Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2013/05/05

Projetando o quarto PARA o bebê - Método Montessori

Restos de papel podem criar divertidas figuras ao nível da criança

Foi conversando com a Samantha do blog A Vida como a Vida quer que me vi apresentada ao jeito Montessori de planejar o quarto para o bebê. Já tinha ouvido falar no método criado por Maria Montessori  para educação, mas desconhecia que havia recomendações para o lar. A Sam, que esperava sua Manu na época, tinha toda uma preocupação com o seu futuro quarto. E me passou um link de uma amiga que usou o método para ambientar o dormitório de seu filho. Vejam AQUI a sua experiência.

Apresentar o mundo para a criança e deixar que a criança aprenda por ela. Auto educação, educação cósmica, educação como ciência. Esses alguns dos pilares da teoria e prática de Montessori.

Foi quando me dei conta que estava projetando os quartos para as mamães e adultos e não PARA o bebê. Móveis, atrações, quadros, adornos, estavam ao nível dos adultos. Ao bebê restava o papel de espectador. E espectador dependente. E para colocar a criança no foco do projeto, alguns passos são sugeridos. E alguns achei bastante interessantes. A seguir listo o que andei pesquisando e achei no site da Fundação Montessori


O Quarto

"Devemos dar à criança um ambiente que ele pode utilizar por si mesmo: um pouco de seu próprio lavatório, uma mesa com gavetas que podem ser abertas, objetos de uso comum que ele pode operar, uma pequena cama em que ele possa dormir à noite, sob um cobertor atraente que ele possa dobrar e se usar por ele mesmo. Devemos dar-lhe um ambiente no qual ele possa viver e jogar, então vamos vê-lo trabalhar o dia todo com as mãos e esperar com impaciência a despir-se e colocar-se para baixo em sua própria cama. " Maria Montessori

  •  Quartos das crianças devem refletir claramente suas personalidades e interesses.
  • A cama deve ser baixa o suficiente para que o bebê possa entrar e sair dela sozinho. O ponto mais polêmico para muitas mães e pais, creio eu. Mas se dispam dos preconceitos e imaginem um ambiente sem perigos, um colchão baixo sobre um tablado que permita ventilação*, protegido por cobertores. Há vários exemplos nas fotos e vídeo abaixo. 
  • Colocar ganchos ou prateleiras baixas que a própria criança possa alcançar e organizar o seu quarto. 
  • Adornos, quadros, relógio. Tudo ao nível dos olhos da criança. Inclusive - e principalmente - as suas próprias produções artísticas.
  • Usar extensores em portas e interruptores para que a criança possa abrir portas, acender e apagar luzes por si mesma. (atente para a segurança, protegendo tomadas, evitando fios soltos e tudo o que possa oferecer riscos para ela)
  • Ofereça condições para que ela organize seus brinquedos ao invés de amontoá-los em caixas de brinquedo. 
  • Dê nome às gavetas que devem ser baixas para que ele possa explorá-las
  • Proporcione condições para que a natureza esteja presente, em forma natural ou representada de modo a despertar a curiosidade sobre ela. Dê um local onde as crianças possam expor as coisas que acham por aí.
  • Planeje um local onde a música possa estar presente.
  • Um espelho onde a criança possa se ver desde muito pequena é fundamental.


Ou seja, a criança deve ter espaço para desenvolver a sua criatividade, a sua curiosidade, o seu impulso de descobrir a vida. Os adultos devem ser os facilitadores. Os que vão proporcionar os meios, mas não induzi-los. Vão cuidar para que os perigos não os peguem de surpresa, sem super protegê-los. Achei profundamente fascinante.

Fonte fotos - Pinterest
* Obrigada Oscar Muller


Comentários
10 Comentários

10 Opiniões:

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More