Pular para o conteúdo principal

O que é então Arquitetura?

Infográfico Arquitetura não usual
Volta e meia recebo um arquivo ou um link com construções digamos estranhas. Dentro dessa categoria podemos dividir em as que são impactantes e as bizarras. 

As impactantes são as que causam um estranhamento inicial mas perduram, seja pelo ineditismo seja pela relevância de sua concepção que foge à paradigmas da época. 

As bizarras são aquelas que independem de época, vão ser estranhas sempre.  
Por essa razão quando achei aquele infográfico ali em cima sobre construções não usuais, pensei ser interessante refletir sobre isso aqui. Há prédios e monumentos que foram considerados "mostrengos" na época de suas construções. Dois exemplos clássicos são a Torre Eiffel e o Centro Georges Pompidou em Paris. 

Torre Eiffel by  David Bank
 Na primeira década do s. XX, os parisienses expressaram insatisfação com a torre, que chegou a tal ponto que o governo desse uma ordem para sua demolição. Mas a sua grande e poderosa antena a salvou da destruição por causa de ondas de rádio alemãs na Primeira Guerra Mundial, que foi de grande ajuda para os Aliados.Fonte
Centro Georges Pompidou
Prédios mais feios de Paris: Na categoria dos prédios culturais, o campeão foi o ainda polêmico Centre Georges Pompidou (Beaubourg para os íntimos), cujos canos coloridos aparentes motivaram os votos de 22,7% dos entrevistados. Os entrevistados mais revoltados dispararam contra ele xingamentos engraçados como “arte intestinal”, “garagem horrorosa” ou “exemplo acabado do esnobismo do feio”. (Fonte)
Independente dessas opiniões, tanto a Torre Eiffel como o Centro Gerges Pompidou são construções relevantes, respondem à um significado de estilo e tecnologia que marcam épocas e são considerados sim Arquitetura. Ambos impactantes.

Mas o que devemos levar em conta para julgar uma obra como relevante em Arquitetura? Gosto pessoal é muito subjetivo. Podemos não gostar de um prédio e mesmo assim reconhecer a sua importância como obra arquitetônica. Ou vice versa, muitas vezes pessoas curtem obras que são pastiches ou cópias mal feitas de objetos ou outras construções.

Na verdade a crítica do espaço não é muito comum, pelo menos no Brasil. Temos poucas pessoas falando de espaço ou de Arquitetura nos meios de comunicação. Lógico que entre os profissionais há vários, estou falando de comunicação mais ampla, com o público leigo, falando de forma mais aberta e com mais conteúdo.


De maneira geral para se tecer uma análise com um pouco mais de conteúdo é preciso ir mais além do gosto pessoal. Ou da análise apenas visual. É preciso conhecer um pouco mais a respeito do objeto de nossa crítica. Com os meios de pesquisa hoje, é relativamente fácil saber quem fez o projeto e qual foi o conceito utilizado. Uma obra arquitetônica não caí de paraquedas em um terreno. Ou não deveria....Ela é resultado de um estudo que incluiu condicionantes locais, climáticos, históricos, culturais, de técnicas construtivas e da finalidade a que serve o prédio. O projeto, a forma é o resultado de tudo isso e mais um pouco. Normalmente entre a concepção original e a execução ocorrem algumas alterações. De repente aquilo que o arquiteto pensou não é possível de ser realizado na íntegra. Orçamento, questões técnicas, reformulação de ideias, tudo isso causa modificações no resultado final. Por isso um projeto "as built" (como foi construído) as vezes é bem diferente dos croquis originais. Para grandes obras, há escritórios e profissionais diferentes para etapas de concepção, detalhamento e construção. Quanto mais afinado um projeto desde a sua concepção, mais depurada será a construção. 

Um prédio bem definido, bem construído, com um significado de imitação de um objeto ou de outro prédio, será Arquitetura? As vezes poderá ser. Outras será construção. Outras ainda esculturas. Belas em forma, terríveis como prédios. O que é então Arquitetura? Deixo a construção deste significado também para cada um. Para mim é conceito realizado, seja em projeto e/ou execução. É a resposta à questões que incluem uso, simbolo, ambiente, custo e beleza. Refletir a respeito, tecer opinião com conhecimento e pesquisa é que fará com que nosso conhecimento sobre espaços se amplie além do gosto pessoal. 

Um artigo que pode te interessar para aprofundar o tema é :Teoria, história e crítica, e a prática de projeto (1)  de Edson Mahfuz

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Curta no Facebook  Assine no Flipboard


  
Imagens Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…