Pular para o conteúdo principal

O que é então Arquitetura?

Infográfico Arquitetura não usual
Volta e meia recebo um arquivo ou um link com construções digamos estranhas. Dentro dessa categoria podemos dividir em as que são impactantes e as bizarras. 

As impactantes são as que causam um estranhamento inicial mas perduram, seja pelo ineditismo seja pela relevância de sua concepção que foge à paradigmas da época. 

As bizarras são aquelas que independem de época, vão ser estranhas sempre.  
Por essa razão quando achei aquele infográfico ali em cima sobre construções não usuais, pensei ser interessante refletir sobre isso aqui. Há prédios e monumentos que foram considerados "mostrengos" na época de suas construções. Dois exemplos clássicos são a Torre Eiffel e o Centro Georges Pompidou em Paris. 

Torre Eiffel by  David Bank
 Na primeira década do s. XX, os parisienses expressaram insatisfação com a torre, que chegou a tal ponto que o governo desse uma ordem para sua demolição. Mas a sua grande e poderosa antena a salvou da destruição por causa de ondas de rádio alemãs na Primeira Guerra Mundial, que foi de grande ajuda para os Aliados.Fonte
Centro Georges Pompidou
Prédios mais feios de Paris: Na categoria dos prédios culturais, o campeão foi o ainda polêmico Centre Georges Pompidou (Beaubourg para os íntimos), cujos canos coloridos aparentes motivaram os votos de 22,7% dos entrevistados. Os entrevistados mais revoltados dispararam contra ele xingamentos engraçados como “arte intestinal”, “garagem horrorosa” ou “exemplo acabado do esnobismo do feio”. (Fonte)
Independente dessas opiniões, tanto a Torre Eiffel como o Centro Gerges Pompidou são construções relevantes, respondem à um significado de estilo e tecnologia que marcam épocas e são considerados sim Arquitetura. Ambos impactantes.

Mas o que devemos levar em conta para julgar uma obra como relevante em Arquitetura? Gosto pessoal é muito subjetivo. Podemos não gostar de um prédio e mesmo assim reconhecer a sua importância como obra arquitetônica. Ou vice versa, muitas vezes pessoas curtem obras que são pastiches ou cópias mal feitas de objetos ou outras construções.

Na verdade a crítica do espaço não é muito comum, pelo menos no Brasil. Temos poucas pessoas falando de espaço ou de Arquitetura nos meios de comunicação. Lógico que entre os profissionais há vários, estou falando de comunicação mais ampla, com o público leigo, falando de forma mais aberta e com mais conteúdo.


De maneira geral para se tecer uma análise com um pouco mais de conteúdo é preciso ir mais além do gosto pessoal. Ou da análise apenas visual. É preciso conhecer um pouco mais a respeito do objeto de nossa crítica. Com os meios de pesquisa hoje, é relativamente fácil saber quem fez o projeto e qual foi o conceito utilizado. Uma obra arquitetônica não caí de paraquedas em um terreno. Ou não deveria....Ela é resultado de um estudo que incluiu condicionantes locais, climáticos, históricos, culturais, de técnicas construtivas e da finalidade a que serve o prédio. O projeto, a forma é o resultado de tudo isso e mais um pouco. Normalmente entre a concepção original e a execução ocorrem algumas alterações. De repente aquilo que o arquiteto pensou não é possível de ser realizado na íntegra. Orçamento, questões técnicas, reformulação de ideias, tudo isso causa modificações no resultado final. Por isso um projeto "as built" (como foi construído) as vezes é bem diferente dos croquis originais. Para grandes obras, há escritórios e profissionais diferentes para etapas de concepção, detalhamento e construção. Quanto mais afinado um projeto desde a sua concepção, mais depurada será a construção. 

Um prédio bem definido, bem construído, com um significado de imitação de um objeto ou de outro prédio, será Arquitetura? As vezes poderá ser. Outras será construção. Outras ainda esculturas. Belas em forma, terríveis como prédios. O que é então Arquitetura? Deixo a construção deste significado também para cada um. Para mim é conceito realizado, seja em projeto e/ou execução. É a resposta à questões que incluem uso, simbolo, ambiente, custo e beleza. Refletir a respeito, tecer opinião com conhecimento e pesquisa é que fará com que nosso conhecimento sobre espaços se amplie além do gosto pessoal. 

Um artigo que pode te interessar para aprofundar o tema é :Teoria, história e crítica, e a prática de projeto (1)  de Edson Mahfuz

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Curta no Facebook  Assine no Flipboard


  
Imagens Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Espaço de marketing diferenciado usando contêiner

Um exemplo de como contêineres usados podem ser reaproveitados é o que vemos nesta proposta de construção modular da agência Work of Substance para a empresa Goodman, onde foram usados quatro módulos que formam seis espaços diferentes. 

Leia também : Conteiner - pense neles como solução


Interessante como conseguiram usar os conteineres de maneira aberta com grandes aberturas que unem o espaço interno com a natureza fora deles. 


Leia também: bar muito legal usando conteiner

Belos espaços de contemplação também são criados no andar superior. Com a vantagem da construção poder ser reutilizada em outros sítios, sem deixar maiores intervenções no local onde estava. 
Nos siga também nas redes sociais

TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest
snapchat: arqsteinleitao

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…