MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Se as paredes falassem......

Paredes falam de histórias nossas. Já entrou em um local e sentiu algo bom, uma energia que dá vontade de ficar e ficar? Ou ao contrário? Já se sentiu afugentado porque o clima é pesado? Energias...

Mesmo que não sejamos místicos ou crédulos em algo diferente do palpável, energia é força física, se explica ao mais reticente dos seres humanos. 

E se essa energia nos falasse? O que diriam de nossos sonhos, de nossas lágrimas, de nossas bravatas? 
Falariam dos livros que lemos, das forças que já não temos, das brincadeiras que fazemos? Falariam dos projetos, da organização, dos amores tantos que fomos amando e amando, e desamando pela vida afora. Nem que dentro da gente apenas.

Páginas e páginas de histórias. Algumas tão bregas, tão risivelmente cafonas, tão folhetim barato. Outras talvez épicas, quase obras primas, momentos sublimes de magia e sucessos.   
Quando abro cada manhã a janela do meu quarto
É como se abrisse o mesmo livro
Numa página nova…
Em algumas príncipes e princesas. Em outras meros espectadores em um teatro vagabundo que ameaça fechar. 

Mas qual o quê. Somos roteiristas e atores. A nós cabe o enredo, cabe o ensaio. De nós parte a estreia. Se será sucesso retumbante, cabe também aos que dela participam, sejam como atores coadjuvantes, sejam como as pessoas que lerão e nos aplaudirão. Enfim! Reconhecidos como os artistas que a Vida sempre nos disse que seríamos.  
Que a palavra parede não seja símbolo
de obstáculos à liberdade
nem de desejos reprimidos
nem de proibições na infância,
etc. (essas coisas que acham os
reveladores de arcanos mentais)
Não.
Parede que me seduz é de tijolo, adobe
preposto ao abdômen de uma casa.
Eu tenho um gosto rasteiro de
ir por reentrâncias
baixar em rachaduras de paredes
por frinchas, por gretas - com lascívia de hera.
Sobre o tijolo ser um lábio cego.
Tal um verme que iluminasse.
Se de poesia, drama ou comédia falam nossas paredes, já não importa. Ao artista pela vida cabe viver o papel do momento. Sabendo que a máscara se usa por momentos e que o roteiro nos pede verdade na atuação. De tal maneira verdadeira que bem sabemos o limite da vida real e da arte.

Palavras são janelas ou são paredes.
Elas nos condenam ou nos libertam

Ruth Bebermeyer

Se as nossas paredes falassem....diriam que somos pássaros que cantam, leões que rugem, atores cansados e brilhantes de uma história que um dia termina. Mas que enquanto em cartaz, cabe a nós levá-la com galhardia e muita picardia. 

E que o espetáculo continue.

Fonte : Pinterest e Google

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 motivos para NÃO fazer arquitetura