos e o predomínio das construções dos grandes, e caros, arranha céus de vidro, onde a tônica era organizar os grupos de trabalho com mais eficiência.  O uso de condicionamento natural minimizava as preocupações de adequação dos projetos ao seu meio ambiente.  
fonte
Com o advento dos anos 90 e a maior consciência ecológica, ressurge a preocupação com a preservação de energia. Vemos o surgimento dos edifícios inteligentes, domótica, volta ao uso dos recursos arquitetônicos, como janelas, parapeitos e brises, para evitar gastos energéticos futuros e a procura de novas formas para atender os princípios de conservação.
Discute-se hoje nos países de primeiro mundo a concepção sobre o que seria a "edificação do amanhã". Surge o conceito de prédio inteligente. Prédios comerciais com uma grande automação, tendo um controle central que atua integradamente com os vários sistemas de controle existentes : acessos, consumo energia, acompanhamento operações elevadores e equipamentos contra incêndio entre outros. Estes prédios exigem uma grande interação das equipes projetistas, com a parceria de firmas consultoras especializadas em sistemas inteligentes, das equipes de execução e fornecedores, e um treinamento para manutenção durante a sua vida útil. Estes investimentos são compensados pela redução dos gastos de energia e manutenção, e pela imagem em termos mercadológicos do prédio, existindo hoje uma grande demanda em termos de mercado para edifícios que ofereçam algumas características de controle de sistemas. O termo "edifício inteligente" tem servido como um poderoso argumento de marketing e tem sido deturpado, já que não basta oferecer equipamentos ou alguns sistemas de controle para caracterizar a "inteligência". Esta é caracterizada pela existência de um computador controlador central que interliga os sistemas e permite a completa racionalização das informações que recebe e os recursos que o edifício oferece.
Fonte

Já o termo Domótica (residência automatizada) seria a residência unifamiliar que reuniria integradamente os controles de consumos de água, luz, segurança, comunicação, entre outros, que hoje são feitos isoladamente. A Domótica têm sido muito discutida na França,(Santin,1994), onde recebe o incentivo do governo, tendo este o objetivo de atuar no sentido de melhorar as condições de vida dos cidadãos, necessidades levantadas em pesquisa junto à população. Como o uso de sistemas interligados é ainda muito oneroso para grande parte da população, e tendo em vista o seu alto impacto social, em termos de reduções energéticas, auxílio para idosos e deficientes na sua ligação com vários locais, o governo tem atuado no sentido de fomentar a produção industrializada destes sistemas, de modo a ampliar o leque de usuários. Para a realidade dos países de 3°Mundo o desenvolvimento e a ampliação da produção de sistemas que conduzam à residências mais racionalizada e com maior controle no que se refere a conservação de energia é muito importante, na medida em que os investimentos estatais em recursos energéticos são muito caros e a sociedade necessita de várias melhorias nos serviços oferecidos. Além do mais, a melhoria na qualidade de vida da população é um fator impulsionador do progresso, na medida em que um trabalhador satisfeito é mais produtivo.

DOMÓTICA = FLEXIBILIDADE + INTEGRAÇÃO + INTERCOMUNICAÇÃO + SINERGIA ENTRE APARELHOS E USUÁRIO. (Angel & Fraigi - 1994)

Esse texto é de um seminário do mestrado de 1995, mas seus conceitos se mantém atuais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi