Pular para o conteúdo principal

O que é então Arquitetura?

Infográfico Arquitetura não usual
Volta e meia recebo um arquivo ou um link com construções digamos estranhas. Dentro dessa categoria podemos dividir em as que são impactantes e as bizarras. 

As impactantes são as que causam um estranhamento inicial mas perduram, seja pelo ineditismo seja pela relevância de sua concepção que foge à paradigmas da época. 

As bizarras são aquelas que independem de época, vão ser estranhas sempre.  
Por essa razão quando achei aquele infográfico ali em cima sobre construções não usuais, pensei ser interessante refletir sobre isso aqui. Há prédios e monumentos que foram considerados "mostrengos" na época de suas construções. Dois exemplos clássicos são a Torre Eiffel e o Centro Georges Pompidou em Paris. 

Torre Eiffel by  David Bank
 Na primeira década do s. XX, os parisienses expressaram insatisfação com a torre, que chegou a tal ponto que o governo desse uma ordem para sua demolição. Mas a sua grande e poderosa antena a salvou da destruição por causa de ondas de rádio alemãs na Primeira Guerra Mundial, que foi de grande ajuda para os Aliados.Fonte
Centro Georges Pompidou
Prédios mais feios de Paris: Na categoria dos prédios culturais, o campeão foi o ainda polêmico Centre Georges Pompidou (Beaubourg para os íntimos), cujos canos coloridos aparentes motivaram os votos de 22,7% dos entrevistados. Os entrevistados mais revoltados dispararam contra ele xingamentos engraçados como “arte intestinal”, “garagem horrorosa” ou “exemplo acabado do esnobismo do feio”. (Fonte)
Independente dessas opiniões, tanto a Torre Eiffel como o Centro Gerges Pompidou são construções relevantes, respondem à um significado de estilo e tecnologia que marcam épocas e são considerados sim Arquitetura. Ambos impactantes.

Mas o que devemos levar em conta para julgar uma obra como relevante em Arquitetura? Gosto pessoal é muito subjetivo. Podemos não gostar de um prédio e mesmo assim reconhecer a sua importância como obra arquitetônica. Ou vice versa, muitas vezes pessoas curtem obras que são pastiches ou cópias mal feitas de objetos ou outras construções.

Na verdade a crítica do espaço não é muito comum, pelo menos no Brasil. Temos poucas pessoas falando de espaço ou de Arquitetura nos meios de comunicação. Lógico que entre os profissionais há vários, estou falando de comunicação mais ampla, com o público leigo, falando de forma mais aberta e com mais conteúdo.


De maneira geral para se tecer uma análise com um pouco mais de conteúdo é preciso ir mais além do gosto pessoal. Ou da análise apenas visual. É preciso conhecer um pouco mais a respeito do objeto de nossa crítica. Com os meios de pesquisa hoje, é relativamente fácil saber quem fez o projeto e qual foi o conceito utilizado. Uma obra arquitetônica não caí de paraquedas em um terreno. Ou não deveria....Ela é resultado de um estudo que incluiu condicionantes locais, climáticos, históricos, culturais, de técnicas construtivas e da finalidade a que serve o prédio. O projeto, a forma é o resultado de tudo isso e mais um pouco. Normalmente entre a concepção original e a execução ocorrem algumas alterações. De repente aquilo que o arquiteto pensou não é possível de ser realizado na íntegra. Orçamento, questões técnicas, reformulação de ideias, tudo isso causa modificações no resultado final. Por isso um projeto "as built" (como foi construído) as vezes é bem diferente dos croquis originais. Para grandes obras, há escritórios e profissionais diferentes para etapas de concepção, detalhamento e construção. Quanto mais afinado um projeto desde a sua concepção, mais depurada será a construção. 

Um prédio bem definido, bem construído, com um significado de imitação de um objeto ou de outro prédio, será Arquitetura? As vezes poderá ser. Outras será construção. Outras ainda esculturas. Belas em forma, terríveis como prédios. O que é então Arquitetura? Deixo a construção deste significado também para cada um. Para mim é conceito realizado, seja em projeto e/ou execução. É a resposta à questões que incluem uso, simbolo, ambiente, custo e beleza. Refletir a respeito, tecer opinião com conhecimento e pesquisa é que fará com que nosso conhecimento sobre espaços se amplie além do gosto pessoal. 

Um artigo que pode te interessar para aprofundar o tema é :Teoria, história e crítica, e a prática de projeto (1)  de Edson Mahfuz

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Curta no Facebook  Assine no Flipboard


  
Imagens Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n