Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2017/04/25

Livraria de sonho cria laços entre os livros e os seres humanos

Iniciei o ano precisando cuidar de mim. E isso significava sincronizar mente e corpo em um esforço de saúde. Uma na verdade não existe sem a outra. E entre caminhadas e Pilates, entre alimentação saudável e uma taça de vinho (duvidam, olhem as pesquisas para confirmar), senti muito premente a necessidade de trabalhar o foco, acalmar a cabeça. Meditar.

Olha que não é brincadeira a gente sobreviver nesse mundo cheio de informações, cheio de obrigações. Cheio de deverias onde a ação e resolução dependem cada dia mais de nós para a sobrevivência. E enquanto não mergulho em um OMMMM de prática meditativa, mergulho naquilo que me faz viajar e acalma a mente. Para mim quase uma meditação: ler.

O que dizer quando entre uma pedalada e outra (sou dessas que lê na bike de exercício) um livro me lembra que nenhuma ilha é desabitada porque hospeda sátiros, górgonas e sereias...e que essas últimas, algumas delas pelo menos, tem a tarefa de "chamar o tempo", criando nos seus locais "aquele frêmito que dispõe a mente a receber impressões quiméricas: o silêncio que cria". (Domenico De Masi - Alfabeto da sociedade desorientada).

Esse frêmito, esse silêncio que cria, esse chamamento do tempo, esse canto de sereia sinto ao ver um espaço como essa livraria chinesa, a Zhongshuge.

 
Primeiro a imagem. A arquitetura é feita de sentidos. E a visão talvez seja nosso contato imediato. As imagens de uma espiral, um espaço que se contorce em torno dos livros, que aguça a mente da leitora de menina, de mulher, de curiosa...
Imagino que o paraíso é uma espécie de livraria. Jorge Luis Borges

Depois vou sorvendo as palavras que descrevem o projeto como se ele fosse também um livro. O que se fala de um espaço é tão importante quanto o que se vê. O que norteou a concepção, o que levou àquele canto de sereia que desperta a vontade de saber mais.

E o que leio é pura poesia. Um espaço que se cria em torno dos arcos e formas sinuosas, qual um rio que corre pelas margens e com elas brincam de namoros e descobertas. O local e a cultura aqui reinterpretados criando "laços entre os livros e os seres humanos" 
Em tudo é como se estivéssemos em outra terra, em um paraíso que nos conduz ao conhecimento. E tudo isso usando elementos formais que compõem uma unidade lógica. E poética. 
 As crianças também são contempladas com um espaço lúdico e colorido, com pontos que lembram a noite e a magia que nos acomete quando, pequenos, nos contam histórias e somos levados a novos e encantadores mundos.


Projeto : X + Living
Fotos: Shao Feng


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao

2017/04/24

Casa energeticamente eficiente

Nasci em uma época em que a falta de energia era uma impossibilidade reinante. Mesmo assim cresci com pais que economizavam. Vindos de períodos de vacas magras, um mundo que tinha passado por guerras e eles mesmos oriundos de famílias não ricas, o ato de poupar e economizar era constante prática em minha vida.

Entrei para a faculdade de Arquitetura em 1974 e ainda aprendi muitas aulas sobre como usar a arquitetura para o conforto. Mas eram os anos de abundância. E embora a crise do petróleo de 73 tenha alertado sobre possíveis pedras no caminho da fartura, os projetos podiam se dar ao luxo de serem ambientalmente incorretos já que a tecnologia estava aí mesmo para resolver tudo.

Hoje, décadas passadas e milênio virado, nossa realidade é bem diversa. A procura por soluções que sejam ao mesmo tempo confortáveis e econômicas são altamente procuradas. É nesse objetivo que surge a proposta do professor Wen Tong Chong, da Universidade da Malásia, de uma casa energicamente eficiente dirigida às regiões tropicais.

Qual a sua ideia? Um telhado "inteligente" em forma de V, que coleta o vento e gera eletricidade, através de turbinas, ao mesmo tempo que auxilia na ventilação e iluminação natural da casa com suas aberturas e claraboias.

E ainda utiliza água da chuva  que ajuda na limpeza das células solares e geradores eólicos. 


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao


2017/04/23

15 dicas de livros de Arquitetura, Design de Interiores e Expressão Gráfica

De tanto ler-te minha alma anda perdida....poderia facilmente descrever parte de minha/nossas vidas. Grande parte de meus dias foram ganhos imersos em palavras em livros das mais diversas formas e conteúdos. Desde sempre cativa de suas armadilhas do bem.

Mas confesso. Os andei esquecida. Traindo por redes mais modernas (?) com suas iscas de instantaneidade....
Mas por mais promessas de informação que tragam, nada ainda me substitui o prazer de mergulhar em páginas impressas e aprender. E além de todos os benefícios presentes e passados, o fato de durante a leitura ser necessário um foco diferente de todos os outros estímulos me faz um bem danado, ainda mais nessa época de muitas ofertas e pouca densidade na maioria delas. 
E além do mero prazer, a leitura nos acrescenta em conhecimento, bem precioso na profissão e no afazer que escolhemos (ou fomos "escolhidos"). Seguem então alguns dos livros que li e achei relevantes na Arquitetura e que já passaram por esse blog:

Para entender a Arquitetura - e se deleitar - Imperdível! Estou apaixonada por ele! 

10 livros da minha estante no escritório -  Um apanhado de livros que marcaram meu aprendizado

Livro de Arquitetura para crianças - de todas as idades - A Arquitetura é uma área tão fascinante que devia ser ensinada desde a mais tenra idade. Esse livro auxilia nessa tarefa.

Ao pé do muro e do pré conceito - Uma apreciação crítica sobre um livro que usei muito na graduação

12 livros sobre Arquitetura, Design e Urbanismo da minha estante - Outra lista de livros interessantes sobre a profissão 

Pela casa se conhece o dono - "Pela casa se conhece o dono é uma introdução, para crianças e jovens (e, porque não, adultos) à arquitetura do século XX, a partir de casas emblemáticas construídas por grandes arquitetos do período (Frank Lloyd Wright, Ray Eames, Koolhaas, Oscar Niemeyer, entre outros). As ilustrações são do próprio Cornille."

Esboços para arquitetos - Archidoodle - o livro - O croqui, o esboço, o desenhar a mão. Pura expressão!

Planejar e aprimorar - duas sugestões de leitura - O planejamento e a expressão gráfica andam juntas na profissão. Esses livros auxiliam os dois.

Regras para uma Arquitetura de baixo consumo: Super recomendo. Um manual com noções e regras que auxiliam nas decisões de projeto

Materiais no Design de Interiores - "A Arquitetura é feita de detalhes. A Arquitetura e/ou Design de Interiores é feita de MUITOS detalhes. Muitas e muitas vezes os materiais escolhidos são a essência dos projetos. Por isso o conhecimento e a abertura de novas visões para utilização de elementos aparentemente não comuns pode fazer toda a diferença."

Sustentabilidade no Design de Interiores - "O livro apresenta um estudo e amostra bem aprofundada, começando por contextualizar o problema e o papel do designer de interiores, sem esquecer de mostrar o que podemos resgatar da experiência histórica."

Um livro para perder o medo de desenhar - Sim, desenho se aprende! E pode ser divertido! 

Arquitetando aquarelas - urban sketchers - "Mais que um livro didático sobre técnicas, a leitura do Aquarela para Urban Sketchers é um passeio divertido e instigante pela possibilidade de conhecer e aprender como se fosse uma diversão"

Somos todos Decoradores: O Dia a dia de uma arquiteta - Histórias e crônicas divertidas sobre o cotidiano da profissão

Casa Terapêutica - um livro que ajuda seu lar - "Ele é um livro bem interessante, é uma espécie de auto ajuda para organizar dentro de cada um o que precisa ser mudado nos ambientes de suas casas. Começa por reunir dados pessoais, é como se a pessoa fizesse um check list pessoal colocando seus rótulos, seus anseios e os linkando com cada peça de sua casa. O mote do livro é que quanto mais alinhada com as emoções das pessoas que habitam nela, mais terapêutica será. Ou seja, um lar se faz com alma e verdade."

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao


2017/04/22

O dia a dia de uma arquiteta

No decorrer da vida profissional vamos colecionando histórias. Algumas jocosas, outra tragicômicas, outras tantas ainda beirando mesmo a tragédia. Fazem parte do folclore de todas as profissões. Imaginem uma que envolve um relacionamento muito estreito, tanto que nos faz entrar não apenas na casa dos clientes, mas em suas intimidades e sonhos. 

É essa realidade que a arquiteta Cinthia Liberatori descreve de maneira divertida e leve em uma série de crônicas de seu livro: Somos todos decoradores - o dia a dia de uma arquiteta.
Entre histórias divertidas ou coloquiais, sempre seguidas de tópicos explicativos sobre o assunto, ela nos revela sua prática e nos dá algumas dicas de como procedeu na sua vida profissional.

E se tem algo que gosto de ler e conhecer é sobre como o profissional age na prática e o que ele aprendeu com ela. Não apenas a técnica profissional, mas aqueles toques de como enfrentar situações e resolver pendências.

Nem sempre agiria como ela, cada profissional tem a sua visão e o seu modo de encarar a profissão, mas adorei alguns de seus toques e concordei profundamente com outros.

Exemplos:

  • O primeiro deles, uma frase de um arquiteto que resume muito do que penso sobre a profissão e sua prática: "Se fosse fácil não teria graça"
  • Um conselho de uma cliente: "A vida é dura com os moles". Aliás aprender com os clientes é uma das delícias da profissão. Lembro sempre de uma frase de uma minha que era: "Não me traga um problema, me traga a solução".   
  • Dizer não quando a intuição aponta que não vai dar certo: serve para clientes, mão de obra e fornecedores. Uma experiência complicada mas necessária.
  • E uma que adorei porque nunca tinha me dado conta: escolher alguém para assistente que não domine a área para evitar interferência no resultado do projeto. Lembrei de várias situações onde as pessoas davam palpites sobre meu projeto PARA OS CLIENTES! 

  • Em resumo, é uma leitura rápida, divertida e de quebra faz a gente repensar algumas práticas.

    Sinopse: Com seu jeito expansivo, apaixonada pelo o que faz e sempre a mil por hora, Cinthia foi relatando suas experiências na profissão e com elas montando o fascinante mosaico que compõe o dia a dia de todos que se dedicam ao ofício de materializar o sonho mais acalentado por todos nós: a casa da gente. Com humor, sinceridade e perspicácia Cinthia abre o jogo desse lado pouco conhecido e dificilmente divulgado da profissão. Em suas crônicas ela conta situações muito comuns na rotina de quem está na área. As rusgas com o engenheiro, os melindres entre os fornecedores e o cliente, as saias-justas que certos pedidos causam são alguns dos temas abordados. SOMOS TODOS DECORADORES é uma obra que lança um novo olhar para tão fascinante profissão. Quem já contratou alguém para construir, reformar ou decorar também vai rir, talvez até de si mesmo, por se ver retratado em algumas das peripécias da Cinthia. Maria Helena Pugliesi - Jornalista/editora na Editora Abril e Jornal Estado de São Paulo.



    Somos Todos Decoradores - o dia a a dia de uma arquiteta de Cinthia Liberatori

    PS: Ganhei o livro para leitura

    Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

    Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
    snapchat: arqsteinleitao
     

2017/04/20

Armazém de tijolos com cobertura em vidro em centro musical

 Uma sala de concertos em Hamburgo revitaliza um antigo armazém dos anos 60 feito em tijolos com a colocação de uma impactante cobertura em vidro. É o Elbphilharmonie, com projeto de reforma de Herzog & de Meuron.
 A união entre a rusticidade de um elemento, o tijolo cru, com a nova tecnologia que coloca os 1.100 elementos de vidro, curvados com uma desconcertante diversidade que faz com que reflitam a paisagem ora de um jeito, ora de outro, faz desse projeto um marco na paisagem da cidade. 
Internamente o vidro também é usado com a forma arredondada para marcar a circulação e permitir a vista da cidade e do porto. 
A acústica da enorme de concertos, com 2.100 lugares, em forma circular, foi estudada e projetada com Yasuhisa Toyota. Foi usado um sistema de "10.000 painéis de gesso moídos com grande precisão milimétrica, para dividir o som corretamente, com a ajuda de um refletor sob o teto." (Fonte)



Obs: Sobre acústica eu recomendo a leitura do capítulo 5 do livro Entender a Arquitetura sobre Deleite - acústica, forma e som onde o autor mostra a evolução dos teatros e consequentemente dos problemas em acústica. Uma visão bem geral mas que dá um panorama mais aprofundado sobre esse tema tão fascinante.

Fotos: Thies Rätzke (exterior) e Michael Zapf (grande salão)

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao
 

2017/04/18

Escritório verde e sustentável - projeto barato e criativo


Espaços mortos são aqueles que não tem muito ou nenhum uso. Mas nunca para jovens arquitetos. Principalmente quando eles necessitam conjugar economia, criatividade e sustentabilidade em um local de trabalho. Querem ver como?
O desafio era projetar um espaço de escritórios de leasing. O orçamento não era dos mais abonados. A solução foi encontrada na utilização de varandas que não são usadas no local por vários motivos, entre eles segurança e cultural.

Local (onde) encontrado, segunda decisão: Como. 


A proposta do projeto foi utilizar um interessante sistema de estrutura com vergalhões de construção. Esse sistema conforma o espaço, serve de mobiliário, abriga estantes para armazenar de caixas às revistas do escritório. E ao ser usado com um sistema para vegetação cria uma barreira na varanda que protege tanto do clima (sol e chuva) como traz segurança, um dos problemas que geravam a não utilização do espaço.  

Para tanto desenvolveram o sistema ECO-Balcony, que usa princípios de aquaponia, permitindo que plantas e vegetais possam ser criados nos seus espaços antes considerados mortos.

Projeto: Farming Studio
Fotos: Nguyen Thach tailandês, Quang Tran, cortesia de Estúdio de agricultura


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao
 

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More