Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2014/06/02

O outro lado do caminho


Quando elegi minha palavra de 2014 - DESAPEGO - não sabia o quão grande seria o meu desafio. Um até breve para uma pessoa tão especial que me ensinou até o último momento. Já falei muito sobre ele aqui e me deixem compartilhar uma última experiência. 

Foi um longo tempo de internação, foram sacrifícios e dores que ele não merecia, mas que a tudo resistia com bravura. A mesma garra com que sempre levou a vida. Mantinha a curiosidade, o carinho, a gentileza. Mas chegou o momento em que me pediu: me larguem. E eu tentei. Achei que tinha conseguido mas não. E numa noite pedi muita, muita proteção e ajuda porque não queria soltá-lo. E na manhã seguinte, ao chegar no box da CTI onde estava, sedado, entubado, senti uma energia imensa, uma luz diferente e contagiante. E senti que o desapego vinha do amor, que entendia que sua alma livre tinha que voar para o outro lado do caminho. Foi a primeira vez que saí do hospital de alma leve e em paz. Crença, fé? Energia física? Não importa. Ele estava ali e eu disse até breve. Por isso quando entre as inúmeras mensagens que recebi e me confortaram o coração, compartilho a oração de Santo Agostinho porque exprime bem o que senti. Obrigada Karina, foi muito importante para mim, para nós, esse teu compartilhar de sentimentos. E a deixo aqui com vocês agora. Obrigada a todos! 

 

A morte não é nada. 

Eu somente passei para o outro lado do Caminho. 
Eu sou eu, vocês são vocês. 
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. 
Me deem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. 
Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. 
Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. 
Rezem, sorriam, pensem em mim. 
Rezem por mim. 
Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. 
Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. 
A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. 
Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas? 
Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho... 
Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi. 
Santo Agostinho

Comentários
6 Comentários

6 Opiniões:

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More