Pular para o conteúdo principal

O Fantasma e a Opera de Paris


Tive a oportunidade de assistir ao almoço Clio (no Studio Clio) com a palestra de Ana Maria Marshall que falava sobre o livro que inspirou o Fantasma da Opera, de Gaston Leroux . A gastronomia foi de Aline Higa. e abaixo segue o cardápio.


Cardápio
Entrada : Terrine de salmão com pãozinho (foto)
Prato principal: Almôndega ao molho Aurore com conchiglie e ervilhas
Sobremesa: Soufflé glacé aux fraises (melhor parte, dos deuses).



Vi a versão do Fantasma da Ópera de 2004 no cinema. Mas existem versões no cinema desde 1925. O Gaston Leroux, em cujo livro é baseada a história, era um jornalista e, na verdade, a história de amor é bem menor no seu livro do que foi mostrado no cinema e teatro. O Erik (nome do Fantasma) era bem mais feio que o Gerald Butler e bem menos charmoso. Ao contrário, a história tem muito de terror e a trama policial é bem marcante no livro. E um dos personagens centrais é sem dúvida o teatro. A Ópera de Paris. Como é construido sobre um pântano, o autor lançou a ideia de um rio subterrâneo e um mundo construído pelo Erik, que era até arquiteto,além de brilhante músico. Mas acho que a história nos bate mesmo pela intensa paixão desse personagem. Mas para mim uma paixão de certa forma egoista,mais pela criatura que formara para a música que pela mulher Christine...O que acham vocês ?



Mas um dos maiores personagens é mesmo o impressionante Palais Garnier, a Opera de Paris. Achei uma descrição bem interessante sobre ele feita pelo Jorge, aqui nesse site e que vou reproduzir abaixo: 

  A Ópera de Paris é um desses prédios capazes de revolucionar a história da arquitetura. Esse edifício é parte do plano de renovação de Paris empreendido durante o governo do Imperador Napoleão III pelo prefeito Barão Haussmann, e que deu à Cidade-Luz as feições pelas quais a conhecemos hoje: seus amplos bulevares arborizados, praças, parques, monumentos e prédios de poucos andares. Em 1860 foi aberto um concurso internacional para o projeto do prédio da Academia Imperial de Música, e para surpresa geral, o vencedor foi um jovem arquiteto praticamente desconhecido, embora já tivesse sido agraciado com o mais prestigioso prêmio artístico da França – o Prix de Rome. Seu nome: Charles Garnier.
A Praça da Ópera no final do século XIX.
http://img389.imageshack.us/img389/3805/operadeparis5mk2.jpg
A Grande Escadaria.
http://img389.imageshack.us/img389/7443/operadeparis6ac4.jpg
Corte Longitudinal. Desenho do Journal Illustré, de 1875.
http://img389.imageshack.us/img389/7283/operadeparis7ty7.jpg
As obras tiveram início ainda em 1861, porém sofreram uma série de percalços que a fizeram se arrastar muito além do cronograma inicial: em 1870, a Guerra Franco-Prussiana e a queda do Imperador Napoleão III, em 1871 a terrível Comuna de Paris, que resultou em dezenas de milhares de mortes e na destruição de parte da cidade. Depois de inúmeras interrupções e de o orçamento original ter sido estourado em muito, a Ópera foi finalmente inaugurada em 1875 e causou de imediato um impacto profundo no mundo da arquitetura.

De fato, o edifício é impressionante, de dimensões gigantescas; os mais nobres materiais, como mármores de diversas partes do mundo, mosaicos, lustres gigantescos de cristal. As mais modernas tecnologias da época foram adotadas, inclusive o uso de concreto nas fundações – era uma das primeiras ocasiões em que se usava em grande escala esse material desde que havia sido redescoberto pouco tempo antes (sua técnica havia sido perdida desde o tempo dos romanos).

A quantidade de salões, escadarias e galerias é tão grande que no final sobra pouco espaço para a platéia; a Ópera de Paris possui 2.200 lugares, enquanto que o Teatro Municipal de São Paulo, muito menor, possui 1673. A fim de criar uma perspectiva que favorecesse visualmente o edifício, foi criada uma nova avenida, que não estava prevista nos projetos originais de Haussmann – a Avenida da Ópera. É uma das poucas avenidas de Paris sem fileiras de árvores plantadas nas calçadas, a fim de que não prejudicar a visualização da Ópera. Em 1900, outro cuidado foi tomado durante a construção do metrô, com a instalação de balaustradas de mármore ao invés das entradas de ferro no estilo art nouveau das demais estações, que poderiam estabelecer um conflito visual com o estilo da Ópera. Infelizmente, não se teve a mesma preocupação nos anos 60 quando o teto da platéia recebeu uma horrenda pintura moderna de Marc Chagall, numa verdadeira agressão visual ao velho edifício.

A Ópera de Paris, com sua incrível profusão de esculturas e ornamentos na fachada, marca uma guinada na história da arquitetura, onde a sobriedade e austeridade do neoclassicismo até então dominantes passam a ser preteridos em favor da chamada arquitetura “eclética. Trata-se de uma arquitetura “barroca”, no sentido da exuberância e não apenas do estilo (embora o estilo barroco tenha influenciado fortemente o projeto de Garnier).

Até a metade do séc. XX, a cultura francesa era a mais admirada e imitada no mundo inteiro. Porém, havia um país em particular onde a admiração pela França chegava ao nível da veneração; e esse país era o Brasil. Tanto é que, nas duas maiores cidades os teatros principais foram inspirados, ou melhor, são quase réplicas da Ópera de Paris: são os Teatros Municipais do Rio de Janeiro e São Paulo.

Realmente nota-se pelas fotos e corte que é um edifício impressionante. Especialmente no corte se nota a envergadura da área acima do palco e o subterrâneo sob o palco. Pode-se imaginar que um artista como o Erik descrito no livro pudesse ter realmente criado um mundo encantado nesse cenário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f