Pular para o conteúdo principal

Tendência de inovação na Construção Civil - Conservação de energia



Fonte

A consciência da necessidade de preocupação com os recursos energéticos não renováveis acelerou-se com a grande crise do petróleo da década de 70, quando as pessoas acordaram para a realidade de estarem calcando toda uma ideia de civilização baseada em um recurso que não iria durar eternamente.  A noção da própria Terra como uma grande espaçonave, Gaya, reflete esta consciência da necessidade de uma grande mudança na concepção da conservação dos recursos energéticos existentes e uma tentativa de descoberta de novos recursos ou reencontro com antigos recursos, que se tornam novamente emergentes pela sua possibilidade de renovação. Podemos dizer que esta nova maneira de enxergar o mundo, de uma maneira mais holística e integrada trouxe uma grande tendência do mercado em busca de produtos não poluentes, que não gastem um tipo de energia cara, nem na produção, nem ao longo de sua vida útil.

A Construção Civil não ficou fora desta tendência mundial. Na Arquitetura, que reage às mudanças da sociedade com movimentos cíclicos vemos uma volta da preocupação com clima e meio ambiente. Nos anos 50, as edificações privilegiavam a luz natural e usavam de recursos arquitetônicos para filtrar a luminosidade. Nos anos 70, no surgimento da era da informática, temos a concepção dos escritórios panorâmicos e o predomínio das construções dos grandes, e caros, arranha céus de vidro, onde a tônica era organizar os grupos de trabalho com mais eficiência.  O uso de condicionamento natural minimizava as preocupações de adequação dos projetos ao seu meio ambiente.  
fonte
Com o advento dos anos 90 e a maior consciência ecológica, ressurge a preocupação com a preservação de energia. Vemos o surgimento dos edifícios inteligentes, domótica, volta ao uso dos recursos arquitetônicos, como janelas, parapeitos e brises, para evitar gastos energéticos futuros e a procura de novas formas para atender os princípios de conservação.
Discute-se hoje nos países de primeiro mundo a concepção sobre o que seria a "edificação do amanhã". Surge o conceito de prédio inteligente. Prédios comerciais com uma grande automação, tendo um controle central que atua integradamente com os vários sistemas de controle existentes : acessos, consumo energia, acompanhamento operações elevadores e equipamentos contra incêndio entre outros. Estes prédios exigem uma grande interação das equipes projetistas, com a parceria de firmas consultoras especializadas em sistemas inteligentes, das equipes de execução e fornecedores, e um treinamento para manutenção durante a sua vida útil. Estes investimentos são compensados pela redução dos gastos de energia e manutenção, e pela imagem em termos mercadológicos do prédio, existindo hoje uma grande demanda em termos de mercado para edifícios que ofereçam algumas características de controle de sistemas. O termo "edifício inteligente" tem servido como um poderoso argumento de marketing e tem sido deturpado, já que não basta oferecer equipamentos ou alguns sistemas de controle para caracterizar a "inteligência". Esta é caracterizada pela existência de um computador controlador central que interliga os sistemas e permite a completa racionalização das informações que recebe e os recursos que o edifício oferece.
Fonte

Já o termo Domótica (residência automatizada) seria a residência unifamiliar que reuniria integradamente os controles de consumos de água, luz, segurança, comunicação, entre outros, que hoje são feitos isoladamente. A Domótica têm sido muito discutida na França,(Santin,1994), onde recebe o incentivo do governo, tendo este o objetivo de atuar no sentido de melhorar as condições de vida dos cidadãos, necessidades levantadas em pesquisa junto à população. Como o uso de sistemas interligados é ainda muito oneroso para grande parte da população, e tendo em vista o seu alto impacto social, em termos de reduções energéticas, auxílio para idosos e deficientes na sua ligação com vários locais, o governo tem atuado no sentido de fomentar a produção industrializada destes sistemas, de modo a ampliar o leque de usuários. Para a realidade dos países de 3°Mundo o desenvolvimento e a ampliação da produção de sistemas que conduzam à residências mais racionalizada e com maior controle no que se refere a conservação de energia é muito importante, na medida em que os investimentos estatais em recursos energéticos são muito caros e a sociedade necessita de várias melhorias nos serviços oferecidos. Além do mais, a melhoria na qualidade de vida da população é um fator impulsionador do progresso, na medida em que um trabalhador satisfeito é mais produtivo.

DOMÓTICA = FLEXIBILIDADE + INTEGRAÇÃO + INTERCOMUNICAÇÃO + SINERGIA ENTRE APARELHOS E USUÁRIO. (Angel & Fraigi - 1994)

Esse texto é de um seminário do mestrado de 1995, mas seus conceitos se mantém atuais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …