Pular para o conteúdo principal

Museu do sal

É possível imaginar a vida sem sal? Difícil, não é verdade? Ele é tão importante e foi tão significativo na história da humanidade que a palavra salário deriva dele.

"A palavra salário, aliás, surgiu a partir da porção de sal que era dada como pagamento aos soldados na Roma antiga. Ao descobrir que o sal, além de ajudar na cicatrização, servia para conservar e dar sabor à comida, os romanos passaram a considerá-lo um alimento divino, uma dádiva de Salus, a deusa da saúde" (SuperInteressante)

Tão gostoso é e tão importante na conservação dos alimentos que é obvio que na nossa sociedade industrializada a quantidade de sal que ingerimos acaba passando do recomendável. Resultado: várias patologias. Tantas que o governo já fez um acordo com as empresas para diminuir a quantidade de sal nos alimentos. O que fazer? Levar uma vida sem sal? Não, né. O ideal seria que a gente se conscientizasse que todo exagero é nocivo e que "a diferença entre o remédio e o veneno está na dose" como já dizia Paracelso.

Para aprender mais sobre como usar sabiamente o sal na alimentação (e até já me assopraram como aprender a cozinhar gostoso com menos sal) vou participar de um evento do Viva Positivamente no dia 26 de agosto em São Paulo, onde a nutricionista Maria Cecilia Corsi, com especialidade em nutrição clínica e foco em técnica dietética e gastronomia vai nos falar sobre reeducação nutricional e o conceito Liv Light, onde combina pontos essenciais da nutrição para uma alimentação saudável. Já estou super curiosa e depois falo para vocês tudo o que ouvir por lá.

Por enquanto vou mostrar uma obra super interessante, um Museu do Sal na França.
Obra do escritório de arquitetura Malcotti-Roussey em colaboração com Thierry Gheza, o Museu do Sol se localiza na cidade de Sailins-les-Bains, na França. Essa localidade foi um importante centro produtor de sal e foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O conceito do Museu uniu a restauração de um local de produção com a sua reinserção no traçado urbano da cidade.  
Programas mais modernos de uso mesclaram as construções antigas com as mais modernas, inclusive com um auditório para 200 pessoas.

Segundo os arquitetos, o desafio era fazer a união do museu com um cassino. Ressaltar as características de um e manter a história em outro. Elementos como um grande volume em aço corten marcam volumetricamente e remetem ao uso industrial.  


Tempero da vida, o sal está longe de ser o vilão como alguns lhe pintam. Saber dosa-lo é uma sabedoria, como todas as riquezas da vida. E é isso que aprendemos também nos Museus. A história nos ensina a compreender melhor o presente e a nossa ação nele.


"el gusto funde en cada

sazonado manjar tu oceanía

y así la mínima,

la minúscula

ola del salero

nos enseña

no sólo su doméstica blancura, sino el sabor central del infinito".
Ode ao sal - Neruda

Site do Museu

www.salinesdesalins.com



Fonte


Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...”
Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll
Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer.
Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver.
De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes.

Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam objetos…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest