Pular para o conteúdo principal

Museu do sal

É possível imaginar a vida sem sal? Difícil, não é verdade? Ele é tão importante e foi tão significativo na história da humanidade que a palavra salário deriva dele.

"A palavra salário, aliás, surgiu a partir da porção de sal que era dada como pagamento aos soldados na Roma antiga. Ao descobrir que o sal, além de ajudar na cicatrização, servia para conservar e dar sabor à comida, os romanos passaram a considerá-lo um alimento divino, uma dádiva de Salus, a deusa da saúde" (SuperInteressante)

Tão gostoso é e tão importante na conservação dos alimentos que é obvio que na nossa sociedade industrializada a quantidade de sal que ingerimos acaba passando do recomendável. Resultado: várias patologias. Tantas que o governo já fez um acordo com as empresas para diminuir a quantidade de sal nos alimentos. O que fazer? Levar uma vida sem sal? Não, né. O ideal seria que a gente se conscientizasse que todo exagero é nocivo e que "a diferença entre o remédio e o veneno está na dose" como já dizia Paracelso.

Para aprender mais sobre como usar sabiamente o sal na alimentação (e até já me assopraram como aprender a cozinhar gostoso com menos sal) vou participar de um evento do Viva Positivamente no dia 26 de agosto em São Paulo, onde a nutricionista Maria Cecilia Corsi, com especialidade em nutrição clínica e foco em técnica dietética e gastronomia vai nos falar sobre reeducação nutricional e o conceito Liv Light, onde combina pontos essenciais da nutrição para uma alimentação saudável. Já estou super curiosa e depois falo para vocês tudo o que ouvir por lá.

Por enquanto vou mostrar uma obra super interessante, um Museu do Sal na França.
Obra do escritório de arquitetura Malcotti-Roussey em colaboração com Thierry Gheza, o Museu do Sol se localiza na cidade de Sailins-les-Bains, na França. Essa localidade foi um importante centro produtor de sal e foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O conceito do Museu uniu a restauração de um local de produção com a sua reinserção no traçado urbano da cidade.  
Programas mais modernos de uso mesclaram as construções antigas com as mais modernas, inclusive com um auditório para 200 pessoas.

Segundo os arquitetos, o desafio era fazer a união do museu com um cassino. Ressaltar as características de um e manter a história em outro. Elementos como um grande volume em aço corten marcam volumetricamente e remetem ao uso industrial.  


Tempero da vida, o sal está longe de ser o vilão como alguns lhe pintam. Saber dosa-lo é uma sabedoria, como todas as riquezas da vida. E é isso que aprendemos também nos Museus. A história nos ensina a compreender melhor o presente e a nossa ação nele.


"el gusto funde en cada

sazonado manjar tu oceanía

y así la mínima,

la minúscula

ola del salero

nos enseña

no sólo su doméstica blancura, sino el sabor central del infinito".
Ode ao sal - Neruda

Site do Museu

www.salinesdesalins.com



Fonte


Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi