Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2017/08/17

Penda - conectando natureza, cultura e pessoas em uma melhor qualidade de vida

Gosto de pesquisar imagens como inspiração criativa. Em uma dessas jornadas de procura pelo Instagram achei um projeto bastante instigante que compartilhei e fui atrás dos projetistas. E cheguei a um estúdio que une dois modos de criar, uma ponte entre ocidente e oriente, nas propostas de Chris Precht e Dayong Sun, que fundaram o Penda com sedes em Pequim e Viena. E são deles algumas imagens de projetos que veremos a seguir (e que também podem ser vistas na sua página em rede social)

Instalação em bambu - Rising Canes - BEIJING DESIGN WEEK (2015)




"...estamos interessados ​​nas questões de como a vida evoluiu ao longo da história, o que influenciou seu processo até o presente e o que a arquitetura pode aumentar para aumentar a qualidade de vida para o futuro.


O projeto Toronto Tree Power propõem um edifício de 18 andares com estrutura em madeira laminada cruzada e com uma generosa área de verdes fazendo o que o estúdio considera um contraponto à selva urbana em vidro, cimento e aço de nossas cidades. Veja mais detalhes AQUI.

 "Impelidos pelo nosso amor pela natureza e seus materiais, nós tentamos conectar as pessoas ao nosso ambiente natural através de nossos projetos e buscar oportunidades para criar espaços com a capacidade de nutrir a vida." 


A Yin + Yang House usa e abusa do telhado verde e cheio de flores para criar um ambiente que não apenas "pretende retornar a mesma quantidade de terra retirada da natureza" como dar aos usuários acesso a um jardim verdejante a maior parte do ano. Veja mais detalhes AQUI

Vale a pena uma garimpada pela produção dos dois arquitetos. Recomendo. 

Fotos do site e página do estúdio Penda


Nos siga também nas redes sociais

2017/08/15

Bedales School Art and Design - conforto e sustentabilidade

Uma escola de Arte e Design erigida em um local de muita beleza natural na Inglaterra e que usa recursos de Arquitetura para manter um espaço com muito conforto e sustentabilidade. É a Bedales, projeto do Estúdio FCBS.


A aparência lembra (de forma intencional) antigas construções agrícolas e as treliças na fachada, além do aspecto simbólico de acolhimento, tem uma função de proteção da insolação, ajudado pelo imenso carvalho que foi não apenas mantido, mas aproveitado para tal. Lembrei de minhas aulas iniciais de projeto, onde se tirava partido da vegetação existente para o conforto térmico dos edifícios. Velhos e bons ensinamentos de professores que levei para a vida. 

A luz natural foi aproveitada no interior em esquadrias zenitais, reduzindo a necessidade de iluminação artificial. Os ambientes internos dos estúdios de arte são cuidadosamente pensados para as atividades da escola, permitindo variadas formas de ensino e interação.


Gostei das formas simples, do uso da madeira de origem sustentável e de materiais naturais renováveis. Gostei do uso de soluções arquitetônicas em vez da cômoda solução de condicionamento e iluminação artificial. Gostei dos ambientes limpos e ao mesmo tempo aconchegantes.


Fonte
Fotos: Hufton + Crow , Matthew Rice

Nos siga também nas redes sociais

2017/08/10

Hostel em bambu na China

Na China, com uma população estimada em 1 386 940 548, podemos imaginar que todos os números são descomunais. Imaginem o que é o consumo de cimento com todo o seu impacto ambiental...Dentro dessa ótica, podemos imaginar que o convite para que arquitetos projetassem e construíssem estruturas habitáveis em bambu, um material abundante na região, possa ser recebida com aplausos. A arquiteta Anna Heringer foi um dos 12 profissionais convidados da Bienal Inaugural Bamboo, localizada na região de Longquan, na China. 

Seu projeto de formas poéticas abriga um hostel que tira partido do bambu, sem esconde-lo. Ao contrário. A forma privilegia a fragilidade aparente do material, expondo suas entranhas de forma muito bela. Baseadas na cultura do local, lembram vasos usados em várias utilidades e quando iluminados, lembram lindas luminárias chinesas. 

Um belo resultado que une tecnologia local, economia de material e uma experiência aconchegante aos usuários.  




A arquitetura é uma ferramenta para melhorar vidas. A visão por trás e a motivação para o meu trabalho é explorar e usar a arquitetura como um meio para fortalecer a confiança cultural e individual, para apoiar as economias locais e o equilíbrio ecológico. A vida alegre é um processo criativo e ativo e estou profundamente interessada no desenvolvimento sustentável da nossa sociedade e do nosso ambiente construído. Para mim, a sustentabilidade é sinônimo de beleza: um edifício harmonioso em seu design, estrutura, técnica e uso de materiais, bem como com a localização, o meio ambiente, o usuário, o contexto sociocultural. Isso, para mim, é o que define seu valor sustentável e estético. Anna Heringer

Projeto: Anna Heringer
Fotos: Jenni Ji e Julien Lanoo



Nos siga também nas redes sociais

snapchat: arqsteinleitao  

2017/08/03

Organizar e descartar...mas e o Wunderkammer

Estou em plena semana sabática. E não é nem por escolha pessoal ou férias, mas por circunstâncias da vida. E são nessas horas em que a rotina de muito trabalho fica mais relaxada que a gente olha em volta e se vê com várias alternativas de como gastar o tempo.
Período sabático: O termo vem do vocabulário hebraico e significa repouso. Corresponde ao dia de recolhimento semanal dos judeus. Para se ter uma ideia, referia-se, no Antigo Testamento, ao período em que a terra ficava sem cultivo, depois de um ciclo de fertilidade. Fonte
Gastar o tempo. Eta definição mais sem sentido. Tempo não se gasta, tempo se aproveita. E bem, de preferência. Então, entre as alternativas de como aproveitar meus dias da tal semana sabática estão:

LER - trocentos livros me esperam. Os que comprei recentemente, ou quase, estão quase todos começados, aguardando minha atenção para que a leitura flua até o fim. Mais outros trocentos me esperam dentro do IPad. São romances em geral, aqueles livros para ler nas horas de folga, quem sabe à noite, antes de dormir. Mais outra leva me aguarda para ser relida na estante. Ontem mesmo descobri que tenho uma biografia de Paul Gauguin, pintor sobre o qual estive em um almoço Clio recentemente. E que me apaixonei, imaginem por quem? Pela sua vó! Definida por ele como "Uma mulher das arábias". Procurem pela história de Flora Tristan e vejam se não era em tudo uma mulher fascinante! 

ESCREVER - Para quem não sabe, além do ARQUITETANDO IDEIAS, mantenho ainda o Elenara Elegante com dedos de prosa e poesia, os blogs da Família Stein (ainda privado) e da Família Leitão. E estou tentada a tentar publicar um ebook com algumas poesias que escrevi uma oficina de versos que fiz em 2015 (e foi uma das coisas mais bacanas que participei nos últimos tempos. E que me rendeu, além do aprendizado, o conhecimento de algumas das mulheres mais fantásticas que já cruzei). Escrever sempre me foi um ato simples e prazeroso. Hoje está um pouco mais complicado. Minha cabeça e inspiração já não respondem como antes e preciso de um pouco mais de disciplina para produzir. O que me leva à outra alternativa....

MEDITAR - Dizem que um dos exercícios mais completos e necessários à mente humana. Mas meditar, nesse momento em particular, em que nada flui, é também um exercício de muita disciplina. Justo o que me falta. Tenho no notebook um arquivo (gentilmente cedido por uma grande amigo - obrigada Wagner) com músicas para meditação. E além dos vários livros sobre o assunto na estante, o livro Orange com as técnicas de meditação de Bhagwan Shree Rajneesh (aquele cara que se tornou o OSHO que eu critico um monte de coisas e adoro outras) está na minha frente. Esperando talvez que eu o assimile por osmose...

E para terminar as alternativas principais, "the last but not least" LIMPEZA, DESCARTE E ORGANIZAÇÃO : Vocês não tem noção do grau de necessidade de descarte que preciso ter em minha vida. Sou por essência uma acumuladora, já falei sobre isso AQUI, onde mostro inclusive os malefícios do ato de acumular. Eu sempre oscilei entre o normal e o quase lá, guardando mas com organização. O tão sabido: "me acho na minha bagunça"...quem nunca, né? Mas agora estou exagerando. E fico num looping entre as alternativas acima listadas. Acumulo livros que não leio porque não sei qual começar e terminar. Como não leio, a escrita padece. A mente perde o foco em qual priorizar e o tempo passa. Li um artigo no blog da amiga Sam Shiraishi sobre isso: Menos é mais – Um guia minimalista para organizar e simplificar sua vida. E juro que estou tentando assimilar para ver se consigo também me desvencilhar de muitas coisas, me harmonizar e até me sentir mais magra como ela descreve, entre sorrisos na sua postagem.

(Tenho um livro legal também para me auxiliar (se achar onde guardei). Chama-se Casa Terapêutica e falei sobre ele AQUI. )

FANTÁSTICO!!! Metas prontas, resta seguir e deu.

#SQN 

Não é que em mais um almoço Clio, sobre Rembrandt, eu descubro uma palavra mágica: WUNDERKAMMER


O que significa este palavrão todo??? Um quarto ou armário de curiosidades. 

Para uma acumuladora em potencial ouvir este termo, e saber que haviam espaços dedicados à eles nas casas, abre uma caixa de Pandora na mente. Obviamente nunca serei uma pessoa minimalista. Posso me organizar na minha desordem (e devo) mas minha mente sempre suspirará por ambientes como estes abaixo, todos ricos em sensações e propiciando imensas descobertas e acumulando curiosidades. Aliás, na própria definição de Wunderkammer vemos que vários blogueiros assim intitulam seus espaços virtuais, locais onde reúnem descobertas e maravilhas que lhes despertam a atenção.

Fonte

Fonte

Fonte

Fonte
Nos siga também nas redes sociais

snapchat: arqsteinleitao  

2017/08/02

Mobiliário urbano que monitora o ar

Uma maneira criativa de usar espaços urbanos e ainda com uma função super importante de monitorar a qualidade do ar. É a proposta do Parked Bench, um parklet londrino que mais parece um micro parque. Projeto de WMB Studio


Uma escultura em meio à cidade, com suas formas modulares em um tom colorido e mesclando vegetação, formam um local de encontro para a população que passa por ali. Seu projeto usa materiais econômicos que podem ser reaproveitados em outras configurações. E que ainda conta com um monitor que colhe dados sobre a qualidade do ar para um aplicativo.

Saiba mais AQUI
Fotos: Ed Butler







Nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao  

2017/07/31

Casa na arvore premiada em Museu de Israel

Um museu. Por excelência um local de tradição e resgate. Uma de suas principais funções : o resgate da história e o chamado para que as pessoas dele se apropriem. Nada melhor do que oferecer uma atrativa atração logo na entrada. É o que vemos neste projeto que recebeu o Prêmio Rechter para Jovens Arquitetos 2016 e o Israel Design Award 2016. Uma bela e super bem detalhada Casa na Árvore localizada no pátio de entrada da Ala da Juventude para a Educação Artística no Museu de Israel em Jerusalém. 
Aproveitando um pinheiro existente como eixo central, foi construída ao seu redor uma estrutura com forma que às casas da infância. As formas de acesso são rampas e escadas. Sua estrutura une um esqueleto em aço revestido por placas finas de madeira, cobertas por uma superfície emborrachada. O resultado final é uma deliciosa e criativa reunião de formas e escaladas que remetem à topografia da natureza.  















Fotos de Amit Geron



Nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao  

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More